Mensagem de Natal 2017 do bispo de Beja

Irmãos e amigos:

Aproximando-se o tempo do Natal, quero convidar-vos a celebrar o Nascimento de Jesus. Trata-se de uma realidade atual: hoje nasceu o nosso Salvador, Jesus Cristo Senhor! Assim cantaremos no Salmo Responsorial da missa da meia-noite, respondendo à profecia de Isaías que, na primeira leitura, o anuncia jubilosamente. De facto, o nosso Salvador Jesus Cristo viveu há dois mil anos e vive hoje neste Seu corpo que é a Igreja, corpo formado pelos pecadores que somos todos nós, mas santo, porque habitado e animado pelo Espírito de Deus.

Jesus é o nosso Salvador. Ele vem salvar-nos do pecado e da morte onde tantas vezes temos procurado, em vão, a felicidade. Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida (Jo 14,6) e n’Ele se manifesta a graça de Deus como fonte de salvação para todos os homens (Tit 2, 11), como escutaremos também na missa da próxima noite de Natal. Fonte de Salvação para todos os homens soberbos, avarentos e luxuriosos, para aqueles que são escravos da ira, da comida e da bebida em excesso, para os que teimam em pedir a felicidade à inveja e à preguiça, e também ao trabalho visto e praticado apenas como fonte de lucro. Esta sociedade que é a nossa, tão baseada no dinheiro e no ter, no ser e no gozar, foi salva por Jesus de Nazaré. Ele é realmente o Salvador para aqueles que O acolhem, para os que Lhe dão lugar, ainda que seja na cripta da sua vida.

Celebrar o Nascimento de Jesus em nossos corações é receber a salvação. Ele transfere-nos da solidão e da tristeza para a comunhão e para a alegria, porque nos liga a Deus. De facto, Ele ensina-nos a abandonar a impiedade e os desejos mundanos para vivermos com temperança, justiça e piedade no tempo presente, aguardando a ditosa esperança e a manifestação da Sua glória, no fim dos tempos (cf. Tit 2,11-13). É como membros da Igreja que somos salvos por Jesus Cristo. Foi em Belém que os pastores encontraram, como lhes tinha sido anunciado, Aquele Menino recém-nascido, envolto em panos e deitado na manjedoura (Lc 2,12). Por isso, façamos nosso aquele seu vamos a Belém! Belém, casa do pão, significa a Igreja que, neste ano e na nossa diocese de Beja, somos chamados a conhecer como Povo de Deus, como Corpo de Cristo e como Templo do Espírito Santo. De facto, somos o povo libertado por Deus da escravidão do pecado pela Nova Aliança firmada no sangue de Cristo, Aliança pela qual temos acesso à Terra Prometida, ao coração amoroso do nosso Deus. Somos membros do Corpo de Cristo, trabalhando, animados pelo mesmo Espírito, em ordem ao bem comum, e somos templo de Deus, para o louvor da Sua glória. Vamos a Belém, poderá ser traduzido para nós, hoje, desta maneira: frequentemos a Eucaristia dominical, caminhemos como Igreja, como Povo de Deus, oremos em família como igreja doméstica, como cristãos salvos do pecado e a caminho da Terra Prometida; vivamos como membros do Corpo de Cristo e como Templos do Espírito Santo!

Sede santos, porque Eu, o Senhor vosso Deus, sou santo (Lev 19,2)! Nestas palavras se resume aquele abandonar a impiedade e os desejos mundanos para vivermos com temperança, justiça e piedade no tempo presente, enquanto esperamos a manifestação gloriosa de Cristo Jesus, nosso grande Deus e Salvador (Tit 2, 12-13). Deixa-O nascer em ti para que Ele te afaste do pecado e te ensine a cultivar essa vida de temperança, de justiça e de piedade, esse novo relacionamento com as coisas, com as pessoas e com Deus, essa justiça nova, própria dos filhos de Deus.

Convido-vos, irmãos, a celebrar o Natal deste ano de 2017. Abrindo o coração à esperança da segunda vinda de Cristo, recebei o perdão dos vossos pecados no sacramento da Reconciliação para poderdes, vós também, perdoar e amar os irmãos. Convido-vos, finalmente, a festejar, a celebrar o nascimento de Jesus participando na Eucaristia, com toda a vossa família.

A todos vós, amados por Jesus Cristo, desejo que vivais com Ele o Santo Natal, e que possais receber d’Ele, em 2018, a graça de um Ano Bom.

Rezai por mim.
+ João Marcos