Encontro internacional decorreu em Braga

Braga, 14 jun 2018 (Ecclesia) – Os Movimentos de Trabalhadores Cristãos da Europa pediram a defesa de valores “da solidariedade, da responsabilidade cívica e do trabalho digno”, no comunicado final do seminário internacional ‘Entendimento do mundo do trabalho e do emprego’, realizado em Braga.

“Cabe-nos a todos a tarefa de defender e vivenciar a cultura dos valores da solidariedade, de carinho, dos laços sociais, da responsabilidade cívica e do trabalho digno”, destaca a LOC/MTC no documento enviado hoje à Agência ECCLESIA.

Os trabalhadores cristãos afirmam que querem “combater a noção de impotência”, sofrendo com os que sofrem e dinamizar novos grupos “portadores de confiança no hoje e no futuro”.

A sessão de abertura foi presidida pelo arcebispo de Braga que, segundo o comunicado, “desafiou” a LOC/MTC “a continuar a agir no mundo do trabalho, interpretando e vivendo aí o Evangelho”.

D. Jorge Ortiga afirmou que “o trabalho humano é um direito de todos que tem que estar acompanhado também pela qualidade”, e permitir uma vida com dignidade.

Já o coordenador nacional da LOC/MTC, José Paixão, salientou a “urgência” de respostas que contrariem a desvalorização do trabalho humano e que o diálogo social é importante e deve contribuir para priorizar o trabalho e a dignidade dos trabalhadores.

Estiveram em Braga representantes do KAB da Alemanha; da ACO e da HOAC de Espanha; da KAP da República Checa; da BASE – Fut; do CIFOTIE; da LOC/MTC, do MAAC, da JOC, da Pastoral Operária, de Portugal e do MTCE e do EZA, da Europa.

‘Entendimento do mundo do trabalho e do emprego, na perspetiva da qualidade de vida e da dignidade dos trabalhadores’ foi o tema do encontro realizado entre 7 e 9 deste mês.

O seminário internacional promovido pela LOC/MTC contou com o apoio do EZA – Centro Europeu para os Assuntos dos Trabalhadores e da União Europeia, e realizou-se na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva.

Numa mesa-redonda foram abordadas as mudanças no trabalho e as novas formas como é apresentado com a apresentação da realidade de Espanha, da Alemanha, da República Checa e Portugal.

“Apela-se a que cada trabalhador e trabalhadora se sinta cada vez mais responsável por cuidar dos mais frágeis; ao cuidar do outro, cuidamos de nós e sentimo-nos felizes”, concluíram das intervenções.

O comunicado informa também que que os participantes visitaram a União dos Sindicatos de Braga, ao jornal ‘Diário do Minho’, da Arquidiocese de Braga, e a uma empresa de construção civil onde conversaram sobre como as instituições estão atentas “às mudanças digitais no mundo do trabalho”.

CB

Partilhar:
Share