D. Manuel Linda quer comunidades católicas em atitude missionária, ao encontro de quem está mais longe

Foto: Diocese do Porto

Porto, 06 jul 2018 (Ecclesia) – O bispo do Porto, D. Manuel Linda, disse à Agência ECCLESIA que o plano pastoral 2018/2019 quer incentivar a uma atitude missionário, para passar “da portinha da igreja” à rua, onde se encontram “as pessoas concretas”.

“A nossa temática vai andar à volta fundamentalmente de uma atitude psicológica. Igreja do Porto abre-te ao exterior, Igreja do Porto vai ao encontro daqueles que por algum motivo não participam do nosso estilo de vida religioso, ou estão mais adormecidos”, explicou o prelado.

D. Manuel Linda precisa que a atitude central é a saída de si, ao encontro das pessoas “cansadas, adormecidas, desanimadas”.

Em concreto, é pedido um “trabalho de aproximação” que passa pela “afetividade”, pelo que no próximo ano pastoral as comunidades católica vão ter uma “espécie de chavão”: “Amigo conquista amigo”.

O bispo do Porto exemplifica que a um aluno inscrito na “aula de Educação Moral e Religiosa Católica” é pedido que tente “sensibilizar um colega” que não estava inscrito a matricular-se na disciplina, que é opcional.

“É nesta linha, numa conquista pela afetividade”, sublinha o prelado que hoje participa na apresentação do Plano Diocesano de Pastoral 2018/2019, a partir das 21h30, na Casa Diocesana de Vilar.

O tema do próximo ano é ‘Todos discípulos Missionários’ e D. Manuel Linda assinala a “feliz coincidência” da escolha com a decisão da Conferência Episcopal Portuguesa, que convocou um ano missionário especial a partir de outubro e que termina no “mês extraordinário missionário” declarado pelo Papa Francisco, em 2019.

“Não nos esquecermos que a lógica da missão é sempre a do processo, do inacabado. A obra nunca estará feita. Daí a necessidade de adotarmos a atitude do semeador”, escreveu D. Manuel Linda no documento publicado no sítio online da Diocese do Porto.

LFS/CB/OC

Partilhar:
Share