Iniciativas assinalam centenário do nascimento do sacerdote jesuíta

Lisboa, 25 set 2018 (Ecclesia) – Os livros ‘Compreender o mundo e atualizar a Igreja: Grandes textos do padre Manuel Antunes’ e ‘Manuel: O menino com asas de livros’ foram apresentados esta segunda-feira, em Lisboa, no contexto do centenário do nascimento do sacerdote jesuíta.

“A publicação deste livro – ‘Compreender o mundo e atualizar a Igreja: Grandes textos do padre Manuel Antunes’ – na segunda década do século XXI ainda pode ser inspiradora para a leitura que fazemos e que é o contexto presente do mundo em processo de globalização e da Igreja que é desafiada por grandes questões que exigem a sua dinâmica de atualização e que essa dinâmica seja afinada”, disse José Eduardo Franco, um dos coordenadores da obra, à Agência ECCLESIA.

O responsável explicou que o padre Manuel Antunes teve a “capacidade pedagógica” de perceber, de fazer o diagnóstico da sociedade e da Igreja e “lançar grandes linhas de orientação para essa atualização”.

“A Igreja precisava de se fazer audível, ser compreendida e para isso precisa de falar a linguagem dos homens de hoje e ele defendeu essa atualização de linguagem que hoje em dia a Igreja precisa”, desenvolveu José Eduardo Franco, sobre o “grande pedagogo da renovação conciliar”, antes da apresentação dos livros na Biblioteca Nacional de Portugal.

‘Compreender o mundo e atualizar a Igreja: Grandes textos do padre Manuel Antunes’ foi coordenado com Luís Machado de Abreu, para quem o sacerdote “é uma revelação permanente”.

Neste âmbito, destacou dos textos que tem “lido e relido mais recentemente” ‘A partícula anti’, sobre o uso “insistente” dessa partícula na linguagem contemporânea e que a domina: “O anticlericalismo, antiamericanismo, antimaçonismo”.

“O Padre Manuel Antunes chama a atenção para importância de uma palavra como esta, que funciona como prefixo, tem para mostrar como existe um inconformismo, a vontade de pôr em causa mitos, estereótipos e pugnar por uma mudança, contestação ao que é demasiado estático, fixista, demasiado ligado ao passado”, desenvolveu Luís Machado de Abreu.

O livro infantojuvenil ‘Manuel: O menino com asas de livros’ foi escrito por Joana Lopes e tem ilustrações de Mafalda Milhões.

“Considerei que era muito importante dar a conhecer a vida do padre Manuel Antunes pelo percurso que teve enquanto ser humano, intelectual, pedagogo e pensador. Porque é oriundo de famílias muito humildes, mas o seu amor aos livros, à leitura, permitiu abrir horizontes”, explicou a autora.

Joana Lopes realça que na biografia infantojuvenil se percebe “o poder da leitura, o poder do livro como a força de elevar”, independentemente, “do sítio e das condições em que se nasce”.

Na mesma sessão foi apresentado o programa do Congresso Internacional ‘Repensar Portugal, a Europa e a Globalização: 100 anos Padre Manuel Antunes, Sj’ [3 a 6 de novembro, em Lisboa e na Sertã], por Guilherme d´Oliveira Martins, que antes orientou a visita à exposição itinerante sobre o ‘pedagogo da democracia’.

Para o presidente Comissão Científica do Centenário Antunesiano as várias formas de assinalar estes 100 anos – exposições, livros, congresso, entre outros – têm um objetivo “pedagógico”.

O padre Manuel Antunes que nasceu a 3 de novembro de 1918, na Sertã, e faleceu em 1985, em Lisboa, foi professor universitário, ensaísta, diretor editorial.

CB

Partilhar:
Share