Corpo de Deus: Celebrações e procissões nas 20 dioceses de Portugal

 

Os portugueses celebram esta quinta-feira a solenidade litúrgica do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, conhecida popularmente como Corpo de Deus. Uma celebração com raízes medievais, que é feriado nacional, e que convoca crentes de muitas localidades de Portugal para a celebração da festa do Corpo de Deus, invocadora do “triunfo do amor de Cristo pelo Santíssimo Sacramento da Eucaristia”.

Apresentamos aqui o que acontece nas 20 dioceses de Portugal, os horários das celebrações e das procissões e a relevância que o Corpo de Deus tem em cada região.

 

 

 

 

Diocese do Algarve

“Que este dia possa, verdadeiramente, constituir um apelo muito grande a crescermos na fé na presença real de Jesus na eucaristia e que este testemunho do Francisco [pastorinho de Fátima] possa ajudar-nos a centrar, através da eucaristia, o nosso coração em Deus que é Pai e nos ama como filhos.

Se nos deixássemos cativar por esta presença, certamente que também a nossa vida se transformaria e, através de nós, também a vida daqueles que nos rodeiam, porque a eucaristia conduz-nos sempre aos outros, à caridade, ao serviço fraterno, ao perdão.

É neste sentido que a eucaristia é lição de amor e de serviço para todos nós. Que a eucaristia seja a fonte da nossa fé, da nossa esperança, da nossa caridade.”

D. Manuel Quintas, Bispo do Algarve
[Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo 2017, em jornal ‘Folha do Domingo’]

 

Diocese de Angra

Está muito enraizada na Igreja a solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Jesus Cristo, normalmente denominada de Corpo de Deus.

Com esta solenidade que incorpora a adoração pública do Santíssimo Sacramento, levando-O em procissão pelas ruas de cada paróquia, pretende-se realçar o fundamental da fé cristã que se traduz no reconhecimento da presença real de Jesus Cristo no Sacramento da Eucaristia.

Esta solenidade enraíza-se no Mistério Pascal de Cristo e pretende oferecer a valorização da Ceia Pascal, continuada na Eucaristia, que por vontade de Jesus Cristo O tornaria presente junto dos seus discípulos.

Este gesto de manifestação pública da presença real de Jesus Cristo na Sagrada Eucaristia impõe-se ainda mais com a reacção católica à reforma Protestante. Torna-se, então, por determinação do Concilio de Trento, em defesa publica da presença real de Cristo na Eucaristia.

Esta manifestação pública do fundamental da vida cristã através da procissão do Santíssimo Sacramento pretende prolongar a Eucaristia para a vida pessoal mas sobretudo comunitária do Povo de Deus. Na verdade a Eucaristia tem dimensão social. Aquele que se alimenta do Corpo e Sangue de Jesus Cristo oferece-se em missão evangelizadora e transformadora da cultura e da sociedade.

Mais ainda, reconhecendo que Jesus de Nazaré quis ficar realmente presente na Eucaristia mas também se identificou com os mais pobres e excluídos, a apresentação e adoração pública da presença real de Jesus Cristo na Eucaristia determina as opções dos cristãos em ordem a privilegiar os mais marginalizados da sociedade e a olhá-los como verdadeira presença de Jesus Cristo.

No contexto de tantas manifestações publicas da fé cristã, a solenidade do Corpo e Sangue de Jesus Cristo orienta-nos para o centro e mais fundamental da vivência cristã, a Eucaristia, da qual se gera a comunidade dos discípulos de Cristo e a partir da qual a missão evangelizadora se deve desenvolver.

Hoje, mais do que combater as posições luteranas, o grande desafio é tornar as comunidades cristãs verdadeiramente cristocêntricas, despertar os cristãos indiferentes ou mal centrados na sua fé e evangelizar uma cultural dominada pelo individualismo e vitima do secularismo.

+João Lavrador, Bispo de Angra e Ilhas dos Açores

O bispo de Angra vai presidir à Eucaristia da Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, pelas 18h00, na Sé, e depois a procissão pelas ruas é até ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição, onde a oração de vésperas é animada pelo Seminário Episcopal de Angra.

