Jovens e a Igreja: Margarida Simões Correia e Gonçalo Mendes da CVX – Emissão 02-06-2017

Integram as Comunidades de Vida Cristã, uma proposta para viver a vida à luz da espiritualidade inaciana. São jovens a terminar os estudos, iguais a tantos outros com gosto pelas diversões, pelas conversas e pela alegria, que procuram um sentido para a sua vida, num horizonte mais largo. À Ecclesia Margarida Simões Correia e o Gonçalo Mendes recordam como esta proposta de ver Deus em todas as coisas e ver todas as coisas em Deus os ver ser mais felizes e encontrados.

 

CVX, comunidade de leigos – Emissão 26-04-2016

Leigos empenhados: CVX, a Comunidade de Vida Cristã é dada a conhecer neste programa Ecclesia coma presidente nacional, Teresa Sabido Costa e o responsável da região Sul, João Cordovil. 

Para ouvir esta semana…

Domingo, dia 24 de abril – Memórias do 24 de abril, transformações religiosas na transição democrática e perspetivas sobre a Liberdade

Segunda a sexta-feira, 25 a 29 de abril – A liberdade que trouxe 1974, com Jorge Wemans; Leigos empenhados: CVX; Movimento Fé e Luz; Metanóia; Comunhão e Libertação.

Quaresma: Oração na Cidade – Emissão 17-02-2016

Neste programa Ecclesia conheça a iniciativa Oração na Cidade, com o Joao Cardoso, da CVX, e a Sofia Machado, da Verbum Dei. Basta tirar 20 min da hora de almoço, à quinta e sexta feira, e dirigir-se à capela do Centro Comercial Amoreiras, em Lisboa.

Publicações: O «Evangelho Diário» que medita das «realidade concretas de leigos»

Braga, 10 out 2014 (Ecclesia) – A Editorial Apostolado da Oração (A.O.) publicou o livro “Evangelho Diário” que pretende a leitura diária do Evangelho, seguindo o ritmo do calendário litúrgico, bem com pequenas meditações que provêm das realidades concretas de leigos.

“Propõe-se para cada dia do ano, a passagem do Evangelho lida na Eucaristia desse dia, acompanhada de uma breve meditação/oração e são ainda indicadas as outras leituras bíblicas proclamadas na Eucaristia bem como os santos celebrados ao longo do ano”, explica a Editorial Apostolado da Oração no comunicado enviado à Agência ECCLESIA.

O secretário nacional do A.O, e diretor das suas Editoriais e publicações, revela que os Evangelhos, “logo desde os seus inícios”, são usados não só para a catequese mas “sobretudo como alimento da oração litúrgica das comunidades”.

“A Palavra feita carne foi e continua a ser para a Igreja, ao longo dos séculos, a maior interpelação a assumir na vida o estilo de Jesus, que inspira cada cristão”, acrescenta o padre António Valério da Companhia de Jesus (Jesuítas).

As meditações/orações, desta quinta edição do ‘Evangelho Diário’, foram elaboradas por um grupo de leigos da Comunidade de Vida Cristã (CVX), Banda Larga, e “exprimem a sua sensibilidade espiritual” bem como a sua inserção nas realidades do quotidiano com “o trabalho, a escola, a família, os encontros e desencontros de cada dia”.

A Editorial A.O., dos jesuítas, acrescenta que este livro “é uma excelente ajuda para o leitor que deseja acompanhar o ritmo litúrgico” e para quem pretende fazer da sua oração diária ”um tempo de comunhão com a Igreja”.

O padre António Valério destaca ainda que de entre todos os livros da Sagrada Escritura, são os Evangelhos “que se apresentam como a referência mais importante para a vida cristã”.

CB/OC

Igreja evoca o mártir leigo Domingos Jorge

A Igreja evoca esta Quarta-feira a memória do Beato Domingos Jorge, martirizado a 18 de Novembro de 1619.

Domingos Jorge nasceu em Vermoim da Maia, perto do Porto. Partiu muito jovem para a Índia, onde combateu pela fé e pela pátria. Aventureiro por natureza, empreendeu a viagem para o Japão, onde nesse tempo sucedia uma perseguição. Todos os missionários eram mortos, o mesmo sucedendo aos que os acolhiam em suas casas. Apesar destes riscos, os evangelizadores estrangeiros não quiseram  abandonar os cristãos japoneses, assumindo a missão de os instruir, animar e administrar os sacramentos.

