História dos sete trapistas deu origem ao filme «Dos homens e dos deuses»

Cidade do Vaticano, 13 abr 2018 (Ecclesia) – O governo de Argel aprovou realização no país da cerimónia de beatificação dos monges de Tibhirine, 19 mártires cristãos mortos entre 1994 e 1996.

A confirmação foi dada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Abdelkader Messahel, em uma entrevista à emissora de Paris, ‘France 24’.

“A Argélia deu o seu consentimento para a beatificação na Argélia dos monges de Tibhirine e outros religiosos mortos durante os anos 90 e esta notícia foi comunicada ao Vaticano “, afirmou.

A cerimónia deve decorrer na cidade de Orã, da qual era bispo Pierre Claverie, assassinado a 1 de agosto de 1996, juntamente com o seu motorista muçulmano Mohamed.

Além do bispo de Orã vão ser beatificados outros 18 religiosos e religiosas, incluindo os sete monges trapistas sequestrados e mortos na Argélia em 1996.

A história dos monges da Ordem Cisterciense da Estrita Observância – Christian de Chergé, Luc Docher, Christophe Lebreton, Michel Fleury, Bruno Lemarchand, Celestin Ringeard e Paul Favre-Miville – raptados e assassinados em Tibhirine, deu origem ao filme ‘Dos homens e dos deuses’, realizador francês Xavier Beauvois.

Entre os futuros beatos estão duas agostinianas espanholas, as irmãs Caridade Álvarez e Esther Paniagua, assassinadas por ódio à fé durante as revoltas de 1994 na Argélia, levaram à morte de muitos estrangeiros, em especial de religiosos missionários que trabalhavam naquele país.

A beatificação representa, na Igreja Católica, a confirmação, por parte da Igreja, que um fiel católico é digno de culto diocesano e pode ser dado aos fiéis como intercessor, enquanto que a canonização e reconhecimento de santidade abre ao culto universal e o novo santo é apresentado como modelo de vida.

OC

Partilhar:
Share