Diocese de Aveiro

“É necessário assumir a assiduidade à Eucaristia dominical”, bispo de Aveiro, Solenidade do Corpo de Deus (2017)

Este ano, D. António Moiteiro vai celebrar a solenidade no Arciprestado de Aveiro onde encerra a visita pastoral às 13 paróquias.

O bispo de Aveiro vai presidir à Eucaristia, a partir das 16h00, na catedral diocesana e, uma hora depois (17h00) começa a procissão eucarística, com a participação de irmandades e associações, até ao Largo da Apresentação, onde termina com a bênção do Santíssimo Sacramento.

A Solenidade do Corpo de Deus “sem perder o valor e significado próprios” na Diocese de Aveiro insere-se num programa mais vasto e marca o início de um Congresso Eucarístico que esta Igreja local vai realizar com o tema , até 3 de junho, o Dia da Igreja Diocesana.

Diocese de Beja

 

 

Arquidiocese de Braga

Na cidade de Braga, a procissão do Corpo de Deus é organizada pelo Arciprestado de Braga e articulação com a Vigararia Geral da Arquidiocese.

Por isso, todas as paróquias do Arciprestado e não apenas as da cidade participam. Um total de 63 paróquias.

Após da celebração da Eucaristia, às 17h, na Catedral, sai a procissão.

Percorre as seguintes ruas do centro histórico da cidade: Rua D. Paio Mendes, Rua D. Frei Caetano Brandão, Rua D. Diogo de Sousa, Largo do Paço, Rua do Souto, Rua de S. Marcos, Rua D. Afonso Henriques, Rua D. Frei Caetano Brandão, Rua D. Paio Mendes.

Com o apoio coral do Coro do Seminário, transmite-se para as ruas (através de amplificação sonora que acompanha todo o trajeto) os cânticos, meditações e orações.

Como o arciprestado de Braga está dividido e Zona Pastorais, cada uma delas temi um espaço específico para se concentrar e depois integrar o corpo de procissão.

A Zona Pastoral Cávado reúne-se na Praça do Município;

A Zona Pastoral Oeste/Veiga no largo de São Paulo, em frente à Igreja do Seminário;

A Zona Pastoral Este no Rossio da Sé;

A Zona Pastoral da Cidade em frente à Catedral, na Rua D. Paio Mendes.

Cada paróquia traz um estandarte eucarístico ou a bandeira do Coração de Jesus e é acompanhada pelo respetivo pároco.

A Procissão sai da Catedral e regressa à Catedral. A Bênção do Santíssimo Sacramento faz-se cá fora, ao ar livre, na zona do Rossio da Sé.

Os moradores das ruas por onde passa a procissão são convidados a engalanar as suas varandas e janelas.

Este ano marca uma nova aposta pastoral: trazer, de novo, as crianças e os adolescentes da catequese e jovens e suas famílias para participar nesta procissão.

Nota-se claramente uma media de idades, entre os participantes, muito elevada.

 

 

Diocese de Bragança-Miranda

A Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo é vivida com grande devoção nos arciprestados da extensa Diocese de Bragança-Miranda.

Pereira, a “Aldeia Eucarística”, situada no concelho de Mirandela é o núcleo da grande devoção. Em Macedo de Cavaleiros, a comunidade de Arcas aposta, este ano, no renascer da tradição. Na cidade de Bragança, o repto à participação nas celebrações solenes foi renovado pelos párocos “in solidum”.

 

“Aldeia Eucarística”

Com pouco mais de uma centena de habitantes, a aldeia de Pereira vive com intenso sentimento eucarístico, o dia do titular da Congregação das Servas Franciscanas Reparadoras de Jesus Sacramentado (SFRJS).

Foi nesta pequena aldeia que em 1917 se fundou a primeira comunidade de Servas dedicada à adoração e reparação de Jesus no Sacramento da Eucaristia, segundo uma espiritualidade franciscana.

Em Pereira «nasceu um novo olhar para a Eucaristia, para a caridade, para a vida social, para a relação entre as pessoas, através da reparação», salienta o bispo diocesano que todos os anos, logo pela manhã, se associa a esta celebração do Corpo de Deus.

Neste dia são muitos os fiéis que até ali se deslocam para participar nesta manifestação de fé e contemplar as magníficas passadeiras de flores, com frases eucarísticas, elaboradas pelos moradores com a ajuda das SFRJS e das crianças acolhidas na Casa do Menino Jesus.

