D. Manuel Felício incentiva a viver dias no santuário em «clima de oração e da penitência»

Foto: Jornal A Guarda, arquivo 2017

Guarda, 17 ago 2018 (Ecclesia) – O bispo da Guarda incentiva os fiéis a viverem a peregrinação diocesana ao Santuário de Fátima em “clima de oração e da penitência”, confiando a Nossa Senhora “o novo ano pastoral”, nos dias 22 e 23 de agosto.

“Desejamos pedir-lhe ajuda para continuarmos em caminhada sinodal, tal como pretendeu motivar a nossa Assembleia Diocesana. Desejamos sobretudo confiar-lhe o esforço que queremos fazer para transformar as nossas comunidades em verdadeiras escolas de Fé, assim como ajudá-las a despertar para a autêntica responsabilidade missionária”, escreve D. Manuel Felício.

Na nota pastoral, o bispo da Guarda refere que querem que a Peregrinação Diocesana a Fátima seja vivida em penitência e “clima de oração” e que esta seja “continuada por cada um” nas celebrações comunitárias e no recolhimento individual.

“A penitência e a oração foram os dois apelos que Nossa Senhora fez, desde a primeira hora das aparições, aos três pastorinhos e eles entenderam-no, à sua maneira é certo, mas muito bem, de tal maneira que as suas vidas mudaram como da noite para o dia”, exemplifica.

Em relação à penitência, o prelado assinala que o Sacramento da Reconciliação “é ajuda preciosa” e em Fátima “tem uma visibilidade notável”.

Neste contexto, destaca do programa a celebração penitencial, “com atendimento individualizado por um sacerdote”, a partir das 17h00, do dia 22 de agosto, quando começa o encontro, na Basílica da Santíssima Trindade.

A peregrinação diocesana da Guarda ao santuário da Cova da Iria termina às 15h00, do dia seguinte, 23 de agosto.

Na sua nota pastoral, D. Manuel Felício explica que a ligação da Diocese da Guarda ao Santuário de Fátima “é muito forte, desde o início dos acontecimentos das aparições”.

CB

Partilhar:
Share