Inquérito a nível europeu revela peso das iniciativas católicas

Poznan, Polónia, 14 set 2018 (Ecclesia) – Um inquérito publicado hoje pelo Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE) refere que mais de 25% das horas de voluntariado em Portugal são passadas em organizações religiosas.

O estudo fala em mais de um milhão de voluntários em Portugal, 12% da população, dos quais mais de 100 mil voluntários se empenham em organizações religiosas, incluindo o trabalho de voluntariado missionário coordenado pela Fundação Fé e Cooperação (FEC).

Na União Europeia, a média de voluntários na população com mais de 15 anos é de 22,5%.

Outros dados apresentados pelo ‘Pew Research Center’, que promoveu uma sondagem em 15 países, entre abril e agosto de 2015, mostram que Portugal é a nação onde mais pessoas participam em atividades de organizações religiosas pelo menos uma hora por mês (27% dos inquiridos, face a 3% em atividades políticas).

Os portugueses são também os mais críticos, na sondagem, face ao “excesso de regras” da Igreja Católica (74% das respostas) e ao seu “apego ao dinheiro e ao poder” (66%), embora valorizem positivamente o seu papel na ajuda aos mais necessitados (67%) e no reforço dos laços comunitários (71%).

O CCEE afirma que “não existe nenhuma outra instituição na Europa que contribua de forma tão ampla para o voluntariado e promova formas de voluntariado tão diversificadas como a Igreja Católica”.

“As organizações religiosas representam o terceiro setor mais importante do voluntariado na Europa, depois do desporto e da educação. As crenças religiosas são essenciais para motivar o voluntariado”, assinalam os responsáveis dos episcopados católicos.

O relatório foi apresentado hoje, em conferência de imprensa, durante os trabalhos da assembleia plenária do CCEE, acompanhados pela Agência ECCLESIA na cidade polaca de Poznan.

Foto: Episkopat.pl

Os dados recolhem os números do “voluntariado católico” a partir dos estudos realizados sobre o voluntariado na Europa, como o Inquérito Especial do Eurobarómetro, e de um grupo de peritos, com 39 membros do CCEE, que responderam a 29 questões de aprofundamento, posteriormente analisadas pelo Instituto Estatístico da Conferência Episcopal Polaca.

Os responsáveis católicos advertem para uma “mercantilização” do voluntariado, que se estaria a afastar do seu sentido de “atividade espontânea” para se subordinar a “programas e percursos curriculares”.

O CCEE elogia a importância do voluntariado para o diálogo entre pessoas de várias convicções religiosas e como “oportunidade para a evangelização e a pastoral juvenil”, na Igreja Católica.

Os trabalhos da assembleia contaram com uma apresentação de projetos de voluntariado católico na Polónia, ligados à ação social e à missão.

OC

Partilhar:
Share