Nacional

Fátima 2017: Papa Francisco e Marcelo Rebelo de Sousa trocam presentes em Monte Real

Agência Ecclesia
...
CTV
CTV

Dois responsáveis quiseram marcar encontro com ofertas alusivas ao Centenário das Aparições

Monte Real, 12 mai 2017 (Ecclesia) – O Papa e o presidente da República trocaram hoje presentes, depois da chegada de Francisco a Portugal e à Base de Monte Real, para presidir ao Centenário das Aparições e à canonização de Francisco e Jacinta Marto.

O presidente da República ofereceu a Francisco um oratório de madeira, com uma imagem de Nossa Senhora de Fátima; enquanto o Papa argentino concedeu a Marcelo Rebelo de Sousa um mosaico dedicado aos 100 anos das aparições.

De acordo com a sala de imprensa da Santa Sé, este mosaico “é uma interpretação de um desenho que representa simbolicamente a história e a natureza contemporânea das Aparições de Nossa Senhora de Fátima”.

Esta obra, produzida pelo Estúdio do Mosaico do Vaticano, “representa na parte inferior os três pastorinhos”, Francisco, Jacinta e Lúcia, “em oração perante a Virgem”.

Por cima, com um “enquadramento composto pelas velas de milhares de peregrinos, em procissão” no Santuário de Fátima, vemos a imagem de Maria, “a Senhora de Branco”, representada em cima da azinheira onde há 100 anos atrás, apareceu aos três videntes.

O contraste entre o dia (na representação dos pastorinhos) e a noite (patente na ilustração da procissão das velas), pretende realçar “que a luz oferecida há 100 anos àquelas crianças por Nossa Senhora do Rosário é renovada pela oração que a ela é oferecida hoje pela Igreja”.

No que diz respeito à oferta feita por Marcelo Rebelo de Sousa ao Papa, o oratório de madeira foi encomendado à Fundação Ricardo Espírito Santo, e é acompanhado por uma imagem de Nossa Senhora.

Na sua passagem pela Base Aérea de Monte Real, o Papa argentino ofereceu à capela daquela estrutura militar uma representação em marfim branco de São Francisco de Assis, o santo franciscano de quem retirou a inspiração para o nome com o qual quis marcar o seu pontificado.

A Santa Sé adianta que este baixo-relevo, que retrata o santo a rezar no meio da natureza, “pode muito bem ser considerada uma tradução figurativa de um episódio decisivo na vida de São Francisco”, na chamada “Legenda Maior”.

Nesse passo, Francisco está a rezar ao lado do monte Alverne, e vê Cristo na aparência de um anjo crucificado”.

Um acontecimento que muito o “impressionou” e que o autor deste baixo-relevo quererá ter imortalizado com um retrato que “transpõe com sucesso” toda a “força expressiva” de São Francisco.

A obra quer desta forma realçar “o sentido da participação absoluta no sofrimento de Cristo”, que São Francisco transportou consigo durante o resto da sua vida, através “do dom dos estigmas”, recorda a Santa Sé.

JCP