Vaticano

Papa: Caridade é mais do que «dar esmola para aliviar a consciência»

Agência Ecclesia
...
(Lusa)
(Lusa)

Francisco encontrou-se hoje com responsáveis das organizações solidárias da Igreja Católica em todo o mundo

Cidade do Vaticano, 26 fev 2016 (Ecclesia) – O Papa classificou hoje a caridade como uma atitude “mais precisa do que nunca” no mundo, numa audiência com os participantes de um congresso dedicado aos 10 anos da encíclica “Deus caritas est”.

Segundo a sala de imprensa da Santa Sé, durante o encontro no Vaticano, Francisco enalteceu o esforço que a Cáritas e outras organizações solidárias católicas têm feito no mundo no sentido de “garantir aos mais pobres uma vida mais digna e humana”.

Um trabalho “essencial, não pelas palavras mas por um amor concreto que pode levar cada pessoa a sentir-se amada por Deus”, frisou o Papa argentino.

No congresso em Roma estão presentes representantes de vários países das conferências episcopais e de organismos caritativos da Igreja, incluindo a diretora da Cáritas de Cabo Verde, Marina Almeida Costa, para além de responsáveis de organismos da Santa Sé.

A todos o Papa recordou que “o ato de caridade não é simplesmente dar uma esmola para aliviar a consciência” mas sim “o centro de toda a vida católica”.

Quanto mais vivermos neste espírito, mais autênticos seremos como cristãos”, acrescentou.

Francisco frisou também que  “a caridade é o primeiro e o maior dos mandamentos” e que, a par da “misericórdia”, ela é o gesto que melhor demonstra a relação que Deus construiu e quer continuar a construir com os homens.

“Deus não tem apenas o desejo ou a capacidade de amar, Deus é amor: a caridade é a sua essência, a sua natureza. Assim, devemos olhar para a caridade divina como um compasso que marca o ritmo da nossa vida. Através da caridade, aprendemos a olhar para os nossos irmãos e irmãs no mundo”, complementou.

Organizado pelo Conselho Pontifício “Cor Unum”, organismo da Santa Sé que coordena a ação das instituições católicas ligadas à área social e humanitária, o congresso que decorreu entre quinta e sexta-feira serve para assinalar os 10 anos da encíclica “Deus caritas est”, escrita pelo Papa Bento XVI.

Um documento que “recordou que a caridade precisa de estar cada vez mais refletida na obra da Igreja Católica”, disse o Papa argentino, enfatizando a oportunidade que o Jubileu da Misericórdia também deve representar para que todos os cristãos.

Para que façam da caridade o centro “da sua vida e do seu testemunho, o centro da proclamação de toda a fé”, concluiu.

JCP



Caritas Papa Francisco