Domingos Jorge, membro da Companhia do Rosário (antepassada da comunidade de leigos CVX), ligada aos Jesuítas, casou com uma jovem japonesa, à qual o missionário português Pe. Pedro Gomes deu o nome de Isabel Fernandes, oito dias após o nascimento.

O casal viveu perto da cidade de Nagasáqui, tendo recebido em sua casa dois missionários jesuítas – o Pe. Carlos Spínola, italiano, e o Irmão Ambrósio Fernandes, português de Xisto (perto do Porto) – além do catequista japonês João Kingoku.

O primeiro e o terceiro morreriam mártires três anos depois, no mesmo monte onde o Beato evocado esta Quarta-feira testemunhou a sua fé.

Na noite de 13 de Dezembro de 1618, o governador de Nagasáqui, Gonrócu, ordenou que fossem presos os dois missionários, juntamente com Domingos Jorge.

Após um ano de prisão, foram condenados à morte. Domingos Jorge, após escutar a sentença, pronunciou estas palavras: “Mais aprecio eu esta sentença do que se me fizessem Senhor de todo o Japão”.

Domingos Jorge quis ir descalço para o “Monte Santo”, situado à saída da cidade. O nome recorda a morte de vários mártires cristãos, desde São Paulo Miki, 22 anos antes.

A multidão seguia com interesse o que ia acontecer, mas muitos cristãos procuravam apenas as últimas exortações dos mártires. Dessa vez não houve sangue, porque Domingos Jorge e os quatro companheiros foram queimados vivos, enquanto rezavam o Credo. Dos cinco, apenas um era consagrado, Leonardo Kimura, neto do primeiro japonês baptizado por São Francisco Xavier. As suas cinzas foram lançadas ao mar.

Domingos Jorge foi beatificado por Pio IX, em Julho de 1867.

Superior Geral dos Jesuítas esteve em Portugal

Festa e proximidade resumem o encontro da Companhia de Jesus em Portugal com o Superior Geral dos Jesuítas, o Pe. Adolfo Nicolás. “A própria maneira de ser e de estar reflecte muito bem a simplicidade e profundidade que caracterizam o Pe. Nicolás”, explica à Agência ECCLESIA o Superior Provincial dos Jesuítas, o Pe. Nuno da Silva Gonçalves. “Diz as coisas de uma forma muito simples mas muito profunda também”, acrescenta. Estas mesmas características foram reconhecidas pelos participantes da Assembleia Mundial da Comunidade de Vida Cristã – CVX, que se reúnem em Fátima até amanhã, motivo pelo qual o Superior Geral se deslocou a Portugal. O Superior Geral fez questão de prolongar a sua visita para estar junto da companhia de Jesus em Portugal. O Pe. Nicolás esteve com os jesuítas em formação, no Baleal, onde teve ocasião de presidir a uma celebração e dirigir palavras incentivadoras aos mais novos da companhia. “A proximidade impressionou os jovens”, explica o Pe. Nuno Gonçalves. Eleito a 19 de Janeiro deste ano Superior Geral dos Jesuítas, o Pe. Adolfo Nicolás “está ainda a conhecer as províncias e por isso não dirigiu uma mensagem particular a Portugal”, expressa o provincial português. Neste primeiros meses “está a conhecer melhor a companhia”, acrescenta. No entanto, “uma coisa repetiu diversas vezes”. “Não podemos ficar de braços cruzados diante das dificuldades que tem o mundo, a pobreza, a fome, as situações de miséria e marginalização”, recorda o Pe. Nuno Gonçalves. Este pedido é um reforço do carisma dos Jesuítas para que “continuemos a combater as injustiças”. O programa da visita do Pe. Nicolás “privilegiou o encontro com as pessoas, com os jesuítas, colaboradores e amigos”. O objectivo de visita uma obra apostólica recaiu sobre o Serviço de Jesuíta aos Refugiados – JRS, que coordena o Centro Pedro Arrupe e trabalha no acolhimento e apoio aos refugiados. A visita deu-se por “razões de proximidade, mas também para dar a conhecer o esforço que a comunidade em Portugal desenvolve no apoio aos mais pobres”, assume o Pe. Nuno Gonçalves. A visita do Pe. Adolfo Nicolás ao JRS representa o “reconhecimento do trabalho no âmbito das actividades que a companhia de Jesus desenvolve, neste caso, com os imigrantes”, expressa André Costa Jorge, Director do JRS à Agência ECCLESIA. O Director dá conta que ao longo da visita ao Centro Pedro Arrupe, o Superior Geral dos Jesuítas manifestava a sua alegria pelo desenvolvimento deste trabalho. “Teve ocasião de expressão que este trabalho é uma dimensão importante da companhia de Jesus”, a somar à sua “forte preocupação com o apoio social e o apoio à imigração”. Há cerca de uma semana, uma residente no Centro foi mãe de duas gémeas. O Pe. Nicolás deslocou-se ao quarto da utente protagonizando “um encontro muito humano”, recorda o Director do JRS. A mãe é uma imigrante são-tomenese, em Portugal ao abrigo dos acordos de saúde, e, durante o processo, “descobrimos que estava grávida e de gémeos”. O encontro entre o Superior Geral dos Jesuítas e a recente mãe foi “muito real e humano”, dá conta André Costa Jorge. “Foi uma situação de profunda verdade sobre o trabalho que fazemos”. A ajuda aos mais pobres e aos que mais necessitam, estar com eles e trabalhar no sentido da esperança. “Fala-se pouco no sentido da esperança e nos veículos de transmissão que as pessoas podem ser”, reconhece o director. A presença do Pe. Adolfo Nicolás no Centro Pedro Arrupe foi “motivo de muita alegria e percebemos que estamos a trabalhar no sentido correcto”. O Superior Geral deixou o desafio constante de presença, acompanhamento e apoio aos imigrantes e refugiados, uma tarefa que está na origem do JRS. À companhia de Jesus, o Pe. Adolfo Nicolás insistiu na importância da formação dos novos jesuítas. “Esta é uma linha de grande importância, para continuarmos a apostar na missão que desenvolvemos”, aponta. O objectivo é oferecer uma formação “sólida e profunda, não para sermos muito bem formados, mas em função da missão que a Igreja nos continua a pedir”. O Superior Geral explicou que o Papa e a Igreja “continuam a pedir aos Jesuítas missões difíceis e situações de fronteira que exigem uma formação sólida. Acolhemos por isso este pedido e daí a insistência na formação espiritual e intelectual”.

