Dia dos Avós: Ter tempo com os netos é experimentar «a sobremesa da vida»

Dia dos Avós: Ter tempo com os netos é experimentar «a sobremesa da vida»

Um vez por semana, reunidos num Clube dos Avós, as duas gerações partilham sorrisos, abraços e sabedoria

 

Alice Duarte Pedro foi professora no Colégio Marista de Carcavelos, em Lisboa, durante mais de quatro décadas e quando se reformou “não queria acreditar”.

“Eu e as crianças somos inseparáveis, gosto da vida que nos transmitem e tentamos passar alguns valores…Há muitos avós que trabalham, os pais estão muito ocupados e os avós têm um papel fundamental; ter este clube dos avós é um complemento à educação”, explica à Ecclesia a avó de 72 anos.

Ter sete filhos e catorze netos não impediu a avó Alice de fundar, em 2001, o Clube dos Avós, um espaço onde os avós, que têm netos ou já tiveram naquele colégio, se possam encontrar, conviver e partilhar os seus saberes.

“Há muitos avós a vir buscar e levar meninos e seria bom ter avós a tomar um chazinho, conversar e irem em visitas culturais, ter passeios… Depois veio o contacto direto com os alunos da primária”, recorda.

Lembro-me muito bem de ser avó pela primeira vez: foi uma alegria, e até chorei. É um louvor a Deus, que dei e continuo a dar.”

Avó Alice Pedro

O Clube dos Avós teve um interregno mas atualmente conta com cerca de 20 avós que se disponibilizam para estar com as “crianças na hora do recreio ou depois das aulas”.

As atividades vão desde a horta pedagógica, ao cantinho das histórias, do xadrez ou dos sabores, não esquecendo o francês e a pintura.

Esta avó fundadora acredita no potencial deste clube e fala da realidade de ser avó e da importância que a figura tem na vida e no crescimento das crianças.

“Os avós acham que não têm tempo, eu cá acho que não custa nada tirar uma hora para estar com outras crianças e ser útil à sua aprendizagem”, defende.

Quando a pergunta é sobre os seus netos os olhos arregalam-se e diz: “os netos trazem outro sabor à vida” e abre um grande sorriso.

“Agora tenho tempo e sabor, com os filhos eu trabalhava muitas horas por dia e com os netos tenho mais tempo, eles são a “sobremesa da vida”, como alguém disse”.

Alice Pedro realça esta vocação de ser avó “que nunca se cansa” e conta que “brinca e passeia muito com os seus netos”.

“Vamos à praia, brincamos no jardim, cozinhamos e todos querem fazer as refeições e ajudam a tomar conta dos mais pequenos”, conclui.

Uma transmissão de valores

O septuagenário casal Serra também dá o seu tempo para participar no Clube dos Avós, uma atividade que surgiu naturalmente com a reforma.

“Como casal temos uma atividade principal que é a promoção de eventos culturais, como conferências, viagens a monumentos, museus e cidades com história, tudo para os avós”, explica António Serra de 78 anos.

Mas a atividade que “enche a alma” deste engenheiro aposentado é a quinta pedagógica e biológica que faz com os alunos e lhe dá um imenso prazer.

“Eles aprendem a cultivar e amanhar a terra, a plantar e colher o fruto e depois levam para casa muitas coisas: alfaces, couves, tomates, cebolas”, diz entre risos.

Já para Maria José a horta era tida como “um cansaço para o marido, já sem saúde para isso” mas, depois de ver “os sorrisos das crianças ao levarem os legumes para casa”, entendeu que era mesmo uma “missão diferente”.

“Assim as crianças dos meios citadinos aprendem que os legumes não nascem nas prateleiras do hipermercado”, diz, recordando depois episódios de antigamente.

Para esta professora aposentada a atividade em que participa traz-lhe uma dinâmica diferente, integra a equipa do “cantinho dos sabores”, onde as crianças “cheias de curiosidade” são convidadas a dar largas à imaginação na área da culinária.

