Primeiro-ministro também felicitou bispo de Leiria-Fátima

Lisboa, 20 mai 2018 (Ecclesia) – O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), padre Manuel Barbosa, saudou hoje a nomeação cardinalícia de D. António Marto, anunciada pelo Papa, falando no reconhecimento de um “fecundo ministério”.

“É com grande alegria que acolhemos a notícia da nomeação de D. António Marto, bispo de Leiria-Fátima e vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, como cardeal da Igreja Católica. A sua nomeação pelo Papa Francisco é um reconhecimento do seu fecundo ministério episcopal na Diocese de Leiria-Fátima, no Santuário de Nossa Senhora do Rosário de Fátima e na Igreja em Portugal”, assinala o porta-voz do episcopado católico.

O padre Manuel Barbosa sublinha que o novo cardeal português é agora chamado a “estender o seu ministério episcopal a toda a Igreja, em comunhão mais intensa com o Bispo de Roma”.

“D. António Marto faz parte do grupo dos 14 novos cardeais, cuja proveniência, no dizer do Santo Padre ao anunciar hoje o Consistório para 29 de junho, «expressa a universalidade da Igreja»”, acrescenta.

O texto encerra-se com a invocação das “bênçãos do Espírito Santo” sobre os novos cardeais, em particular sobre D. António Marto, “para que, confirmando a sua adesão a Cristo, Supremo Misericordioso e fiel sacerdote, ajudem o Santo Padre no seu ministério como Bispo de Roma para o bem de todo o povo fiel de Deus”, como pede o próprio Papa Francisco.

O primeiro-ministro, António Costa, também felicitou hoje o bispo de Leiria-Fátima.

“Felicito D. António Marto, Bispo de Leiria-Fátima, pelo anúncio da sua nomeação como Cardeal, feito hoje pelo @Pontifex_pt. É uma hora de alegria, não só para a Igreja, mas para todos os que o estimam. Desejo-lhe as maiores venturas”, escreveu numa mensagem colocada na sua conta do Twitter.

D. António Marto, de 71 anos, vai ser o quinto cardeal português do século XXI, unindo-se no atual Colégio Cardinalício a D. Manuel Clemente, cardeal-patriarca de Lisboa; a D. José Saraiva Martins, prefeito emérito da Congregação para as Causas dos Santos, e a D. Manuel Monteiro de Castro, penitenciário-mor emérito, ambos com mais de 80 anos.

A 29 de junho, o Colégio Cardinalício vai passar a contar com 125 eleitores (59 dos quais criados por Francisco) e 102 cardeais com mais de 80 anos, os quais não têm direito a voto num eventual Conclave para eleição de um novo Papa.

OC

Partilhar:
Share