 

Arcas recupera tradição

Com uma história secular, a paróquia das Arcas (Unidade Pastoral de Santo António), mantém viva a memória celebrativa da Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo.

Neste dia, a comunidade de Macedo de Cavaleiros reveste-se de cor e de brilho. «Todos se reúnem, todos se ajudam, todos são um, todos juntos em Cristo, por Cristo e em Cristo», salienta o pároco, Pe. Manuel Ribeiro.

Pelas ruas vemos sumptuosos tapetes e colchas de renda seculares. A calçada da aldeia torna-se um manto infindável de flores que perfumam e inebriam todos os que por ali passam.

«É a festa do Senhor!», assim dizem as pessoas na sua sapiência humilde e profunda.

A Eucaristia terá lugar às 16h00, na igreja matriz de Arcas, e será seguida de Procissão.

 

Catedral reúne fiéis

Já em Bragança, na Unidade Pastoral Senhora das Graças, os fiéis são convidados a professar publicamente a sua fé.

D. José Cordeiro presidirá à Eucaristia, na Catedral, às 18h00. Segue-se a Procissão Eucarística até à igreja antiga da Sé, em pleno coração da cidade.

Diocese de Coimbra

Informação

O Sr. Bispo de Coimbra, D. Virgílio Antunes, presida à celebração da Eucaristia às 16h00 na Praça 8 de Maio, em frente à Igreja de Santa Cruz, segue-se a procissão de Corpo de Deus por algumas ruas da baixa da cidade.

No final da procissão o Sr. Bispo dará a Bênção Eucarística na Praça 8 de Maio.

 

Agenda do dia

No dia 31 de maio celebramos a festa do Corpo e Sangue de Cristo. Como é habitual, há muitos anos, temos em Coimbra a procissão do corpo de Deus, às 17:00 em Santa Cruz.

Que as nossas paróquias, com adoração eucarística permanente, manifestem o seu amor à Eucaristia testemunhando num ato público a sua fé na presença real de Cristo no pão eucarístico.

A missa será na praça 8 de Maio às 16:00 e dali seguirá pelas ruas da Baixa até ao Largo da Portagem e depois virá pela Ferreira Borges outra vez até á Praça 8 de Maio onde se concluirá com a bênção eucarística.

Que as paróquias levem as suas insígnias; cruz e estandarte da paróquia. Somos todos convidados a participar na procissão do Santíssimo Sacramento que terá lugar na Baixa, com missa campal na praça 8 de Maio, em frente a Santa Cruz, e depois procissão.

(Padre Jorge Silva Santos, vigário episcopal para a Pastoral)

Arquidiocese de Évora

A Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, que é celebrada todos os anos pela Igreja Católica sempre na quinta-feira imediatamente a seguir ao Domingo da Santíssima Trindade, congrega habitualmente os eborenses para três momentos que acontecem em pleno centro histórico de Évora.

Neste sentido, no próximo dia 31 de Maio de 2018, a cidade de Évora volta a celebrar a solenidade, sendo que o ponto alto  será a Eucaristia concelebrada, às 16h30, na Catedral, presidida pelo Arcebispo de Évora. Contudo, antes da Eucaristia, a também na Catedral, a partir das 15h, decorre um momento de adoração dos fiéis com exposição do Santíssimo Sacramento.

Depois da Eucaristia, a partir das 17h30, realiza-se a solene procissão, com a integração, à cabeça, dos cavalos da GNR, e a encerrar a procissão a banda de música, com um itinerário tradicional, que é percorrido todos os anos, que inclui a passagem pelo Templo Romano, Rua do Menino Jesus, Rua João de Deus, Praça do Giraldo, Rua 5 de Outubro e Largo da Sé.

De referir que a Procissão mobiliza não apenas os fiéis, como grande parte dos eborenses, que enchem as ruas, os largos e sobretudo a Praça do Giraldo, a “sala de visitas” da cidade, com grande respeito e dignidade.

Tradição na Procissão de Corpo de Deus pelas ruas de Évora, é a participação das crianças que celebram, naquele dia, nas Paróquias de Cidade, a Primeira-Comunhão. A sua presença distingue-se pelas vestes brancas que envergam e pelo cordeiro que transportam à vez, ao qual estão ligadas simbolicamente por fitas brancas.

