Cardeal-patriarca, que participa em encontro dos episcopados da Europa, fala na intenção de encontrar as melhores soluções, em conjunto

Foto: Episkopat.pl

Poznan, Polónia, 14 set 2018 (Ecclesia) – O cardeal-patriarca de Lisboa disse hoje que os episcopados católicos da Europa estão “completamente” do lado dos esforços do Papa Francisco para combater o problema dos abusos sexuais na Igreja Católica.

“Temos de resolver os problemas e temos de resolvê-los como Papa Francisco tem indicado e como tem comprovado que quer resolver. Por isso, estamos completamente com ele”, referiu à Agência ECCLESIA, durante os trabalhos da assembleia plenária do Conselho das Conferências Episcopais Europeias, que decorre na cidade polaca de Poznan até domingo.

No início dos trabalhos, esta quinta-feira, o presidente do CCEE, , cardeal Angelo Bagnasco, anunciou que a assembleia, que engloba representantes de episcopados católicos de 45 países, vai enviar ao Papa uma mensagem de solidariedade.

Francisco convocou os presidentes de todas as Conferências Episcopais do mundo para um encontro no Vaticano, de 21 a 24 de fevereiro de 2019, dedicado ao tema da proteção dos menores e dos abusos sexuais.

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa coloca esta decisão no caminho levado a cabo nos últimos anos, com as várias assembleias sinodais, como aconteceu em 2014 e 2015 com as reuniões mundiais de bispos sobre a família e o matrimónio.

“Não é novo, porque a própria realidade sinodal – que tem sido tão incentivada – vai como que intercalando as assembleias ordinárias, portanto, com os representantes eleitos das conferências episcopais, com as assembleias extraordinárias [com presença dos presidentes das conferências episcopais”, observou D. Manuel Clemente.

As assembleias extraordinárias são uma prática já habitual nesta prática sinodal da Igreja e agora também para este assunto, que é um assunto momentoso e que queremos resolver da melhor maneira”.

Também em declarações aos jornalistas, durante a assembleia da CEEE, D. George Pontier, presidente da Conferência Episcopal Francesa (CEF) comentou a convocatória do Papa Francisco.

“Estamos profundamente tocados pelo drama das vítimas”, referiu o arcebispo de Marselha.

O presidente da CEF entende que esta não é uma “operação” de cosmética, mas um convite à “conversão” num “momento dramático” para a Igreja, em que é preciso assumir o “pecado”.

OC

Partilhar:
Share