70 países reunidos em Fátima para trilhar caminhos de testemunho cristão

Leigos dos cinco continentes estão reunidos em Fátima para a Assembleia Mundial da Comunidade de Vida Cristã. Um encontro que pretende encontrar caminhos para dar testemunho cristão nos dias de hoje. A Comunidade de Vida Cristã – CVX, é uma associação mundial de católicos leigos que quer dar testemunho, dentro da Igreja e da sociedade, dos valores humanistas e evangélicos que promovem a dignidade da pessoa, o bem-estar da família e a integridade da Natureza, com ligação histórica e espiritual à Companhia de Jesus. Implantada em 58 países (57.300 membros), a CVX está também presente em Portugal e conta actualmente com cerca de 800 membros que se reúnem em pequenos grupos implantados em Évora, Almada, Lisboa, Leiria, Coimbra, Aveiro, Covilhã, Castelo Branco, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, Guimarães, Famalicão, Braga e Viana do Castelo. 59 comunidades que pertencem à CVX compõem uma assembleia com cerca de 70 países diferentes, representados por 200 pessoas. De cinco em cinco anos, o CVX faz “o ponto de situação da evolução da comunidade mundial”, explica à Agência ECCLESIA o Pe. Hermínio Rico, sacerdote jesuíta. Este encontro propõe-se a olhar o caminho percorrido e tenta perceber “quais os novos desafios que a sociedade contemporânea coloca e as respostas que a comunidade se sente chamada a dar, dentro da sua espiritualidade inaciana”. O caminhos dos últimos cinco anos indicam uma procura de modos e estruturas para que a comunidade a nível mundial “funcione como um corpo apostólico”. Todas as tarefas que cada membro da comunidade desempenha “devem ser sentidas por todos, unificadas numa missão comum”, explica o sacerdote. No seio da grande missão da Igreja, o CVX tem “uma missão e todos partilham a responsabilidade dessa mesma missão”, sublinha. Sendo um movimento de leigos a missão principal encontra palco na família, na vida profissional e cívica. “Não se trata tanto de uma participação em apostolados, o que não exclui uma participação na pastoral”, adianta. O que se pretende é descobrir “nos caminhos da família, da vida cívica pública, política e profissional, uma forma de ser sinal do reino de Deus”, explica o jesuíta. Numa assembleia “de enorme variedade” em termos geográficos, etários e de experiências muito diversas, o Pe. Herminio Rico afirma ser “espantoso encontrar uma forma de comunicação universal e manifestar o mesmo olhar e sentir de igual forma o chamamento de ser leigo”. A partilha do trabalho realizada em cada comunidade preencheu os primeiros dias da Assembleia. Um momento muito rico em partilha onde foi possível perceber a diversidade cultural de cada comunidade mas “um esforço pelo ideal”. O sacerdote recorda o testemunho que a comunidade do Zimbabué que partilhou. Dentro do contexto social e político que actualmente atravessa, os participantes manifestaram uma “vontade e uma grande esperança pelo valor da vida”. «Caminhando com o corpo apostólico» é o lema que vai conduzir os 200 participantes. Para onde caminhar é o que se propõem descobrir neste encontro que decorre em Fátima até ao dia 21 de Agosto. Dia 17, o Pe. Adolfo Nicolás, novo Superior Geral dos Jesuítas, que estará em Portugal até ao dia 19, vai juntar-se à Assembleia. Mais informações da Assembleia em www.fatima2008.org ou www.cvxp.org

