Vaticano

Igreja: Papa contra banalização da violência e do insulto na vida diária

Agência Ecclesia
...
Foto: Lusa
Foto: Lusa

Francisco alerta para consequências da cultura do «anonimato» à escala global

Roma, 17 fev 2017 (Ecclesia) - O Papa alertou hoje em Roma para a banalização da violência e do insulto na vida diária, alertando para as consequências deste clima de “guerra” no panorama internacional

Francisco falava perante professores e alunos da mais jovem universidade pública da capital italiana, ‘Roma Tre’, denunciando a “violência” no modo de falar, o “insulto” e o anonimato, um processo que “tira o nome” às pessoas.

“Anónimos, uns para os outros. Tira-te o nome e as nossas relações são um pouco sem nome: sim, é uma pessoa, aquela que está diante de mim, com um nome, mas eu cumprimento-a como se fosse uma coisa. Isto que vemos aqui cresce, cresce, cresce e torna-se a violência mundial”, sublinhou, durante um discurso improvisado de cerca de 45 minutos.

O Papa quis responder a algumas perguntas, que foram dirigidas por representantes dos alunos, começando por lamentar a “onda de violência” nas cidades antes de pedir que os jovens se envolvam cada vez mais “no serviço aos mais necessitados”.

Neste sentido, sugeriu à universidade que se empenhe com projetos de partilha e de serviço aos últimos, sobretudo na Cidade de Roma.

“A universidade é um universo, um lugar onde se pode dialogar. Uma universidade deve fazer um trabalho artesanal de diálogo, onde se formam as consciências, com um profundo confronto entre as exigências do bem, do verdadeiro e do belo, e a realidade com as suas contradições”, disse depois.

Francisco desafiou os presentes a combater a “cultura do hedonismo e do descarte, baseados em ídolos do dinheiro e do prazer”, procurando o “encontro com Cristo”.

O Papa encorajou docentes e estudantes a viver a universidade como espaço de diálogo, para a renovação da sociedade, elaborando “a cultura do encontro e do acolhimento de pessoas, culturas e religiões diferentes”.

A Universidade ‘Roma Tre’ nasceu em 1992, como projeto para revalorizar uma área industrial, com missões de pesquisa e atenção aos problemas sociais da cidade.

OC



Papa Francisco