Santuário deve continuar a afirmar-se como lugar de «esperança», frisou D. António Augusto Azevedo

Foto Fátima.pt

Fátima, 13 jul 2018 (Ecclesia) – A peregrinação internacional de julho ao Santuário de Fátima terminou com apelos contra à “resignação e indiferença” perante os “rostos do mal” que marcam hoje o mundo.

Na homilia da Eucaristia de encerramento da peregrinação, nesta manhã de sexta-feira em Fátima, D. António Augusto Azevedo salientou o papel de Fátima enquanto “janela de esperança que Deus deixou aberta” à humanidade.

Um local e uma mensagem que hoje é cada vez mais “necessária” numa sociedade que não raras vezes, apontou o responsável católico, tem sofrido na pele as “consequências dramáticas” de fenómenos como a guerra, o terrorismo, a pobreza e a discriminação étnica ou religiosa.

Para o bispo auxiliar do Porto, que presidiu às cerimónias na Cova da Iria, não deixa de ser “paradoxal” que num contexto em que hoje o Homem “tem ao seu dispor uma tão grande variedade de meios”, continuem a “abundar” tantos “sinais de destruição e desespero”.

Nesse sentido, pediu aos peregrinos que encheram o recinto do santuário, e a todas as comunidades católicas, para que através da sua “ação” e “oração”, continuem a ser sinais do amor e da esperança que Deus quer transmitir a toda a humanidade, apesar das suas “infidelidades”.

“Não podemos cair na resignação, na indiferença, muito menos na banalização do mal”, apontou D. António Augusto Azevedo, numa homilia que reforçou a mensagem deixada na missa de quinta-feira à noite, dia 12 de julho, que teve em destaque a tradicional procissão das velas pelo recinto do Santuário.

D. António Augusto Azevedo frisou na ocasião que hoje são necessários “líderes sábios e competentes”, que em Portugal e no mundo possam ir ao encontro da “carência” e do “vazio” que atinge tantos homens e mulheres.

Líderes que sejam “capazes de congregar grupos, povos e instituições na busca do bem comum, no respeito pela liberdade e dignidade da pessoa”.

Aquele responsável animou ainda aos peregrinos que acorrem ao Santuário de Fátima para que prossigam de forma “corajosa, desassombrada, criativa e ousada” a sua caminhada de fé.

É fundamental que estejam cada vez “mais conscientes da sua missão de cristãos e de protagonistas da história de hoje”, completou o bispo auxiliar do Porto, que teve ocasião de assinalar e agradecer no altar de Fátima 32 anos de ordenação sacerdotal.

No final da peregrinação internacional de 12 e 13 de julho, D. António Marto, bispo de Leiria-Fátima e novo cardeal da Igreja Católica em Portugal, deixou como habitualmente uma palavra de “estima” e uma “saudação carinhosa” a todos quantos participaram nas celebrações destes dois dias, com particular atenção aos doentes e às crianças.

D. António Marto cumprimentou também os peregrinos de várias línguas que marcaram presença no Santuário, vindos de países como Espanha, Itália, Alemanha, França, Inglaterra, Polónia e Brasil.

De acordo com dados do Santuário de Fátima, estiveram em Fátima pelo menos 41 grupos organizados de peregrinos, provenientes de 16 países estrangeiros.

JCP

Partilhar:
Share