Leiria, 17 mai 2018 (Ecclesia) – A Diocese de Leiria-Fátima promove um congresso histórico sobre o centenário da restauração do seu episcopado, entre hoje e 19 de maio, na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Leiria.

A atividade, organizado pelo Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima e pela Academia Portuguesa da História, pretende “ler, em diacronia, as diferentes conjunturas históricas relativas à estruturação de uma comunidade circunscrita a um território eclesiástico específico que nasce no contexto do humanismo e ganha uma escala global a partir do século XX”, refere uma nota enviada à Agência ECCLESIA.

O vasto conjunto de conferencistas inclui “reputados historiadores e investigadores de diversas instituições associadas ao congresso, alguns deles da própria área da diocese e pretende-se “oferecer um painel temático abrangente”, começando pelos “antecedentes e fundação” da Diocese de Leiria, a “evolução do mapa religioso no território português ao longo da Idade Média”, a “ação dos Crúzios de Santa Cruz de Coimbra” neste território e a “política de D. João III”, lê-se

Já na época moderna, será abordada a formação das elites na “esteira de Trento”, o percurso dos bispos leirienses e os momentos cruciais da extinção e restauração da Diocese de Leiria, bem como alguns “rostos da história ignorada”.

Esta sexta-feira, será dedicado às “aproximações à identidade” da diocese restaurada, passando por temas como a crescente centralidade que foi assumindo, o papel do jornal “O Mensageiro”, o desenvolvimento do Seminário, o património artístico e identitário, as escolas de pintura, o projeto da Catedral de Leiria, a Igreja do Senhor Jesus dos Milagres da Ribeira de Agodim e a pintura barroca joanina na igreja da Colegiada de Ourém.

Este dia culminará com a visita à exposição “Um manto de todas as cores. A Virgem Maria no território de Leiria-Fátima”, que está patente no Museu de Leiria.

O mesmo caminho de procura de sinais identitários da diocese será continuado no último dia, sábado, com olhares sobre a imagem de Nossa Senhora da Encarnação, a “arte retabular”, as igrejas do pós-Concílio Vaticano II e a heráldica diocesana. Uma última abordagem será aos séculos XX e XXI, com a “ação dos bispos de Leiria na época contemporânea” e “a relação dos agentes diocesanos com um território espiritual”.

Hoje, realiza-se também um concerto evocativo desta efeméride na Sé de Leiria, às 21h00, pelo Coro de Câmara do Orfeão de Leiria.

As sessões de abertura e encerramento contarão com a presença de D. António Marto, bispo da Diocese de Leiria-Fátima, Manuela Mendonça, presidente da Academia Portuguesa da História, Rui Pedrosa, presidente do Instituto Politécnico de Leiria, e Marco Daniel Duarte, diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima.

LFS

Partilhar:
Share