D. Arlindo Furtado refere que assembleia vai deixar indicações para serem aplicadas por cada comunidade local

Foto: Ricardo Perna/Família Cristã

Octávio Carmo, enviado da Agência ECCLESIA ao Vaticano

Cidade do Vaticano, 26 out 2018 (Ecclesia) – O cardeal Arlindo Furtado, arcebispo de Santiago de Cabo Verde, disse hoje que o Sínodo dos Bispos deve apresentar respostas para o “vazio” sentido por milhões de jovens.

“A vida sem Deus, uma vida muito individualizada e virtual, acaba por criar em qualquer pessoa um certo vazio e um desejo de mais e melhor. Quando os jovens começarem a dar testemunho de que é possível encontrar um caminho complementar para equilibrar a vida, poderão ser bem acolhidos e aceites em nome de Jesus”, referiu o responsável católico à Agência ECCLESIA.

O primeiro cardeal de Cabo Verde sustenta que a Igreja deve procurar fazer todos os possíveis para “envolver os jovens com a sua dinâmica, alegria, esperança, oportunidade, de investir as suas energias e criatividade”.

“Tudo isto será um chamariz para outros jovens e com certeza vai ajudar os outros a perseverarem nessa dinâmica de socialização e confraternização de experiência espiritual”, precisa.

O participante no Sínodo sublinha que, após mais de 20 dias de trabalho, tem surgido a convicção de que a missão das comunidades católicas junto das novas gerações tem de “partir dos jovens”, para chegar a outros ambientes.

“Hoje grande parte da população mundial é jovem, e têm de ser os jovens a chegar a eles. Quer pela linguagem, pela mentalidade, pelos hábitos, pela capacidade de encontro com essas pessoas, só os jovens podem chegar lá, nós, os adultos, não temos hipótese”, observa.

Se a Igreja quer continuar a ser uma Igreja dinâmica, viva, tem de usar todas as forças e recursos, e um dos principais recursos são os jovens. Devem ser preparados, fazer a experiência de Jesus Cristo, assumir a paixão por Jesus Cristo, aquecer o seu coração, mediante a Palavra e a presença de Jesus Cristo como os discípulos de Emaús, que foi a imagem deste Sínodo”.

D. Arlindo Furtado considera que, nalguns casos, os padres da Europa se afastaram do povo simples, do povo no seu dia a dia, o que gerou “o afastamento dos jovens em relação à Igreja e à sua participação”.

Questionado sobre a realidade das migrações, um dos temas mais abordados na assembleia, o cardeal cabo-verdiano defende que “os problemas dos países de origem devem ser resolvidos de uma forma adequada, e os países ricos deverão ajudar nisso”.

“Por outro lado, ao nível da Europa e outras regiões, deveperceber-se o que fazer em conjunto, não só para estancar e criar condições lá, com os problemas humanitários, mas como fazer em conjunto, de uma forma solidária e generosa, para acolher os que precisam de ser acolhidos nesta fase, para depois poderem organizar a sua vida com maior dignidade e esperança para o futuro”, acrescenta.

Em relação ao futuro, D. Arlindo Furtado refere que este Sínodo pretende “desencadear um processo que terá uma continuidade em diversas comunidades regionais e locais”.

“Esta abertura de espírito para envolver as pessoas na discussão de situações, na procura de soluções, de caminhos que sejam válidos para a maioria, para que se atinja o objetivo comum que é dar melhor qualidade, testemunho de vida do Evangelho, da parte da Igreja e cumprir a missão de levar o Evangelho a todos sem exceção”, realça.

Para o cardeal de Santiago de Cabo Verde, a discussão sobre questões eventualmente fraturantes passou para segundo plano, em prol de uma visão mais pastoral.

“A Igreja não tem respostas claras para todos os desafios, com humildade reconhecemos isso, e juntos continuaremos à procura do melhor caminho e da melhor solução para todos”, observa.

O responsável considera, por outro lado, que a primeira proposta de Documento Final foi bastante eurocêntrica.

“Os princípios não serão igualmente válidos para todas as regiões, mas haverá uma mensagem boa, sobretudo esta abertura da Igreja para uma Igreja mais simples, sóbria, família, mais envolvente, mais inclusiva, mais dinâmica, mais alegres e esperançosa”, conclui.

O Sínodo dos Bispos, iniciado a 3 de outubro, discute e aprova, este sábado, o Documento Final e uma Carta aos Jovens; no domingo, o Papa Francisco preside à Missa conclusiva da assembleia, na Basílica de São Pedro, pelas 10h00 (menos uma em Lisboa).

OC

A reportagem no Sínodo dos Bispos é realizada em parceria para a Agência Ecclesia, Família Cristã, Flor de Lis, Rádio Renascença e Voz da Verdade, com o apoio da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre

Partilhar:
Share