No final da Procissão, com a escadaria e o largo da Sé completamente lotados, o Arcebispo de Évora abençoa todos os fiéis com o Santíssimo Sacramento.

 

Diocese do Funchal

A Festa do Corpo de Deus será celebrada na quinta-feira, 31 de maio, no centro da cidade do Funchal. Na igreja do Colégio haverá um tempo de adoração ao Santíssimo Sacramento das 13h às 17h. Das 15h às 17h esse tempo de adoração será organizado por diversos grupos e movimentos: pelo Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil, pela CIRP – Religiosos da Madeira e pela Plataforma pela Europa, que envolve diversos movimentos cristãos como os Focolares e outros. A missa da Festa do Corpo de Deus será celebrada na Sé do Funchal, presidida pelo Sr. Bispo do Funchal, D. António Carrilho e concelebrada pelo Bispo Emérito D. Teodoro de Faria e pelos cónegos e sacerdotes da nossa Diocese. As autoridades civis, militares, académicas foram convidadas a participar. Foram também convidadas as Confrarias dos Irmãos e Irmãs do Santíssimo Sacramento, as saloias das visitas do Espírito Santo, as crianças da Primeira Comunhão, os agrupamentos de Escuteiros.

Após a celebração da Missa na Catedral a procissão irá percorrer as ruas do centro da cidade do Funchal engalanadas com os tradicionais tapetes de flores, realizados por diversas paróquias da Madeira e do Porto Santo. A procissão segue pela rua do Aljube, rua 5 de outubro, avenida do Mar, avenida Zarco, avenida Arriaga e adro da Sé do Funchal. No adro e final da procissão haverá um momento de adoração e a bênção com o Santíssimo Sacramento.

A Madeira e o Porto Santo são conhecidas como as ilhas do Santíssimo Sacramento. Depois da grande festa do Corpo de Deus no centro da cidade do Funchal todas as 96 paróquias irão celebrar a Festa do Santíssimo Sacramento ao longo do verão replicando os três momentos principais: Missa, procissão e adoração. Além dos padroeiros de cada paróquia a Festa do Santíssimo Sacramento ocupa um lugar central na vida das nossas paróquias e do nosso Povo de Deus que celebra a Eucaristia com grande festa, cânticos, Confrarias e depois todo um contexto de festa, de convívio no adro das igrejas: tapetes de flores, bandas filarmónicas, conjuntos musicais e o tradicional arraial com barracas de diversas iguarias e fogo que estala no ar.

A Festa do Corpo de Deus é a festa para celebrar a certeza que Deus caminha connosco e nutre a nossa fé. Realiza-se a promessa do Senhor: “Estarei convosco até ao fim dos tempos”. É a festa da Eucaristia que transborda para fora das igrejas e manifesta-se publicamente na festa e nas procissões pelas ruas da cidade, das freguesias. Trata-se de celebrar uma Igreja em saída, em missão permanente. Comungamos o Senhor para O transportar para a vida do quotidiano e transformar o mundo com a força e a beleza do Evangelho.

Disse o nosso Bispo D. António Carrilho na homilia do Corpo de Deus: “Após esta celebração, teremos a tradicional procissão do Santíssimo Sacramento que constituirá uma manifestação pública da nossa fé. Que Jesus, ao percorrer as nossas ruas e colocar o Seu olhar sobre aqueles que encontra nestes caminhos ou Lhe dirigem uma prece do silêncio das suas casas ou do sofrimento dos seus corações, a todos conforte na coragem da fé e na alegria da esperança! A linda ornamentação de todo este espaço celebrativo, que se estende aos artísticos e belos tapetes de flores, que cobrem as ruas da nossa cidade, bem simbolizam o amor e adoração dos fiéis ao Senhor que vai passar. Como Povo de Deus manifestemos a nossa fé na presença real de Jesus sacramentado, o nosso desejo de comunhão e unidade, empenho pastoral e serviço missionário, de que a nossa Diocese foi e desejamos continue a ser testemunha exemplar”.

