Bragança, 11 jul 2018 (Ecclesia) – O bispo de Bragança-Miranda afirmou na ordenação diaconal de Jorge Afonso Pinto que participar nessa celebração é ter consciência da humildade do serviço e da confiança que se deve depositar em Jesus e na sua Igreja.

“Cada um assumindo a sua responsabilidade, a sua vocação e até a sua própria idade. Partimos do Batismo, mas se não servimos para servir é melhor não servirmos”, disse D. José Cordeiro, na ordenação diaconal deste domingo, na catedral de Bragança.

O prelado referiu que “é melhor encontrar outro caminho, outra vida, outro modo de estar na Igreja ao serviço do Evangelho”.

Segundo a informação enviada hoje à Agência ECCLESIA, pelo jornal ‘Mensageiro de Bragança’, D. José Cordeiro destacou que as vocações estão a aumentar na diocese e são cada vez mais os jovens que “dão sinais” disso, recordando todos os que contribuem para uma vocação.

“Que seja sempre a Palavra de Deus a mover-nos, não outros interesses”, observou na homilia da ordenação diaconal de Jorge Afonso Pinto, um jovem de 24 anos natural de Bragança que entrou para o Seminário em 2012 e foi batizado a 8 de dezembro de 1995.

O prelado realçou que o diácono “tem a missão de ajudar” o bispo e o seu presbitério no “serviço da palavra, do altar e da caridade”, mostrando-se como servo de todos.

O novo diácono é conviva, ou seja, participou no encontro/retiro proporcionado pelos Convívios Fraternos em Bragança e o bispo diocesano afirmou que gostariam “de contar ainda mais” com o movimento.

“Aquilo que já sois e fazeis, a vossa participação na Lectio Divina e em tantos outros momentos da vida da diocese. Que este momento seja interpelador para todos e cada um de vós”, disse D. José Cordeiro, citado pelo jornal ‘Mensageiro de Bragança’.

O movimento juvenil português que está a celebrar 50 anos de atividade e o prelado adiantou que depois do congresso em setembro vão “reunir para ver como na diocese” os Convívios Fraternos podem “fazer mais e melhor”.

CB/OC

Partilhar:
Share