Galardão pretende destacar vida e obra do médico e investigador belga

Lisboa, 12 jun 2018 (Ecclesia) – A Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP) distinguiu o médico e investigador belga Bernard Ars com o Prémio Internacional de Ética e Deontologia João XXI.

Num comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA, o organismo salienta que este galardão, instituído em 1951, pretende relevar “os profissionais da Medicina que se destacam no estudo e investigação nas áreas da Bioética e da Deontologia Médica, em diferentes países, com trabalhos apresentados e/ou publicados nesses domínios”.

Bernard Ars é médico-cirurgião, especialista em Otorrinolaringologia e em cirurgia cervico-facial, também na readaptação funcional e profissional de pessoas portadoras de deficiência.

Com mais de duzentos artigos e cerca de 20 livros publicados, este médico belga, e professor universitário, é ainda membro fundador do Instituto Europeu de Ética e conhecido também por participar em várias missões humanitárias internacionais.

Entre os seus livros, destacam-se títulos como ‘O sentido da medicina: A pessoa humana’ e ‘O sofrimento e a dignidade’.

Em 2016, Bernard Ars esteve em Portugal, no Porto, para participar num congresso europeu organizado pelos Médicos Católicos, subordinado ao tema ‘Os médicos, a Igreja e a Europa hoje’.

Aos participantes, o médico belga trouxe uma palestra dedicada ao ‘Totalitarismo técnico-científico’.

O prémio João XXI foi entregue a Bernard Ars durante o Congresso Internacional da Federação Internacional das Associações de Médicos Católicos (FIAMC), que decorreu em Zagreb, na Croácia.

Na cerimónia, para oferecer o galardão ao premiado, esteve Margarida Neto, membro da atual direção nacional e presidente do Núcleo de Lisboa da AMCP, em representação do atual presidente da AMCP, Pedro Afonso.

Durante o mesmo Congresso Internacional da FIAMC, Bernard Ars foi eleito presidente da direção deste organismo internacional.

O Prémio Internacional de Bioética e Deontologia Médica João XXI foi instituído em 1951 e atribuído pela primeira vez em 1954, no 6.º Congresso Internacional, realizado em Dublin.

Teve como tema obrigatório “A conduta do médico perante o problema da limitação dos nascimentos” e premiou um grupo de médicos investigadores do Instituto de Estudios Sociales, de Barcelona.

Este galardão pretende também homenagear de modo especial o Papa João XXI, um português de seu nome Pedro Hispano, um médico, teólogo, matemático e professor que foi Papa entre setembro 1276 até à data da sua morte, em maio de 1277.

JCP

Partilhar:
Share