“Querem mexer na massa, para perceber como se faz e depois ficam contentes porque no fim levam sempre o que fizeram. Há ainda um momento importante, os alunos aprender a ler uma receita, não é só ler, têm de saber interpretar, com a necessária atenção”, explica.

Estes avós têm três netos, com idades entre os 13 e os 15 anos, sentem que ser avô e avó é uma “transmissão de valores” e uma “corrente de gerações”.

“Nós somos avós neste século XXI, lembro-me dos meus avós, no século XX e tiveram uma importância grande na minha vida; atualmente somos nós, chegou a nossa vez de ser avós e futuramente bisavós, é uma corrente de gerações”, explica Maria José.

“Para mim ser avô é uma transmissão de valores que nos foram dados pelos nossos pais e avós, e é aquilo que tentamos deixar para os nosso netos”, confirma António Serra, com os olhos humedecidos.

Considerado o “motorista de serviço aos netos” António, entre risos, conta ao microfone da Ecclesia que agora tem outro tempo.

“Não acompanhei tanto os meus filhos,como acompanho os netos, não havia tempo”, lamenta.

Por seu lado a avó Maria José gosta de ter momentos mais culturais com os netos e incentivar os talentos de cada um.

“Eles gostam de música, tocam piano e flauta, e é um prazer ouvi-los tocar… Digo-lhes sempre: toquem lá um bocadinho para a avó ouvir”, conta embevecida.

Um casal bem disposto que “nasceu para ser avós” e sente que essa missão é estabelecer uma “ligação entre o passado e o futuro”; tentando deixar alguma coisa seu e que foi dos seus antepassados, resumindo “é uma felicidade”, dizem a sorrir.

“Os avós fazem aquelas ‘macacadas de avós’, por exemplo tenho um neto desportista, com 15 anos, e é ele que me ensina a jogar à bola!”

Avô António Serra

“Reformei-me e fiquei oca, sem crianças”

Quem conhece a avó Maria Morais, como as crianças que frequentam o Clube dos Avós, reconhece-lhe um talento especial que até empresta o nome ao “Cantinho da avó Maria”.

“Adoro histórias, ouvir e contar histórias, comecei com histórias simples mas eles não prestavam atenção… Resolvi mudar a tática e agora conto histórias mais difíceis mas que depois até vão ter no programa de leitura, como a Menina do Mar ou a Fada Oriana”, conta a avó Maria à conversa com a Ecclesia.

Agora ficam como “moscas à volta da luz” cada vez que esta avó pega num livro para contar uma história aos alunos que participam desta hora no Clube dos Avós.

Quem pensa que contar uma história é “algo corriqueiro” engana-se pois é todo “um acto de aprendizagem, fazem imensas perguntas e vão aumentando o vocabulário”, depois fazem um desenho e no fim do ano encaderna-se e levam para casa.

“À maior parte das crianças ninguém lhes lê uma história, os pais não têm tempo… e é ver aquelas caras e olhos fixos em nós, hipnotizados”, refere a avó de seis netos.

“Eu nunca tive abraços dos meus filhos como tenho dos meus netos, é mais doce…” 

Avó Maria Morais

Toda a vida Maria Morais trabalhou com crianças, “quando se reformou sentiu-se oca, sem crianças” e nas idas ao colégio dos Maristas buscar os netos descobriu esta iniciativa.

“Vinha mais cedo buscar os netos para conversar com as crianças, fui-me ‘infiltrando’ e soube do clube e cá estou muito feliz; hoje estas crianças não são netos emprestados, são um bocadinho meus, também”, confessa.

Avó de seis netos, Maria Morais recorda bem a chegada do primeiro neto, “de uma filha que é diferente, porque as noras têm as mães delas”.

“Foi o meu menino, fiquei viúva naquela altura e ele tornou-se o meu grande companheiro de todas as horas, ia comigo para todo o lado e ainda hoje temos uma boa relação”, assume.

Esta avó partilha da opinião que não houve muito tempo para os filhos e agora há todo o tempo do mundo para os netos, está “livre e relaxada” e vai para ali “feliz e contente”, como como quando está com os seus netos.

