Vaticano

Vaticano: Missão da Igreja é «evangelizar os pobres»

Agência Ecclesia
...
(Lusa)
(Lusa)

Francisco desafia comunidades católicas a estar juntos dos marginalizados

Cidade do Vaticano, 24 jan 2016 (Ecclesia) – O Papa afirmou hoje no Vaticano que a missão da Igreja é “evangelizar os pobres” e desafiou as comunidades católicas a estar junto dos marginalizados.

“Evangelizar os pobres: esta é a missão de Jesus, segundo o que Ele diz, esta é também a missão da Igreja e de todos os batizados na Igreja”, declarou Francisco, desde a janela do apartamento pontifício, perante milhares de pessoas reunidas para a recitação do ângelus na Praça de São Pedro.

A intervenção precisou que esse trabalho junto dos mais necessitados significa “aproximar-se deles, servi-los, libertá-los da sua opressão”, em nome de Jesus e com o seu espírito, “porque Ele é o evangelho de Deus, a misericórdia de Deus, a libertação de Deus”.

“Os pobres, de facto, estão no centro do Evangelho”, defendeu.

Francisco observou que Jesus apresentou a sua mensagem a todos, “sem excluir ninguém”.

“Pelo contrário, privilegia os mais distantes, os que sofrem, os doentes, os descartados da sociedade”, precisou, acrescentando que a mensagem do Evangelho se dirige “preferencialmente aos marginalizados, aos prisioneiros, aos oprimidos”.

O Papa referiu que no tempo de Jesus estas pessoas não estariam, provavelmente, no centro da comunidade de fé, questionando se hoje, nas comunidades paroquiais, associações e movimentos católicos, “são fiéis ao programa de Jesus”.

“A evangelização dos pobres, levar-lhes o feliz anúncio, é a prioridade?”, perguntou.

Francisco assinalou que não está em causa prestar “assistência social, muito menos atividade política”.

“Trata-se de oferecer a força do Evangelho de Deus, que converte os corações, cura as feridades, transforma as relações humanas e sociais segundo a lógica do amor”, explicou.

A intervenção identificou o ser cristão com o ser “missionário”, o que implica “anunciar o Evangelho, com a palavra e, antes ainda, com a vida”.

Jesus era um “mestre diferente do seu tempo”, porque anunciava a sua mensagem “em todos os lugares, nas sinagogas, pelas estradas, nas casas”.

“Jesus é diferente também de João Batista, o qual proclama o juízo iminente de Deus, enquanto Jesus anuncia o seu perdão de Pai”, prosseguiu.

A catequese dominical concluiu-se com uma oração à Virgem Maria, para que ajude os católicos a “sentir fortemente a fome e a sede de Evangelho que há no mundo, especialmente no coração e na carne dos pobres”.

Após a oração, Francisco despediu-se dos peregrinos com os tradicionais votos de “bom domingo e bom almoço”, antes de pedir orações por si.

OC



Papa Francisco