Frei Vítor Melícias e padre António Vaz Pinto falam sobre marcas do Franciscanismo e da Companhia de Jesus no atual pontificado

Papa em oração diante do túmulo de São Francisco de Assis

Lisboa, 13 mar 2018 (Ecclesia) – A 13 de março de 2013 era anunciado ao mundo o nome do sucessor de Bento XVI, Francisco, o primeiro pontífice da Companhia de Jesus na história da Igreja Católica, que se inspirou no santo de Assis, quando escolheu um nome inédito.

Frei Vítor Melícias, religioso da Ordem dos Frades Menores, fundada por São Francisco de Assis, diz à Agência ECCLESIA que o Papa é “um verdadeiro jesuíta” que também é “verdadeiramente franciscano”.

O padre António Vaz Pinto sublinha o “espanto da eleição” de um jesuíta, recordando que há 200 anos não havia um religioso como Papa.

Para este membro da Companhia de Jesus, Francisco revela-se como jesuíta na sua formação e na sua espiritualidade, mas “não ficou encerrado nessa gaveta”, mostrando sempre abertura.

“Não me admiro que tenha escolhido este nome e que tenha explicado que a escolha se deve à figura de São Francisco de Assis, na nota da simplicidade, da pobreza, da partilha, da proximidade”, acrescenta.

Frei Vítor Melícias considera que este tem sido um Papa “dos nossos dias e para os nossos dias”, que está a tentar ser “um reformador”, numa Igreja que se vai reformando “pacientemente” e “persistentemente”.

Esta Igreja, acrescenta António Vaz Pinto, é uma instituição “muito antiga e muito larga”, que é impossível “mudar de repente”, algo que não intimida Francisco.

“Eu não lhe vi ainda o mínimo gesto de medo”, conclui.

A entrevista é transmitida hoje no Programa ECCLESIA (RTP2), no dia em que se assinala o 5.º aniversário de eleição do Papa Francisco.

PR/OC

Cinco anos de Pontificado Papa Francisco

Cinco anos de Pontificado Papa Francisco – Análise de um Franciscano Padre Vitor Melicias e um Jesuíta Padre António Vaz Pinto

Agência Ecclesia 发布于 2018年3月13日

Partilhar:
Share