 

Diocese da Guarda

Câmara e Paróquia organizam Festa do Corpo de Deus

Cumprindo uma tradição religiosa de há muitos anos, o Pároco e o Presidente da Câmara da Vila de Almeida vão organizar a Festa do Corpo de Deus, este ano no dia 31 de Maio. O programa começa às 15.30 horas com a actuação da Banda Filarmónica da Malhada Sorda, nos claustros da Câmara Municipal de Almeida e, quinze minutos depois, o Presidente da Câmara António Machado e demais entidades recebem o Pároco Francisco Vilar e a Comissão paroquial nos Paços do Concelho.

A celebração da Missa será às 16.00 horas, na Igreja Matriz de Almeida, seguindo-se a Procissão Eucarística, com representação de insígnias de cada paróquia do concelho e acompanhada pelo Coro Etnográfico de Almeida e Banda Filarmónica da Malhada Sorda.

Nesse dia as ruas da vila são engalanadas de flores e as varandas e janelas ornadas com as melhores colchas. No final a Câmara Municipal oferece um lanche a todas as pessoas.

No concelho de Almeida, a Festa do Corpo de Deus também tem grande tradição nas freguesias de Malhada Sorda e Nave de Haver.

Aos primeiros raios da aurora, a população de Malhada Sorda começa a cobrir as perdas da calçada com grandes tapetes de flores. No percurso da procissão do Corpo de Deus vão surgindo autenticas maravilhas eucarísticas moldadas com pétalas de todas as cores. Nas varandas e janelas, as colchas dão alegria ao casario e anunciam dia de festa.

O compasso sai e regressa à Igreja paroquial ao ritmo da banda filarmónica.

Em Nave de Haver, este ano a Festa do Corpo de Deus será marcada por um concerto pelo Quarteto Vocal Gaudium Vocis. O quarteto é constituído por elementos com formação superior em música, com pós graduações no estrangeiro e com reconhecido mérito. O coro de câmara Gaudium Vocis nasceu no seio do Curso de Música da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa, da iniciativa de quatro alunos, que se juntavam regularmente para cantarem em conjunto. Uma vez que este quarteto era formado por um soprano, alto, tenor e baixo e os seus timbres fundiam de forma agradável, a polifonia antiga enquadrava-se nesta constituição. Actualmente a formação do grupo está diferente da sua primeira formação embora mantendo sempre os quatro naipes necessários para as obras que interpreta.

O quarteto também animará a Eucaristia da Solenidade do Corpo de Deus, em Nave de Haver, pois a formação musical dos elementos é na vertente da música sacra e litúrgica.

Diocese de Lamego 

A exemplo de tantas Igrejas locais, também Lamego vive com alegria a Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Jesus Cristo, popularmente apelidada “Corpo de Deus”.

A comunidade cristã vive este dia santo de olhos postos no Senhor, participando na Eucaristia e na procissão que percorre algumas das ruas de cada paróquia, muitas delas ornamentadas com tapetes de flores, a que se juntam as colchas penduradas nas janelas e varandas, de onde se lançam pétalas sobre o Senhor que passa.

Na cidade de Lamego, sede da diocese, as paróquias do arciprestado são convidadas a participar nas celebrações que o Cabido da Catedral promove e a que, à tarde, o Bispo preside. Após a Eucaristia, celebrada na Sé, sai a procissão, na qual se integram os fiéis e se alinham as cruzes paroquiais, mas também irmandades, escuteiros, forças de segurança, militares, autarcas e representantes de diversas instituições.

O som da banda filarmónica marca o ritmo da caminhada que, saindo da Sé, ali regressa, depois de ter passado por algumas das artérias da cidade. E tudo termina com a bênção do Santíssimo Sacramento.

Há alguns anos, juntavam-se ao cortejo processional as crianças do arciprestado que, nessa manhã, haviam comungado pela primeira vez, o que deixou de acontecer, seja porque o número de crianças diminuiu, seja porque as comunidades organizam de forma diferente o seu calendário das celebrações catequéticas.

Joaquim Dionísio

Diocese de Leiria-Fátima

Os documentos históricos atestam que, logo após o papa urbano IV ter estendido a toda a Igreja a festa do Corpo de Deus, o que sucedeu em 1264, esta começou a ser celebrada na cidade de Leiria. Durante muitos anos, a procissão característica desta festa foi a mais vistosa das que se realizavam na cidade.

