Conselhos do grupo coordenador passam por maior consciência da pegada ecológica

Foto: Igrejaacores.pt

São Miguel, Açores, 17 fev 2018 (Ecclesia) – As estradas de São Miguel, a maior ilha do arquipélago dos Açores, recebem a partir de hoje, primeiro sábado da Quaresma, até Quinta-Feira Santa, cerca de 2500 homens, nas “romarias quaresmais”.

Esta tradição mobiliza, em 2018, 52 ranchos, que integram cada vez mais romeiros provenientes de outras paragens, nomeadamente da diáspora e de Portugal continental”, adianta o portal ‘Igreja Açores’, da Diocese de Angra.

Os romeiros levam este ano um “caderno de encargos” proposto pelo bispo diocesano, D. João Lavrador.

Ao todo, são 10 as intenções que os romeiros devem ter em atenção nas suas orações: “a santificação dos sacerdotes da diocese, as vocações sacerdotais, consagradas, religiosas e missionárias, as famílias, os jovens; os leigos, os pobres e excluídos, os desempregados, doentes e idosos, o Santo Padre e as crianças e catequistas diocesanos”.

Já o Grupo Coordenador das romagens pede aos romeiros que sejam “ecológicos, respeitando a natureza, como obra prima da Criação Divina, deixando nos trilhos e caminhos, como única pegada”, a oração de cada um.

As tradicionais romarias de São Miguel assumem “uma dimensão comunitária” e “tocam” centenas de pessoas que se unem em várias freguesias da maior ilha açoriana para disponibilizar meios para a pernoita e a alimentação dos romeiros.

“Estes romeiros percorrem quilómetros e quilómetros a pé durante uma semana, trajando um xaile, lenço, saco para alimentos, bordão e terço, entoando cânticos e rezando”, assinala o ‘Igreja Açores’.

Os ranchos são organizados e devem cumprir um percurso, sempre com mar pela esquerda, passando pelo maior número possível de igrejas e ermidas de S. Miguel.

Também na Terceira, o Rancho da Conceição, em Angra do Heroísmo, já está a fazer a sua preparação tendo agendada a sua romaria entre os dias 7 e 11 de março.

Estas romarias quaresmais, segundo a tradição, tiveram origem na sequência de terramotos e erupções vulcânicas ocorridas no século XVI.

OC

Partilhar:
Share