Movimento mundial destaca papel da mulher como «anunciadora de dignidade e liberdade»

Foto: MMTC

Lisboa, 08 mar 2018 (Ecclesia) – A Liga Operária Católica/Movimento dos Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC) em Portugal associa-se hoje à celebração do Dia Internacional da Mulher, denunciando a exploração, falta de dignidade e liberdade a que são sujeitas.

“Em muitos cantos do mundo, ainda hoje, há mulheres que são exploradas, excluídas, violentadas, vítimas de tráfico, de exploração sexual, de trabalho escravo e mortas”, denuncia o Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos (MMTC).

Na declaração enviada à Agência ECCLESIA, o MMTC acredita que é possível outro modo de viver onde “homens e mulheres vivam com dignidade e convivam em harmonia”.

“As famílias são projetos coletivos, onde se aprende a partilhar tarefas, assumir responsabilidades e a respeitar as diferenças, porque nas famílias terá de haver lugar para a comunhão e a entreajuda”, realça.

A LOC/MTC Portugal também se associa às celebrações e partilha a declaração, que destaca o valor da mulher e convida a “fazer memória também do valor e do reconhecimento” que Jesus Cristo lhes deu no seu tempo, quando se aproximou, reprovou as atitudes de quem abusava delas e “fê-las precursoras do anúncio da Boa Nova da sua Ressurreição”.

O documento intitulado ‘Mulher: anunciadora de dignidade e liberdade’ alerta para a violência doméstica que continua “a destruir, diariamente, a vida de muitas mulheres” e é um “drama comum a todas as comunidades e culturas”.

“São ainda demasiadas as mulheres que vivem sujeitas a agressões físicas e psicológicas ou que são assassinadas pelos maridos, companheiros ou namorados”, lê-se na declaração enviada por LOC/MTC Portugal.

Celebrar o próximo Dia Internacional da Mulher, a 8 de março, é relembrar o caminho histórico “na emancipação, na assunção do poder e na igualdade de género” e sobretudo “no acesso aos direitos cívicos, às oportunidades profissionais”, acrescenta o movimento católico.

Neste contexto, os trabalhadores cristãos lembram com “carinho e gratidão” todas as mulheres que assumiram esta causa e luta.

Entre as mulheres é maior a taxa de “baixos salários, desemprego e pobreza” e são também “mais afetadas” com o assédio moral e sexual nas empresas.

O Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos realça que ao longo da história, as mulheres têm mostrado “imprescindíveis qualidades e competências” na vida profissional, política, social e associativa, acumulando as tarefas cívicas e “as responsabilidades familiares com alegria, determinação, confiança, e sensibilidade feminina”.

CB/OC

Partilhar:
Share