D. Manuel Quintas destina renúncia quaresmal à comunidade do Rogil, em Aljezur

Faro, 14 fev 2018 (Ecclesia) – O bispo do Algarve sublinha na sua mensagem de Quaresma, que se inicia hoje, a importância das famílias, apresentando o seu amor como “uma força permanente para a vida da Igreja”.

D. Manuel Quintas convida a uma reflexão sobre a forma como “cada comunidade cristã está a apoiar as famílias, e cada um dos seus membros, na realização da sua vocação e missão” e como “está aberta e decidida a acolher, acompanhar, discernir e integrar a fragilidade das famílias”.

O texto, enviado à Agência ECCLESIA, tem como tema ‘…edificar a sua casa sobre a rocha…’ e apresenta a Quaresma como um tempo que “culmina com o reacender da luz batismal” e o empenho em “iluminar” as situações “mais escuras” da vida.

“Convite acolhido como condição para, alicerçados em Cristo, rocha imprescindível na construção da vida cristã e de todas as formas de vida na Igreja, anunciarmos o evangelho da família”, explica D. Manuel Quintas.

A Quaresma, que começa com a celebração de Quarta-feira de Cinzas, é um período marcado por apelos ao jejum, partilha e penitência, que serve de preparação para a Páscoa, a principal festa do calendário cristão.

“Constituem sempre meios oportunos, para uma conversão pessoal, de procura do essencial, de purificação e fortalecimento do amor e de maior adequação da vida ao Evangelho”, observa o bispo do Algarve.

D. Manuel Quintas realça que a verdade da vida cristã e a “autenticidade do testemunho” de cada pessoa dependem do modo como preparam e celebram a Páscoa.

“A Quaresma surge, por isso mesmo, cada ano como um tempo propício para acolhermos, com um coração mais disponível, os apelos da Palavra Deus e nos dispormos a progredir, de modo mais intenso, na conversão pessoal”, desenvolve.

A renúncia própria deste tempo litúrgico este ano reverte para a comunidade do Rogil, em Aljezur, que há muito está “empenhada” em possuir um espaço próprio para as “necessidades mais elementares”: “Ao nível da catequese e do aprofundamento da fé, da celebração do culto, do acolhimento pessoal e da promoção da caridade”.

Neste contexto, o bispo do Algarve recorda que a partilha fraterna da Quaresma 2017 reverteu para a comunidade do Vicariato da Pedra Mourinha e os mais de 18 mil euros recolhidos, com “outros apoios diocesanos”, permitiu “avançar um pouco mais” na concretização do sonho de construir um “complexo pastoral, do qual faz parte a igreja paroquial”.

A Quarta-feira de Cinzas é, juntamente com a Sexta-feira Santa, um dos únicos dias de jejum e abstinência obrigatórios para os católicos.

CB/OC

Partilhar:
Share