Projecto para garantir a segurança das crianças

O Projecto “Família”, uma iniciativa do Movimento de Defesa da Vida (MDV) apresentada ontem no Porto, propõe-se garantir a segurança das crianças, atacando situações de menores em risco a partir da intervenção nas famílias. Uma condição essencial, considera o Bispo do Porto, D. Manuel Clemente, para o sucesso da iniciativa. “Não podemos desistir deste vínculo familiar, porque é um meio natural não só para crescer, mas para se desenvolver e para resolver os problemas que surjam nesse mesmo crescimento”, afirma. O projecto visa “apoiar a família no meio onde o problema surja com a presença de quem possa ajudar dentro do agregado familiar”, acrescenta D. Manuel Clemente. Por seu lado, Graça Mira Delgado, do MDV, sublinha que este é um projecto fundamentalmente “para as crianças”, mas que não pode deixar de envolver a família, o “elemento que nos acompanha do nascimento à morte”. O projecto “Família” tem ainda como premissa que “todas as crises se podem resolver”.

Cáritas de Beja aposta em formadores na área parental

A Caritas Portuguesa irá promover no âmbito do Programa Operacional Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), em parceria com a Caritas Diocesana de Beja, uma formação na área da formação parental. Este curso de nível 5 destina-se a licenciados nas áreas Sociais e Educativas (Psicólogos; Sociólogos; Professores; Educadores de Infância; Assistentes Sócias, etc.) e a formação será ministrada pelo MDV- Movimento Defesa da Vida que é entidade acreditada, nomeadamente, pelo Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua de Professores. A formação terá uma duração de 60 horas dividida em 9 sessões de 6 ou 7 horas e ocorrerá nas seguintes datas: 02/09; 09/09; 16/09; 23/09; 14/10; 21/10; 28/10; 04/11; 11/11. Os módulos irão abordar Objectivos e Estilos Educativos, a Família na Doutrina Social da Igreja, Resolução de Conflitos, Educação Comportamental, entre outros. Os formandos têm direito a subsídio de refeição e deslocação de acordo com as regras do POEFDS. As inscrições deverão ser dirigidas à Caritas Diocesana sendo seleccionados um máximo de 16 formandos.

Luzes e sombras na família

O Movimento de Defesa da Vida (MDV) junta, desde ontem, responsáveis políticos e especialistas em assuntos da família para o Congresso “Que futuro para a família? Novas respostas para novas exigências”, no 10º Aniversário do Ano Internacional da Família. No primeiro dia de trabalhos, a ministra da Educação, Maria do Carmo Seabra, considerou que o Estado deve “mudar de mentalidade” na discussão do futuro da família, considerando, por exemplo, que os requerimentos no seu ministério nem sempre são bem atendidos porque há a ideia, preconcebida, de que “os pais não têm razão”. Falando sobre “a relação Família-Estado na promoção do desenvolvimento social”, o ministro da Segurança Social, da Família e da Criança, Fernando Negrão, apontou diversos desafios que se colocam à família, nomeadamente “o crescimento demográfico, o apoio contínuo e políticas que visem a qualidade da inserção das crianças e idosos nas famílias”. Fernando Negrão defendeu ainda “medidas fiscais protectoras” para as famílias. A Coordenadora Nacional para os Assuntos da Família, Margarida Gonçalves Neto, apontou a “curta duração dos casamentos” como um dos problemas actuais das famílias. O presidente do Instituto de Ciências da Família da Universidade Católica Portuguesa, o Pe. Duarte da Cunha, falou da família “como referência humana”, defendendo o modelo familiar tradicional. “Um pai e uma mãe é melhor”, assegurou. O congresso organizado pelo MDV prolonga-se até ao próximo dia 14. Apoiado e patrocinado pela Câmara Municipal de Lisboa, o evento tem lugar no Fórum Lisboa. A iniciativa tem como objectivo “reflectir sobre os novos desafios colocados à família”, possibilitando a intervenção de especialistas de diferentes matérias relacionadas com a família e de diferentes países, nomeadamente EUA e Espanha.

