Vaticano

Refugiados: Papa manifesta apoio à Grécia e pede ação concertada da comunidade internacional

Agência Ecclesia
...
(Lusa)
(Lusa)

Francisco saudou ainda sinais de paz da Síria e evocou tragédia nas Fiji

Cidade do Vaticano, 28 fev 2016 (Ecclesia) – O Papa manifestou hoje no Vaticano o seu apoio à Grécia e a todos os países que estão na linha da frente do apoio aos refugiados, pedindo uma ação “concertada” da comunidade internacional, neste campo.

“A Grécia e os outros países que estão na primeira linha prestam aos refugiados um apoio generoso, que precisa da colaboração de todas as nações: uma resposta concertada pode ser eficaz e distribuir com equidade os pesos”, declarou, perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro para a recitação do ângelus.

Francisco começou por manifestar que a sua oração tem “sempre presente o drama dos refugiados” que fogem das guerras e de situações “desumanas”.

Mais de 5000 refugiados encontram-se retidos no posto fronteiriço de Idomeni, no norte da Grécia, aguardando a decisão de quatro Estados balcânicos de instaurar novas quotas.

Ainda na última semana, a Grécia e a Áustria entraram em desacordo sobre a crise migratória, por causa das medidas que visam controlar a entrada de refugiados.

“É preciso avançar com determinação e sem reservas nas negociações”, defendeu o Papa.

Francisco manifestou depois a sua satisfação com as notícias sobre o “fim das hostilidades” na Síria, convidando todos os presentes a “rezar para que esta janela de oportunidade possa dar alívio a uma população sofredora e abra caminho ao diálogo e à paz tão desejada”.

O Papa quis ainda deixar uma palavra de “vizinhança” às populações das Ilhas Fiji, atingidas pelo ciclone Winston, o mais forte registado na história do arquipélago, com oração pelas vítimas e por quem está envolvido nas ações de socorro.

A catequese dominical tinha chamado a atenção dos católicos para a reação diante de notícias sobre homicídios, incidentes ou catástrofes, alertando para a tentação de ver nestas um castigo divino.

“Jesus recusa claramente esta visão, porque Deus não permite as tragédias para punir as culpas, e afirma que as pobres vítimas não são piores do que os outros”, precisou.

Francisco disse que é necessário, pelo contrário, “mudar o coração”, e combater o mal e a hipocrisia, de que todos têm “um bocado”.

“Nunca é demasiado tarde para converter-se, nunca, até ao último momento”, referiu.

Nas saudações, o Papa associou-se ainda às associações que celebravam o Dia das Doenças Raras.

OC



Papa Francisco