Proibida nas ruas da cidade, após a lei da separação (1911), a procissão realizava-se apenas dentro da antiga Sé. Alguns anos após a restauração da Diocese (1918), foi retomada a sua manifestação pública, por desejo de D. José Alves Correia da Silva, que via nela uma importante manifestação de fé. Muito se empenhou este Bispo para que a procissão do Corpo de Deus fosse uma expressão da fé de todo o povo crente.

Ao longo dos anos, esta tradição foi-se mantendo, com a participação de um número sempre muito significativo de fiéis, acompanhados pelas bandeiras das respetivas paróquias e capelas.

É de salientar que, neste dia de Corpo de Deus, não há outras procissões em nenhuma paróquia. Por isso, a celebração diocesana presidida pelo Bispo na cidade de Leiria congrega os sacerdotes, os religiosos e religiosas e os fiéis leigos em número de alguns milhares, e pode-se considerar uma verdadeira expressão da Igreja diocesana, que louva o seu Senhor presente na Eucaristia.

Atualmente, a celebração diocesana tem lugar na cidade episcopal: a missa realiza-se no Jardim de Santo Agostinho, junto à igreja dedicada ao padroeiro da Diocese. Nela se congregam fiéis vindos de todas as paróquias da Diocese. Nos últimos anos, têm sido convidadas a participar as crianças que no ano fazem a primeira Comunhão. Têm atividades próprias para elas, orientadas pelo serviço da Catequese, e depois participam na missa e na procissão com os demais fiéis.

A procissão parte do jardim de S. Agostinho e percorre as ruas da cidade, ao ritmo do toque de 4 ou 5 filarmónicas até ao adro da Sé, onde o bispo dá a bênção com o Santíssimo Sacramento aos fiéis.

P. Gonçalo Teixeira Diniz

 

Patriarcado de Lisboa

 

Diocese de Portalegre-Castelo Branco

Em Castelo Branco haverá a procissão habitual, com missa às 15H00 na Igreja de Nossa Senhora de Fátima, onde no fim sairá a procissão para a Catedral.

Diocese do Porto

No próximo dia 31 de Maio, o Cabido Portucalense promove na cidade do Porto a Procissão Eucarística na Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo. O percurso será o tradicional: saindo da Igreja da Santíssima Trindade pelas 16h:30, seguirá pela Praça Humberto Delgado, Avenida dos Aliados, Praça da Liberdade, Praça Almeida Garrett e Avenida D. Afonso Henriques, em direcção ao Terreiro da Sé, onde terminará com a Bênção do Santíssimo Sacramento, depois de uma alocução do Sr. Bispo do Porto.

Na procissão integrar-se-á o Povo de Deus em todos os seus matizes, seguindo o Bispo, que as autoridades da Região e da Cidade, emanação da sua população maioritariamente católica, igualmente costumam a acompanhar.

A Igreja leva neste dia o ‘’Divino Sacramento”, em festiva e solene Procissão através dos domínios da existência humana. Percorre os caminhos do mundo, onde se joga o destino dos homens. Fá-lo cantando hinos de júbilo e de acção de graças, aspirando o perfume das flores e o aroma do incenso, e celebrando a Morte que abriu o caminho da Vida, proclamando, à face do mundo, a vitória do Ressuscitado em que deseja participar. Com esta manifestação pública da sua fé, os católicos querem simplesmente anunciar a todos a sua convicção de que Jesus Cristo é o seu único Salvador e que só na Eucaristia ( que é Cristo a percorrer os caminhos do mundo) está o sinal da unidade, o vínculo do amor, a única força capaz de transformar a humanidade, tão ansiosa de união, na única família dos filhos de Deus, destinados a viver, em Cristo, na comunhão perfeita com Deus e com os homens.

Com intermitências episódicas por motivos circunstanciais, esta procissão realiza-se no Porto desde 1417. Era dispendiosa para a Cidade que a ordenava com pompa e aparato. Era da Câmara o Pálio que abrigava o Sacramento e era também a Câmara quem nomeava os cidadãos para ir às varas do pálio ou transportar os tocheiros. Em suma: sempre foi um espaço privilegiado de colaboração entre a Igreja Católica e as autoridades do poder local.