MDV na educação

“As acções realizadas pelo Movimento Defesa da Vida (MDV) eram reconhecidas mas agora passaram a ser oficiais” – disse à Agência ECCLESIA Graça Mira Delgado, Directora do MDV, a propósito do protocolo assinado entre este Movimento e o Ministério da Educação sobre a formação de professores para leccionar Educação Sexual nas Escolas. O MDV, que nasceu em 1977, “faz parte do Conselho Nacional de Movimentos e Obras” (CNMO) e, segundo a sua directora “não está para lutar contra ninguém. O nosso objectivo é educar as crianças e os jovens”. Um dos primeiros a receber formação do MDV, nos anos 80, foi o ginecologista Vítor Neto que defende este tipo de Formação: “mais abrangente, plural e aberta”. Posição que Graça Mira Delgado corrobora e adianta: “numa sociedade plural a oferta nesta área também deve ser plural”. E tal não acontecia porque outrora “era só a Associação para o Planeamento da Família (APF) que ministrava estas acções de formação. Tinham o monopólio”. Enquanto “a nossa formação aponta para a pessoa na sua totalidade, é personalista” aquela que a APF “dá tem uma dimensão mais preventiva”. Alguns grupos, após a assinatura deste protocolo, afirmaram que “o MDV é tendencioso e impõe uma moral” e “eles não são tendenciosos?”. “Que eu saiba não há educação sem valores” – afirma Vítor Neto. A diferença é notória entre as duas linhas formativas: enquanto a APF defende “em determinadas circunstâncias a interrupção voluntária da gravidez”, o MDV tem “uma linha que defende sempre a vida” – realça Graça Mira Delgado. Por sua vez Vítor Neto vai mais longe e questiona-se “como é possível que o Ministério da Educação tenha um protocolo assinado com um Movimento que defende o aborto quando o próprio país disse ‘não’ quando foi chamado a pronunciar-se”. E avança: “A APF não está em sintonia com aquilo que o povo português pensa”. Sobre a posição da líder da Juventude socialista, que afirmou a um órgão de Comunicação Social que o MDV defende «valores retrógrados», Graça Mira Delgado disse que Jamila Madeira “esqueceu-se que o protocolo agora assinado foi aprovado pelo Secretário de Estado do último governo socialista”. Com esta tomada de posição “Jamila Madeira só demostra que não conhece o MDV” – concluiu Vítor Neto.

«Mais Vida, Mais Família» analisa programas eleitorais

O Movimento “Mais Vida, Mais Família” vai analisar este sábado, dia 12 de Fevereiro, em Conferência de Imprensa, os programas eleitorais dos diversos partidos no que diz respeito à promoção da Família e à defesa da Vida, revelando também os resultados do inquérito formulado às forças políticas concorrentes ás próximas eleições. O inquérito foi formulado no recente Fórum “Mais Vida, Mais Família, realizado em Janeiro. Participam no encontro com a imprensa as 12 associações que estiveram na base do Fórum realizado a 22 de Janeiro, entre as quais Associação para a Formação de Pais; APFN – Associação Portuguesa de Famílias Numerosas; Associação Famílias; Associação Mais Família; MDV – Movimento de Defesa da Vida; e Vida Universitária, que, na ocasião, lançaram um documento intitulado “Manifesto de Lisboa”, que reclama junto do Estado e da sociedade a protecção e promoção da Família e a defesa da Vida. O Fórum assinalou 1º aniversário da maior recolha de assinaturas de sempre em Portugal, de apoio à petição “Mais Vida, Mais Família”, que congregou mais de 200.000 portugueses. A conferência de imprensa decorre pelas 11h00, no Hotel Mariott (antigo Hotel Penta), Av. dos Combatentes, Lisboa.