Respostas ao questionário preparatório para a assembleia de Bispos estiveram em destaque na abertura do Conselho Nacional da Pastoral Juvenil

Fátima, 23 jun 2018 (Ecclesia) – O Conselho Nacional da Pastoral Juvenil, que se conclui hoje em Fátima, debateu na última noite as respostas de Portugal ao questionário realizado para a preparação do Sínodo dos Bispos 2018, marcado para outubro.

O padre Eduardo Duque, responsável pela apresentação desta análise das respostas, disse à Agência ECCLESIA que “os jovens esperam muito da Igreja, nos dias de hoje”.

O sacerdote, diretor do Serviço Nacional da Pastoral do Ensino Superior – SNPES, sublinha que as novas gerações querem ser ouvidas e pedem “modelos de orientação, de referências a seguir”, com uma linguagem mais próxima.

“Esperam que a Igreja aceite os jovens como eles são, que haja um maior acompanhamento espiritual”, acrescenta.

Os números recolhidos mostram que mais de 50% dos inquéritos falam na persistência de um “sentimento religioso” nos jovens, uma dimensão espiritual que se liga à “questão de sentido” para a vida.

O diretor do SNPES sublinha que os dados portugueses estão em sintonia com o contexto europeu, no qual se verifica um “esmorecimento” da identidade sociocultural de matriz católica.

“Há um conjunto de jovens, que temos de respeitar, que pouco a pouco se foram distanciando da Igreja: é preciso uma mudança profunda na nossa forma de estar, de pensar, em relação aos jovens”.

O Conselho Nacional da Pastoral Juvenil ouviu ainda Joana Serôdio, que representou a Conferência Episcopal Portuguesa na reunião pré-sinodal que o Vaticano recebeu em março.

O próximo Fórum Ecuménico Jovem e plano para a pastoral juvenil dão outros temas da reunião liderada por D. Joaquim Mendes, presidente da Comissão Episcopal do Laicado e Família.

OC

Partilhar:
Share