Cardeal cabo-verdiano preside a Eucaristia que precede noite de vigília pelas migrações e refugiados

Foto: Santuário de Fátima

Fátima, 12 ago 2018 (Ecclesia) – O cardeal D. Arlindo Gomes Furtado pediu hoje aos peregrinos e aos migrantes em Fátima que não tenham comportamentos de “azedume, irritação, cólera, insulto, maledicência e toda a espécie de maldade”, na peregrinação internacional de agosto ao santuário.

“Isto não deve acontecer com ninguém, nem com os outros, nem connosco. Nem mesmo quando outros se comportem assim connosco”, disse na sua homilia, citando São Paulo a partir da segunda leitura de hoje.

Na Missa Internacional, no recinto de oração do Santuário de Fátima, D. Arlindo Gomes Furtado explicou que os cristãos seguem “Cristo, que libertou dessas paixões negativas”.

“A presença do outro deve ser para um seguidor de Cristo um encontro em humanidade e uma oportunidade de testemunho de como é bom viver ao estilo de Jesus Cristo”, acrescentou D. Arlindo Gomes Furtado, para quem a “riqueza e a abrangência” das leituras deste domingo constituem “uma autêntica luz e um vigoroso conforto”.

«Sede bondosos e compassivos uns para com os outros e perdoai-vos mutuamente, como Deus também vos perdoou em Cristo. Sede imitadores de Deus como filhos muito amados. Caminhai na caridade, a exemplo de Cristo», exemplificou o cardeal cabo-verdiano, citando novamente o apóstolo Paulo.

Para o bispo da Diocese de Santiago, esta é que é “a conduta de um verdadeiro discípulo de Jesus Cristo” sempre, seja na terra de origem ou na diáspora, “num ambiente acolhedor ou nem por isso”, e “consciente da própria dignidade”.

Depois de 2011, D. Arlindo Gomes Furtado está a presidir pela segunda vez à peregrinação internacional de 12 e 13 de agosto no Santuário de Fátima, que assinala a quarta Aparição de Nossa Senhora aos Pastorinhos, onde se insere a Peregrinação do Migrante e do Refugiado.

O programa celebrativo continua com uma vigília, marcada por diversos momentos de oração, e esta segunda-feira, dia 13 de agosto, o Rosário vai ser recitado às 9h00 seguindo-se a Missa Internacional da peregrinação, com entrega de trigo e bênção de doentes, e a procissão do adeus.

A Igreja Católica em Portugal começou hoje a viver a 46.ª Semana Nacional das Migrações com o tema ‘Cada forasteiro é ocasião de encontro, Migrantes e Refugiados no caminho para Cristo’, até ao próximo domingo, dia 19 de agosto, terminando com uma Jornada de Solidariedade nas paróquias portuguesas.

CB

Partilhar:
Share