Papa Francisco recebeu hoje família de Asia Bibi e Rebecca Bitrus

 

Lisboa, 24 fev 2018 (Ecclesia) – Os monumentos do Cristo-Rei, em Almada, Setúbal, e a Basílica dos Congregados, em Braga, vão hoje iluminar-se de vermelho numa iniciativa da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) para lembrar os cristãos perseguidos.

Esta ação decorre no âmbito da jornada de oração e de sensibilização que vai também acontecer em Itália, Síria e Iraque, concretamente no Coliseu de Roma, na catedral maronita de Santo Elias, em Alepo, na Síria, e na igreja de São Paulo, em Mossul, no Iraque.

Estes países vão estar ligados, simbolicamente, através de monumentos “‘pintados’ da cor do sangue, para se lembrar ao mundo a questão da liberdade religiosa e, muito concretamente, a perseguição aos cristãos”, realça um comunicado enviado à Agência ECCLESIA.

Às 16 horas deste sábado vai ver início o «Terço pelos Cristãos Perseguidos», iniciativa a decorrer na Basílica dos Congregados, no Santuário de Cristo Rei, bem como em paróquias e movimentos que tenham aderido a esta iniciativa.

A iluminação está prevista para as 18h.

Ao final da tarde, em Roma, vão juntar-se no Coliseu diversas personalidades tais como o cardeal Mauro Piacenza, presidente internacional da AIS, do secretário-geral da Conferência Episcopal Italiana, D. Nunzio Galantino, e do presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani.

De acordo com a Sala de imprensa do Vaticano, o Papa Francisco recebeu hoje, em audiência o marido e uma das filhas de Asia Bibi, paquistanesa presa por alegada blasfémia, e Rebecca Bitrus, vítima do Boko Haram na Nigéria.

Asia Bibi foi condenado à morte e está na prisão desde 2009, por ter alegadamente insultado o profesta Maomé, à luz da “lei da blasfémia”, implementada no Paquistão.

Rebecca Bitrus, por sua vez, este sequestrada durante dois anos pelos islamitas do Boko Haram, na Nigéria; durante esse período, foi escravizada e violada, tendo engravidado de um dos seus captores.

OC/LS

Partilhar:
Share