Hoje, em tempos de saudável laicidade, o Estado e a Igreja estão separados relacionandose sem confusões nem interferências, no respeito pela autonomia de cada qual na respectiva ordem. Mas, porque a dimensão religiosa tem expressões não só individuais e privadas mas também comunitárias e públicas, e porque os membros da Igreja Católica são também cidadãos da República, com plenitude de direitos, há um vasto campo em que o encontro, diálogo e colaboração, entre o Estado e a Igreja não só é possível como é desejável. A história e a sociologia do Porto “Cidade da Virgem”, confirmam isto mesmo.

 

Diocese de Santarém

Em Santarém, a celebração do Corpo de Deus será presidida pelo Sr. Bispo, D. José Traquina, na Igreja Catedral de Santarém pelas 16h00 do dia 31 de maio. Logo após a celebração sairá a tradicional procissão pelas ruas da cidade de Santarém. Para esta celebração e procissão, foram convidadas todas as comunidades da diocese. No comunicado, que a Vigararia Geral enviou ao presbitério, lemos que “em ordem a dar visibilidade à diversidade e riqueza da Igreja diocesana devem as Paróquias, as Irmandades, as Confrarias, os Movimentos de Apostolado e os outros serviços eclesiais, trazer a sua Bandeira ou Estandarte e incorporar-se na procissão”. No fundo, em Santarém procuramos dar resposta ao que o Papa Francisco referia na homilia da Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo do ano de 2016: “possa o gesto da procissão eucarística ser também resposta a esta ordem de Jesus [‘Fazei isto em memória de Mim’]. Um gesto para fazer memória d’Ele; um gesto para dar de comer à multidão de hoje; um gesto para repartir a nossa fé e a nossa vida como sinal do amor de Cristo por esta cidade [Roma] e pelo mundo inteiro”.

Diocese de Setúbal

No próximo dia 31 de maio, a Igreja celebra a Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo. Na Sé de Setúbal, as celebrações serão presididas por D. José Ornelas, o Bispo diocesano.

Pelas 12h tem lugar a celebração da Eucaristia, onde serão instituídos vinte e oito novos Ministros Extraordinários da Comunhão. De seguida, será exposto o Santíssimo Sacramento, havendo Adoração até ao início das vésperas solenes, às 17h.

Após as vésperas, realiza-se a solene Procissão do Corpo de Deus pelas ruas da cidade sadina, saindo da Sé e terminando na Igreja de São Julião.

Este é sempre um importante momento da Igreja diocesana em que, “juntos, afirmamos o compromisso de continuarmos hoje a presença congregadora de Cristo-Eucaristia nas nossas comunidades e no meio das nossas cidades, sem medos” (D. José Ornelas, na Procissão do Corpo de Deus 2017).

Diocese de Viana do Castelo

«Somos Igreja que agradece» – afirma o Bispo Diocesano de Viana do Castelo, D. Anacleto Oliveira, na Carta Pastoral que dirigiu a todos os diocesanos para a vivência deste Ano Pastoral – um ano comemorativo dos quarenta anos da fundação da Diocese, criada a 03 de Novembro de 1977, pelo Papa Paulo VI, através da Constituição Apostólica Ad aptiorem Populi Dei.

Ao dizê-lo, D. Anacleto convida todos os diocesanos a viver este Ano Jubilar em espírito de gratidão a todos aqueles e aquelas que fizeram e fazem parte da história da Diocese. Convida, de modo privilegiado, a dar graças a Deus, de quem tudo provém, e a quem esta parcela do Povo de Deus deve tudo aquilo que é.

É nesta certeza que esta Igreja Diocesana se prepara para viver a Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo no próximo dia 31 de Maio de 2018. Tendo presente que a Eucaristia é a forma por excelência do cristão dar graças a Deus, este ano os cristãos de Viana do Castelo vivem esta Solenidade em particular espírito de acção de graças, porque se encontram a viver um Ano Jubilar.

Nesse dia, na Sé de Viana do Castelo, D. Anacleto Oliveira presidirá à Eucaristia, às 11h00. À tarde, presidirá à Oração de Vésperas e à Procissão Eucarística pelas ruas da cidade. A celebração tem início às 15h30. A procissão terá o seu início e o seu término na Catedral.