Geral dos Jesuítas vem a Portugal

Por ocasião da Assembleia Mundial da Comunidade de Vida Cristã, em Fátima, o Padre Geral, Adolfo Nicolás, estará em Portugal, de 17 a 19 de Agosto. Chegará a Lisboa na manhã de 17 e seguirá para Fátima, onde participará nos trabalhos da Assembleia Mundial da CVX, até ao almoço do dia 18. Nessa tarde, visitará os jesuítas na Casa do Baleal. No dia 19, às 10h00, apresenta cumprimentos ao Núncio Apostólico, em Lisboa. Às 11h30, está previsto um encontro com jesuítas, seguindo-se, pelas 12h30, uma celebração eucarística e almoço para jesuítas e colaboradores. No final da tarde, regressa a Roma. JesuítasNet

Novo Superior dos Jesuítas do Centro do Lumiar

O Pe. Manuel Vaz Pato será o novo Superior dos Jesuítas do Centro do Lumiar (Lisboa), em substituição do Pe. Alberto Brito, que irá assumir em Roma a função de assistente mundial da Comunidade de Vida Cristã (CVX). Esta substituição será levada a cabo em finais deste ano lectivo. O Padre Manuel Vaz Pato é actualmente Professor na Universidade do Minho e Director do Centro Académico de Braga (CAB).

Nova revista “Amar & Servir”

A nova Revista “Amar & Servir”, uma publicação de informação missionária, próxima da Companhia de Jesus, será apresentada ao público, no Colégio de São João de Brito, na festa de São Francisco Xavier, dia 3 de Dezembro, às 18.30 horas. O seu apresentador será o Prof. João César das Neves, na presença do Superior Provincial dos Jesuítas, Padre Amadeu Pinto, do corpo editorial da mesma revista, de muitos amigos e convidados, em especial de sócios da Associação Amigos de São João de Brito, que patrocina o novo órgão informativo. Esta edição, com sede em Lisboa (Estrada da Torre, 26 – 1750-296 Lisboa), é realizada em colaboração com o Secretariado da Missões Jesuítas e com as Causas de Canonização dos Mártires do Brasil e dos Mártires do Japão. A sua periodicidade será trimestral, de informação e de sensibilização missionária, tomando como ponto de partida o trabalho apostólico e a acção missionária nos países em vias de desenvolvimento, da responsabilidade tanto dos jesuítas como dos movimentos a eles ligados pela espiritualidade, tais como os “Leigos para o Desenvolvimento” ou o “Serviço Jesuíta aos Refugiados”. A Direcção da Revista espera que ela seja bem recebida no actual contexto social e religioso português. E espera receber apoio muito positivo não só por parte dos membros da Companhia de Jesus, mas também por parte do universo constituído pelos seus familiares, amigos e colaboradores, antigos jesuítas, antigos alunos, membros da Comunidade de Vida Cristã (CVX) e demais seguidores da sua espiritualidade, a bem de uma mais completa e profunda colaboração missionária na expansão do Reino de Deus.

Página 1 de 212