Vaticano: Julgamento de antigo núncio acusado de abusos de menores adiado por motivos de saúde

Cidade do Vaticano, 11 jul 2015 (Ecclesia) – O Vaticano anunciou hoje que o julgamento do antigo núncio na República Dominicana, Józef Wesolowski, por abuso sexual de menores e posse de pornografia infantil, foi adiado devido a problemas de saúde do acusado.

"Na abertura da audiência, o promotor de Justiça anunciou que o acusado não estava presente no Tribunal porque tinha sido hospitalizado", assinala um comunicado oficial da Santa Sé.
O Tribunal tomou nota do impedimento, "por causa de uma doença súbita".

O antigo arcebispo encontra-se na unidade de cuidados intensivos de um hospital público italiano.

Nesse sentido, o Tribunal decidiu suspender a audiência e adiá-la até "ao fim da causa que determinou o referido adiamento".

O ex-núncio está acusado de várias delitos cometidos tanto durante a sua estadia em Roma, desde agosto de 2013 até ao momento da sua prisão (22.09.2014), como no período decorrido na República Dominicana, nos cinco anos em que desempenhou o cargo de núncio apostólico (24.01.2088-02.08.2013).

A acusação relativa aos factos alegadamente ocorridos em Roma decorre de uma lei aprovada em 2013 pelo Papa Francisco, relativa à posse de “material pornográfico”.

Para o período precedente, as acusações têm como base o material probatório transmitido pela autoridade judicial de Santo Domingo sobre “os abusos sexuais de menores”.

Em causa, segundo a Santa Sé, estão “graves acusações” que implicam um “procedimento delicado e articulado”.

Em junho de 2014, o Vaticano revelou que Józef Wesolowski tinha sido condenado à demissão do estado clerical pela Congregação para a Doutrina da Fé.

OC

Notícia atualizada às 14h34

Vaticano: Porta-voz pede «respeito» por cardeal australiano após acusações de encobrimento de abusos

Cidade do Vaticano, 01 jun 2015 (Ecclesia) – O porta-voz do Vaticano pediu hoje “respeito” pelo cardeal George Pell, antigo arcebispo de Sidney (Austrália), e afirmou que este colaborou sempre com as autoridades na investigação de casos de abusos de menores.

O padre Federico Lombardi respondia a questões de jornalistas a respeito de um programa transmitido este domingo na TV australiana, incluindo declarações de Peter Saunders, um dos 17 membros da Comissão Pontifícia para a Defesa dos Menores (Santa Sé).

Saunders acusou o cardeal Pell, atual prefeito da Secretaria para a Economia (Santa Sé), de ter desrespeitado pelos menores que foram abusados sexualmente por alguns padres.

O porta-voz do Vaticano afirmou que D. George Pell “respondeu sempre com atenção e de forma fundamentada às acusações e às questões formuladas pelas autoridades australianas”.

“A sua posição foi tornada pública nos últimos numa declaração pública, que se deve ser considerada fiável e merecedora de respeito e de atenção”, acrescentou.

O cardeal australiano desmentiu, nessa declaração, que tenha tentado comprar o silêncio de uma vítima.

"Em nenhum momento tentei subornar David Ridsdale ou a sua família, não ofereci qualquer incentivo financeiro para comprar o seu silêncio", assinalou D. George Pell.

OC

França: Vaticano presente em encontro sobre prevenção de abusos de menores

Cidade do Vaticano, 20 mai 2015 (Ecclesia) – O Vaticano está presente no encontro ‘Abusos sexuais de menores: mecanismos de proteção e resiliência’, que decorre em Paris por iniciativa do Departamento Internacional Católico para a Infância (Bice).

Monsenhor Robert Oliver, secretário da Comissão Pontifícia para a Proteção dos Menores, instituída pelo Papa Francisco há cerca de um ano, falou diante de 250 especialistas sobre o trabalho desenvolvido pelo organismo, que promove a colaboração com Igrejas locais e outros organismos religiosos e civis.

“A Igreja Católica é conhecida no mundo pelos seus esforços em favor da tutela das crianças. Isso coloca-nos em condições de desenvolver relações com organizações de muitos grupos religiosos, muitas organizações governamentais e não-governamentais”, disse à Rádio Vaticano.

A Santa Sé publicou no último dia 8 os estatutos da Comissão Pontifícia para a Proteção dos Menores, com a qual Francisco quer reforçar a atenção dada a este setor pela Igreja Católica.

OC

Página 1 de 212