Uma vez por semana conta a história mas, para casa leva muito mais do que trouxe ao Colégio marista.

“Levo para casa uma felicidade porque não há nada que pague aqueles braços à volta do nosso pescoço… Vivo sozinha e não tem preço este carinho, as crianças são incondicionais”, diz sorridente.

O dia dedicado aos Avós é o tema dos programas Ecclesia na Antena 1, da rádio pública, nesta semana, de segunda a sexta-feira, pelas 22h45, ficando depois disponível em www.ecclesia.pt.

SN

EMRC: Ação de formação de docentes sobre a «Dignidade da vida humana»

Lisboa, 26 jan 2017 (Ecclesia) – A ação de formação de docentes de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) deste ano realiza-se no Colégio dos Maristas (Carcavelos – Lisboa) este sábado e domingo e tem como tema «Dignidade da vida humana: Um percurso em construção numa Escola com lu(cide)z».

Nesta atividade formativa, o professor de Filosofia na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa, Américo Pereira, faz uma conferência sobre «Entre a angústia e a esperança: uma leitura das condições da existência humana na contemporaneidade», lê-se no programa enviado à Agência ECCLESIA.

Na manhã do primeiro dia, a psicóloga Helena Marujo fala sobre a «Nobreza na Educação: caminhos virtuosos no (re)conhecimento da dignidade humana» e o padre Vítor Coutinho, vice-reitor do Santuário de Fátima, reflete, pelas 14:30 deste sábado, sobre «Bioética: olhar a ciência, servir o homem».

«A mobilidade humana: sonhos de profeta, pergunta de Deus» pela irmã Julieta Dias e «A família no contexto atual: interpelações à visão cristã da vida» pelo teólogo José Eduardo Borges de Pinho são os temas das outras conferências da ação de formação para docentes de EMRC.

LFS 

Lisboa: Maristas recebem família de refugiados de Alepo

Lisboa, 21 dez 2016 (Ecclesia) – Externato Marista de Lisboa e a Comunidade dos Irmãos Maristas receberam esta terça-feira uma família de refugiados da cidade síria de Alepo, num projeto em parceria com a Fundação Champagnat.

A família é constituída por cinco pessoas, pais e filhos, e vai crescer proximamente, dado que a mãe se encontra grávida de cinco meses.

“Finalmente, ao fim de dez meses num campo de refugiados da Grécia, onde mais não tinham do que um pequeno espaço partilhado, terão uma casa, uma sala e uma cozinha que podem chamar suas, um quarto com porta, com cama, com um candeeiro que poderão acender ou apagar quando desejarem”, refere a Associação de Pais Maristas – Externato Marista de Lisboa, na sua página na internet.

OC

Maristas: 250 professores vão debater desafios da missão educativa

Lisboa, 26 fev 2016 (Ecclesia) – A edição deste ano das Jornadas Pedagógicas Maristas, marcada para hoje, vai envolver 250 professores dos vários colégios da congregação num debate sobre os desafios atuais da missão educativa.

Com o tema “O Sonho…”, a atividade pretende reforçar o propósito que sempre tem orientado o trabalho dos docentes, “formar bons cristãos e virtuosos cidadãos”, frisa um comunicado da organização, enviado à Agência ECCLESIA.

O evento vai contar com a participação do cardeal-patriarca de Lisboa, do professor João César das Neves, do médico e deputado Ricardo Leite e dos jornalistas Reginaldo de Almeida, Pedro Coelho e Laurinda Alves.

Vai decorrer no auditório do Colégio Marista de Carcavelos.

JCP

2012: Foi notícia na Igreja em Portugal

Lisboa, 29 de dez 2012 (Ecclesia) – O ano 2012 fica na história da Igreja Católica por muitos acontecimentos: uns locais, outros nacionais; alguns relacionados com a espiritualidade, muitos a testemunhar a constante solidariedade em curso num tempo de crise.

