Vaticano

Francisco/3.º aniversário: Porta-voz do Vaticano fala em liderança moral cada vez mais «global»

Agência Ecclesia
...

Padre Federico Lombardi sublinha abordagem dos «grandes temas» por parte do Papa

Cidade do Vaticano, 08 mar 2016 (Ecclesia) - O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, afirmou que o Papa Francisco se tem afirmado como um líder “moral” de dimensão global, nos seus quase três anos de pontificado.

“Tenho a impressão de que tem crescido a autoridade do Papa como mestre de humanidade, da Igreja e da humanidade, numa perspetiva global, porque no último ano, o Papa chegou a praticamente todos os continentes”, declarou o responsável pela sala de imprensa da Santa Sé, em entrevista à Rádio Vaticano.

O cardeal Jorge Mario Bergoglio foi eleito como sucessor de Bento XVI a 13 de março de 2013, após a renúncia do agora Papa emérito; assumiu o inédito nome de Francisco, tornando-se o primeiro Papa jesuíta na história da Igreja e também o primeiro pontífice sul-americano.

Para o porta-voz do Vaticano, em 36 meses, Francisco tem tratado com “autoridade” os problemas da humanidade e da Igreja.

“Fala dos temas da paz e da guerra, que dizem respeito a todos, fala dos grandes temas da sociedade atual no contexto da globalização, da ‘cultura do descarte’, da justiça e da participação”, enunciou o padre Lombardi.

O sacerdote jesuíta sublinha o impacto da encíclica ‘Laudato si’, que “conseguiu dar uma visão global das perguntas urgentes e cruciais da humanidade de hoje e da humanidade de amanhã”

“A humanidade olha para o Papa Francisco como uma pessoa que ajuda a encontrar a orientação, a encontrar mensagens de referência numa situação de grande incerteza. Um líder e mestre credível”, acrescentou.

O diretor da sala de imprensa da Santa Sé elogiou depois a forma “nova e original” de apresentar a mensagem da Misericórdia com a convocação de um Jubileu que se espalha por todo o mundo.

A entrevista aborda depois a polémica da fuga e publicação de documentos reservados da Santa Sé, o ‘Vatileaks 2’, de que Francisco falou publicamente a 8 de novembro de 2015, para assegurar que a “reforma” em curso iria continuar.

Segundo o padre Lombardi, “o Papa, vindo de longe, dá uma perspetiva nova e tem uma grande capacidade de ver todas as expectativas de renovação da Igreja e suas estruturas de governo”.

“Os Sínodos são caraterísticos deste comportamento: ter enfrentado um tema central como o da família mostra o desejo de ir com confiança e coragem ao coração das grandes questões pastorais da vida cristã”, acrescentou.

Em relação às críticas que têm sido feitas ao atual pontificado, inclusive por partes de católicos, o porta-voz do Vaticano entende que se devem ao facto de se “caminhar em terrenos novos, procurando responder a questões que são colocadas com urgência por um mundo que está a mudar.

“É algo que naturalmente provoca preocupação, temor, incerteza”, precisou.

Falando de um pontificado “rico de gestos concretos” e de imagens, o padre Lombardi escolhe como símbolo particular os momentos de “atenção aos doentes, abraçar quem sofre”.

“São gestos que falam realmente a toda a humanidade e que nos tocam profundamente”, conclui.

OC



Papa Francisco