Nos diversos Arciprestados da Diocese, decorrerão idênticas manifestações de fé. Em alguns deles, as Procissões Eucarísticas percorrerão ruas extraordinariamente ornamentadas por tapetes de flores.

Pe. Renato Oliveira,
Secretariado Diocesano de Comunicação Social de Viana do Castelo

Diocese de Vila Real

Como acontece em todo o Portugal, também a Diocese de Vila Real celebra com júbilo popular a solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, entre nós chamada Festa do Corpo de Deus, instituída pelo Papa Urbano IV em 1264.

A Santíssima Eucaristia, instituída na quinta-feira Santa, início do Tríduo Pascal, é agora agradecida e adorada publicamente nas igrejas, ruas e praças das nossas aldeias, vilas e cidades. Passados poucos dias depois do Pentecostes, em que a Igreja de Cristo se apresenta ao mundo, cumprimos o dever de louvar e adorar Jesus Cristo, realmente presente no Santíssimo Sacramento. Fazemo-lo com as orações e cânticos de louvor do nosso povo, inspirados na sua vivência profunda deste mistério, e com a ajuda de orações bem conhecidas, algumas vindas do grande São Tomás de Aquino, outras das aparições do Anjo em Fátima.

Na cidade de Vila Real, a celebração solene da Eucaristia, presidida pelo Bispo da Diocese, D. Amândio José Tomás, será na Sé Catedral às 17h00, seguindo-se depois a Procissão, que sairá da Sé e percorrerá as ruas principais da parte velha da cidade, terminando com o Tantum Ergo e a Bênção do Santíssimo Sacramento na Praça do Município. Nesta procissão eucarística costumam tomar parte, com os seus estandartes e a sua participação fervorosa, as Paróquias do concelho de Vila Real.

Diocese de Viseu

A Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo – Corpo de Deus – foi, durante décadas, uma Festa promovida pela Autarquia local, em que a Câmara Municipal, Presidente e Vereadores, empunhavam as varas do pálio, que abrigava o Pároco transportando a sagrada custódia, ou ostensório, que expunha a Sagrada Hóstia.

Com a afirmação da laicidade do Estado, a Autarquia deixou de promover a Festa do Corpo de Deus, que foi assumida pela Paróquia, quase sempre através de Irmandades instituídas, desde há séculos, para promover o culto da Eucaristia. Assim acontece hoje, em muitas paróquias da Diocese de Viseu, numa verdadeira manifestação pública de culto à Eucaristia. Em muitos dos Arciprestados, a procissão, após solene Eucaristia, congrega as diferentes paróquias, com os estandartes das suas Irmandades e Movimentos de Apostolado. A Câmara Municipal marca presença, atrás do pálio, com o seu estandarte, numa procissão que percorre as principais ruas da cidade, estando janelas e varandas engalanadas com colchas coloridas, lançando-se daí pétalas sobre o Senhor que passa.

Na cidade de Viseu, o solene pontifical, presidido pelo Bispo, será às 11:00 horas. Ao início da tarde, é exposto o Santíssimo e na sua presença é rezada a Hora de Vésperas, com o Cabido. Pelas 16:00 horas, a solene procissão sai da Catedral, desce ao Rossio, em manifestação pública de fé, passando junto aos Paços do Concelho e prosseguindo pelas ruas do centro. A Custódia Sagrada, com o Pão da Eucaristia, é transportada pelo Bispo, ladeado por Diáconos. Regressada à Catedral, na escadaria, é dada a Bênção do Santíssimo à população acumulada na Adro.

Incorporam-se na procissão representações das paróquias da cidade, presididas pelo Pároco e integrando Irmandades, Movimentos e Obras de Apostolado, Obras Pias, algumas vezes com as crianças que fizeram a sua primeira Comunhão e numerosos fiéis. Maior é o número dos que se aglomeram no passeio, assistindo respeitosamente à passagem do Senhor. É a Festa do Senhor, como ainda hoje se chama em muitas paróquias.

O percurso de mais de uma hora é acompanhado por uma viatura sonorizada que emite cânticos eucarísticos previamente gravados, que os fiéis acompanham. O trânsito é regulado pela PSP, permitindo a passagem da procissão em segurança.

Partilhar:
Share