Entre todos, a Agência ECCLESIA elaborou uma revista do ano 2012 da Igreja Católica em Portugal, onde a enumeração de cada acontecimento está ligada à notícia que, na altura, o divulgou.

 

Janeiro

08 – Braga: Arquidiocese felicita D. Manuel Monteiro de Castro, novo cardeal português

09
– Património: Lista de obras de arte roubadas no novo site do Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja

10 – Feriados/Portugal: Igreja tem de respeitar decisões do Governo, afirma presidente do episcopado

20 – Cáritas: Eugénio Fonseca assume novo mandato na direção nacional 

29 – Lamego: Novo bispo conta com todos na sua missão

30 – Braga: Semana Santa com selo de «Declaração de Interesse para o Turismo» 

 

Fevereiro

03 – Portugal: Universidade Católica celebra 45 anos

04 – Braga: Arcebispo escreve saudação para a Capital Europeia da Juventude

– CNIS: Padre Lino Maia reeleito para novo mandato 

09 – Guimarães 2012: Arcebispo promete colaboração da Igreja Católica na Capital Europeia da Cultura  

21– Beja: Morreu D. Manuel Falcão, bispo emérito

23 – Arquitetura: Três espaços católicos portugueses são finalistas dos prémios «ArchDaily» 

29 – Media: Renascença celebra 75 anos com olhos postos no mundo digital

 

Março

10 – Dominicanos: 50º Aniversário da restauração da Província Portuguesa da Ordem dos Pregadores  

13Conferência Episcopal apela à dádiva de sangue

 

Abril

09Presidente da República distingue Renascença

18 – Inquérito/CEP: Catolicismo português tem rosto feminino e pronúncia do Norte

19Diretrizes para casos de abuso sexual de menores

– Macau: Padre Peter Stilwell é novo reitor da Universidade Católica

Bispos portugueses pedem unidade da Europa

 

Maio

08Santa Sé e Governo acordam fim de feriados  

10 – Media: Agência ECCLESIA com nova versão mobile

16 – Bragança: Bispo anuncia nova configuração da diocese 

31 – Fátima: Milagres abrem caminho para a canonização

 

Junho

04 – Bíblia: Nasceu a Associação Bíblica Portuguesa 

08Novo bispo auxiliar para Braga 

16 – Coimbra: Faleceu D. Albino Cleto 

– Portugal: Organizações católicas pedem posição firme do Governo face ao comércio ilegal de armas 

19 – Cultura: Igreja distingue Nuno Teotónio Pereira 

 

Julho

03 – Igreja/Deporto: Padres de Braga vencem «Clericus Cup» 

11 – Beja: Governo distingue festival «Terras Sem Sombra»

13 – Escutismo: Acampamento nacional bate recordes

17Escolhida nova reitora da Universidade Católica

 

Agosto

29 – Açores: São Miguel disse adeus a D. Aurélio Granada Escudeiro

 

Setembro

04 – Beja: Responsável pelo património da Diocese de Beja condecorado no Brasil

06 – Timor: Bispos lusófonos debatem seitas e desenvolvimento

17 – Igreja/Portugal: Governo deve saber ler manifestações de protesto  

18 – Maristas: Província Portuguesa de luto pela morte do seu fundador

29 – Media: Tempo de emissão das Confissões Religiosas «deve ser mantido», considera Marques Mendes

 

Outubro

13 – Fátima: Mudança do mundo «agudizou» emergência da mensagem do Concílio Vaticano II 

18Igreja quer recuperar «tesouros escondidos»

19 – Voluntariado: Simpósio europeu reúne especialistas em Lisboa

25 – Música: «Missa Brevis» para o Ano da Fé

 

Novembro

13 – Fátima: Santuário assinala pela primeira vez solenidade da Basílica da Santíssima Trindade 

14Açores são região mais católica de Portugal 

15 Nota da Conferência Episcopal Portuguesa sobre Corpo Nacional de Escutas – CNE: Caminho de Esperança

Bispos alertam para austeridade «asfixiante»

