Entrada solene na Diocese acompanhada por autoridades civis e militares

Foto: Agência ECCLESIA/PR

Porto, 15 abr 2018 (Ecclesia) – O bispo do Porto, D. Manuel Linda, disse hoje na Missa que assinala a sua entrada solene na diocese que a Igreja e a sociedade são chamadas a trabalhar juntas pelo “bem comum”.

“Todos somos necessários e imprescindíveis. Mãos à obra: rezai comigo e rezai por mim”, disse, no início da celebração, após a leitura da bula pontifícia de nomeação, do Papa Francisco.

O novo bispo do Porto, que hoje completa 62 anos de idade, assumiu o compromisso de trabalhar em função do “grande objetivo que é o bem comum”.

A intervenção assinalou que hoje “parece eclipsar-se a tradicional ideia de Cristandade como simbiose entre fé e cultura”, mas sublinhou que, por outro lado, se verifica uma “nova sede de Transcendência”.

D. Manuel Linda deixou uma saudação aos “caríssimos sacerdotes”, “porta-estandartes do sagrado num mundo de profanidade”, aos diáconos permanentes, seminaristas, consagrados e consagradas, os milhares de catequistas, agentes sociocaritativos ou animadores litúrgicos da diocese.

O bispo falou ainda às famílias da diocese, que disse acompanhar na sua alegria e na “desilusão da crise do relacionamento”, no sofrimento com a doença, a pobreza, ou o desemprego

“Estou convosco, caras famílias, e rezarei por vós”, declarou.

A saudação estendeu-se aos idosos, os sem-família, sem-abrigo, migrantes, jornalistas, agentes culturais, desportistas e turistas que passam pelo território da diocese.

Esta intervenção começou com um cumprimento ao “mestre” D. António Bessa Taipa, até agora administrador diocesano, e aos outros bispos auxiliares, D. Pio Alves e D. António Augusto Azevedo.

A cerimónia conta com a presença de vários bispos portugueses, incluindo a presidência da Conferência Episcopal, autoridades políticas, militares, judiciais e académicas, além de empresários e representantes da sociedade civil.

O núncio apostólico em Portugal, D. Rino Passigato, leu publicamente a bula pontifícia de nomeação de D. Manuel Linda (15 de março de 2018) na qual o Papa Francisco fala dos “comprovados dotes de inteligência e de coração” do novo bispo do Porto, bem como da sua competência na “teologia moral e realidades pastorais”.

O pontífice evoca, nesta nomeação, a “feliz memória” de D. António Francisco dos Santos, anterior bispo do Porto, e saúda a “caríssima comunidade eclesial” da diocese nortenha.

Na sua homilia, D. Manuel Linda recordou a “tradição” dos bispos do Porto, gracejando com o seu “sotaque beirão”, o mesmo do seu imediato predecessor.

“Se o imito na pronúncia, saiba, igualmente, continuá-lo na simplicidade encantadora, na afetividade envolvente e na bondade contagiante. É que, tal como ele, também eu estou convencido que só isso lança pontes da Igreja para o mundo e do mundo para a Igreja”, realçou.

Neste contexto, o bispo do Porto agradeceu “o gesto das Câmaras Municipais do Porto e de Vila Nova de Gaia” de atribuir o nome de D. António Francisco dos Santos à nova ponte sobre o Douro, “estrutura de aproximação e de encontro”.

“Agradeço este tributo à Diocese do Porto que teve este ilustríssimo bispo como seu condutor; e agradeço esta interpelação que me é feita, a mim, pessoalmente, qual seja a necessidade de nunca me esquecer que um bispo é, por natureza e mandato divino, um «pontífice», um construtor de pontes”

No início da celebração, D. António Bessa Taipa, até agora administrador diocesano, saudou a assembleia e o novo bispo, nesta celebração que marca o início do serviço episcopal, considerando que este é um “momento histórico”.

“Desejamos-lhe, de coração, as maiores venturas na condução deste povo de Deus que agora lhe fica confiado”, disse a D. Manuel Linda, a quem prometeu “inteira obediência, total lealdade” e a “colaboração mais estreita” por parte da comunidade católica local.

O responsável quis ainda recordar D. António Francisco dos Santos, falecido a 11 de setembro de 2017, devido a um problema cardíaco.

“Damos graças a Deus por ele, pela bênção que foi”, declarou.

Esta intervenção concluiu-se com uma salva de palmas da assembleia e um abraço entre o novo bispo do Porto e D. António Bessa Taipa.

No final da Missa, D. Manuel Linda despediu-se dos presentes e deixou um convite, com a “chave da simpatia e da cordialidade”: “Vamos para o mundo, ele precisa de nós e nós não temos nada que desconfiar dele”.

A assembleia cantou os parabéns ao bispo do Porto, no dia do seu 62.º aniversário natalício.

OC

Transmissão integral da entrada de D. Manuel Linda na Diocese do Porto

Partilhar:
Share