Nacional

Mário Soares: Antigo presidente da Comissão da Liberdade Religiosa foi um defensor das «religiões na construção da paz»

Agência Ecclesia
...
Lusa, Funeral de Mário Soares, Jerónimos
Lusa, Funeral de Mário Soares, Jerónimos

Padre Manuel Saturino Gomes recorda a surpresa da nomeação para o cargo

Lisboa, 10 jan 2017 (Ecclesia) - O padre Manuel Saturino Gomes, membro da Comissão da Liberdade Religiosa, disse à Agência Ecclesia que Mário Soares foi um defensor das “religiões na construção da paz e de uma sociedade mais justa”.

Em 2007, Mário Soares foi indicado para presidir à Comissão da Liberdade Religiosa, criada pela Lei 16/2001, cargo no qual seria reconduzido em 2011, onde é representante da Igreja Católica, o padre Manuel Saturino Gomes.

“Causou alguma surpresa a nomeação do Dr. Mário Soares para presidente da Comissão da Liberdade Religiosa, sucedendo ao conselheiro Menéres Pimentel, por decisão do Conselho de Ministros de 28 de junho de 2007”, recorda o sacerdote especialista em Direito Canónico.

“Logo na primeira reunião da Comissão, o antigo Presidente da República salientou a importância das religiões na construção da paz e de uma sociedade mais justa, manifestando a sua imparcialidade e, ao mesmo tempo, sublinhando a sua condição de agnóstico”, acrescentou.

O padre Saturino Gomes sublinha que Mário Soares “confirmou sempre” a sua condição de agnóstico e, “ao longo das muitas reuniões a que ele presidiu, e de outras atividades conexas ao fenómeno religioso, que tiveram lugar noutros ambientes” condenava “todos os extremismos religiosos”.

“Por mais de uma vez confessou-me o seu apreço e respeito pela Igreja Católica, dizendo que não tinha sido tocado pela graça da fé”, recorda o sacerdote dehoniano, acrescentando que Mário Soares “admirava certas figuras da hierarquia católica com quem tinha contatado em encontros oficiais e particulares”.

Mário Soares morreu dia 7 de janeiro no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde estava internado desde o último dia 13 de dezembro.

O Governo decretou três dias de luto nacional, a partir desta segunda-feira, pela morte do antigo chefe de Estado.

O corpo de Mário Soares está em câmara ardente no Mosteiro dos Jerónimos e o funeral realiza-se a partir das 15h30 de terça-feira no Cemitério dos Prazeres, em Lisboa.

PR