16 – Igreja/Cultura: «Átrio dos Gentios» em Portugal 

25Semana Social conclui-se com apelo a justiça fiscal

 

Dezembro

01 – Beja: Diocese dá início a Sínodo

05 – Migrações: Governo elogia ação da Igreja

10 – Direitos Humanos: Distinção da Cáritas pelo Parlamento reconhece empenho da Igreja na defesa dos portugueses 

18 – Media: Semanário Agência ECCLESIA assume formato digital

LFS/PR

Maristas: Província Portuguesa de luto pela morte do seu fundador

Lisboa, 18 set 2012 (Ecclesia) – A Província Portuguesa da Congregação dos Maristas está de luto pela morte do seu fundador, o irmão Gabriel, aos 96 anos de idade e 79 de profissão religiosa.

Num comunicado enviado esta segunda-feira à Agência ECCLESIA, a ordem religiosa destaca a obra deixada por Faustino Saraiva de Abreu, mais conhecido como irmão Gabriel, que para além de ter introduzido o carisma marista em Portugal, “em 1947”, foi também o “primeiro diretor do Externato Marista de Lisboa”.

Natural da freguesia do Olival, em Santarém, o irmão Gabriel abraçou os seus primeiros votos em 1933, no Brasil, país onde cinco anos depois fez também a profissão perpétua.

Nos anos posteriores à fundação da Província Portuguesa dos Maristas, o religioso destacou-se pelo seu apostolado ao serviço da educação, em Lisboa, Carcavelos, Porto e Portalegre.

A “eucaristia de despedida” do irmão Gabriel realizou-se segunda-feira, no Conventinho, em Lisboa, tendo o cortejo fúnebre seguido para o cemitério de Benfica.

 A Congregação Marista conta neste momento com cerca de 40 irmãos e mais de uma centena de unidades sociais espalhadas pelo país.

Os religiosos são sobretudo reconhecidos pela sua presença de qualidade na educação, com dois colégios de referência, em Lisboa e Carcavelos.

Destacam-se também por iniciativas de apoio social a jovens carenciados, através de valências instaladas nas regiões de Ermesinde, Vouzela e São Pedro do Sul.

JCP

Porto: Movimento Oásis lembrou centenário do nascimento do seu fundador

Ermesinde, Porto, 30 abr 2012 (Ecclesia) – O Centro de Espiritualidade Oásis e a Casa dos Irmãos Maristas, em Ermesinde, acolheram a celebração do centenário no nascimento do padre jesuíta italiano Virgínio Rotondi (1912-1990), fundador do Movimento Oásis, com a presença do bispo do Porto.

D. Manuel Clemente afirmou que “o sossego permanente, o ‘oásis’, das comunidades cristãs, onde podem efetivamente refrescar-se, repousar e segurar-se é o próprio Deus”, assinala um comunicado do movimento, enviado hoje à Agência ECCLESIA.

Durante a sessão, que decorreu no dia 25 de abril, foi apresentado o CD «Construir Oásis», editado pelas Edições Salesianas, com temas que o padre Eleutério Pais foi preparando, ao longo dos anos, para a animação dos encontros juvenis do Movimento Oásis, interpretados por Ana Filipa Lima, Vasco Miranda e Abraão Silva.

OC

Lisboa: Festival da Canção com transmissão online

Lisboa, 01 Out 2011 (Ecclesia) – O patriarcado de Lisboa rganiza hoje o seu Festival da Canção, no auditório do Colégio dos Maristas de Carcavelos, a primeira atividade de âmbito diocesano depois da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) de Madrid.

Os participantes são os vencedores dos festivais vicariais com o tema da JMJ, ‘Enraizados e edificados em Cristo, firmes na fé’ (Cl 2,7).

Os bilhetes custam 2 euros e podem ser reservados através do endereço eletrónico juventude@patriarcado-lisboa.pt  ou adquiridos no local, no próprio dia.

O site do Patriarcado de Lisboa, www.patriacado-lisboa.pt, fará a transmissão áudio, em directo, através da Internet.

OC/LS