Donativos das comunidades católicas vão ajudar projeto na República Centro-Africana

Lisboa, 14 fev 2018 (Ecclesia) – O cardeal-patriarca de Lisboa disse hoje em Lisboa que só o “Deus da vida” pode evitar os “desastres” na vida da Igreja e da sociedade, numa intervenção em que deixou referências às questões do aborto e da eutanásia.

D. Manuel Clemente sublinhou a importância de ajudar quem precisa, “envolvendo a todos num amor que cuida e não deixa ninguém desistir de viver”.

“O propósito essencial só pode ser este: estar decididamente do lado do Deus da Vida, que nos levará a uma convivência total, de presença e de espírito. De presença, para acompanharmos cada ser humano no arco inteiro da existência terrena, da conceção à morte natural”, assinalou, na homilia de Quarta-feira de Cinzas, divulgada pelo Patriarcado de Lisboa.

A intervenção, apresentada como mensagem de Quaresma de D. Manuel Clemente, convida todos a viver “a partir de Deus” e a acolher os outros na sua realidade própria, para que ninguém se alheie da sua “verdade relacional” e faça “da vida um desastre

“A tal nos conduzirá o Deus da Vida, como em Jesus Cristo se revela, como no Espírito nos recria. Com Ele acompanharemos cada pessoa, numa atitude envolvente e paliativa, em especial quando mais frágil de corpo ou de espírito. Da conceção à morte natural, como repetimos e bem, sem esquecer tudo o que decorre entretanto na vida de cada um”, insistiu.

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa apelou a uma “fortíssima Quaresma de sentimentos e olhares”, alertando para a “distorção mediática do mundo”.

“Há um círculo de oferta e procura no mundo mediático, de indução mútua entre desejo e oferta. Dão-nos o que procuramos e assim mesmo o sustentamos”, precisou.

A Quaresma, iniciada com a celebração de Cinzas, é um período marcado por apelos ao jejum, partilha e penitência, que serve de preparação para a Páscoa, a principal festa do calendário cristão.

O cardeal-patriarca anunciou que os donativos recolhidos nas comunidades católicas em 2018, na chamada “renúncia quaresmal”, se destina, construção de um novo edifício da Escola ‘Sacré Coeur’, na República Centro-Africana.

“Ali trabalham as Irmãs Oblatas do Coração de Jesus, no meio das grandes devastações que a luta armada têm infligido ao país, com mortes e destruições, desemprego generalizado, impossibilidade de estudar e de ser atendido na doença. A persistência das Irmãs é notável e o seu pedido é confirmado pelo cardeal Dieudonné Nzapalainga, arcebispo de Bangui”, explicou D. Manuel Clemente.

Em 2017, o montante recolhido, num total de 267 422,90 euros, destinou-se às obras necessárias no Seminário do Olivais.

OC

Partilhar:
Share