Nacional

Igreja/Sociedade: Lisboa será «mais rica» com iniciativas de «encontro e diálogo»

Agência Ecclesia
...

Dinâmica «Escutar a Cidade» chega ao fim com apelos para construir «caminhos de futuro»

Lisboa, 19 jun 2015 (Ecclesia) – A iniciativa «Escutar a Cidade», que chegou ao fim esta quinta-feira em Lisboa, “inscreveu-se num grande bem” que é “o diálogo” a promover entre pessoas que “pensam diferente”.

“A cidade de Lisboa e a sociedade em que vivemos serão mais ricas e mais felizes na medida em que promovemos o diálogo. A Igreja deve estar nesse tom”, afirmou à Agência ECCLESIA o bispo auxiliar do patriarcado, D. José Traquina, que no Fórum Lisboa ouviu os últimos desafios colocados à Igreja Católica sob o tema ‘Linguagens, espiritualidades, sexualidades e convicções’.

A dinâmica que ao longo de seis meses envolveu cerca de 30 movimentos, comunidades e organizações católicas, como forma de auscultar não crentes na preparação do Sínodo Diocesano de Lisboa, foi para o bispo auxiliar um espaço de “abertura” para essa conversa, ditando “caminhos para o futuro”.

Louvando a iniciativa de leigos e esperando que “aconteçam outras”, o responsável saudou “o envolvimento” provocado.

“Não estamos a estudar um documento em casa, não o fazemos sozinhos. Estamos a participar, pondo as pessoas a conversar, a participar, a colocar em cima da mesa as suas reflexões sobre a realidade. Confrontado depois com aquilo que é a reflexão que a Igreja tem sobre esta realidade dará com certeza, pistas, ajudará a abrir caminhos novos para todos”, assinalou.

A poetisa Ana Luísa Amaral, convidada a desafiar a Igreja na última sessão, destacou à Agência ECCLESIA a ponte que a espiritualidade pode ser.

“A espiritualidade pode ser uma forma de resistência, de insurreição, porque nos obriga à paragem, a resistirmos àquilo que faz parte hoje do nosso mundo, e que nos impõem, que é uma velocidade estonteante onde não conseguimos parar para pensar e sentir”, precisou.

Para a vencedora do Prémio Literário Casino da Póvoa em 2007, a fé “é uma forma de amor”.

“Se eu tentar pensar em algo aproximável à fé eu falaria do amor. Nós não vemos o amor e todavia sentimo-lo”, exemplificou.

A coreógrafa Madalena Vitorino quis propor um olhar “atento” ao movimento do mundo que, através de “diferentes formas de dança”, manifesta “problemáticas e preocupações”.

“A dança é um atividade muito humana que desventra a relação corpo a corpo ao seu essencial. É nesse sentido que eu sinto que é uma arte importantíssima para estar em todos os lugares, até nas igrejas”, defendeu.

A também professora na Escola Superior de Teatro e Cinema acredita que esta é uma forma de ir ao encontro do que a Igreja procura, colocando-as “em contacto” e construindo “uma vida para a frente”.

Para a cineasta Margarida Cardoso é importante quebrar o silêncio que constrói “ideias preconcebidas em especial juntos dos jovens” sobre a Igreja e que não mostram a “diversidade dos católicos”: “É um problema de silêncio não de linguagem. Há coisas que todos nós desconhecemos, respostas que não temos mas às quais não podemos deixar o silêncio. A paz não é silêncio e este não é resposta”.

O psicólogo e psicoterapeuta Telmo Baptista criticou a falta de tempo que “a vida rápida e a sociedade de consumo” impõem.

“Esta capacidade de, como comunidade, ouvirmos melhor os outros é construtora de saúde mental, de uma ligação que fomenta a capacidade de amar e ser amado”, disse.

Os organizadores da «Escutar a Cidade» vão produzir um texto síntese com os contributos dos convidados.

"Depois destas seis sessões, faz sentido que, além de sintetizar, formulemos esse nosso encontro com o escutado sob a forma de desafios ou prioridades para a Igreja diocesana. Para tal, iremos propor aos 30 movimentos promotores um método de elaboração de um documento que, posteriormente, faremos chegar ao secretariado do Sínodo", adiantou Helena Valentim.

LS



Diocese de Lisboa