Vida Consagrada: Missionários da Boa Nova reúnem-se em assembleia geral

Lisboa, 04 jul 2014 (Ecclesia) – A Sociedade Missionária da Boa Nova (SMBN) vai reunir-se em Assembleia Geral, a partir de 7 de julho, no Seminário da Boa Nova em Valadares, inspirados pela exortação “Evangelii Gaudium” com o objetivo de saírem para as periferias.

“Pretende-se discernir os modos e os tempos de oferecer a cada homem e mulher uma igreja aberta, que acolhe cada um com sua história, tantas vezes triste, mas que encontra no rosto do missionário os primeiros sinais do amor de Deus”, segundo a exortação apostólica “Evangelii Gaudium”, explica o padre Albino dos Anjos, Superior Geral da SMBN.

A nota informativa enviada hoje à Agência ECCLESIA revela que “importa discernir o carisma da missão ‘ad gentes’ à luz dos tempos de hoje, na fidelidade ao evangelho e à luz do magistério da igreja” e que “sair para as periferias é o lema” destes missionários.

Os trabalhos da XII Assembleia Geral vão ser introduzidos com um período de reflexão espiritual e no Seminário da Boa Nova, em Valadares, também vão estar presentes vários delegados oriundos de regiões missionárias.

“A Sociedade Missionária da Boa Nova, ereta em 1930, carrega consigo uma nota distintiva do ponto de vista eclesial, enquanto expressão missionária do episcopado português”, destaca o padre Albino dos Anjos, Superior Geral da SMBN.

CB

Porto: Jovens Missionários da Boa Nova apresentam musical «Alegria»

Lisboa, 16 nov 2012 (Ecclesia) – Os Jovens Missionários da Boa Nova, grupo integrado na congregação religiosa católica com o mesmo nome, começam hoje a percorrer diversas paróquias da Diocese do Porto para apresentarem o musical “Alegria”.

Em comunicado enviado à Agência ECCLESIA, os promotores da iniciativa realçam que este espetáculo pretende “responder ao apelo do Papa Bento XVI que, na sua mensagem para o Dia Mundial da Juventude deste ano, desafia os jovens a serem Missionários da Alegria”.

Uma atitude de vida que, segundo os jovens da Boa Nova, deve fazer parte do “ADN” de cada cristão, chamado a transmitir a mensagem do Evangelho, a “feliz notícia”, que a partir do Novo Testamento ganhou um novo rosto, Jesus Cristo.

“Através da cor e do canto, da música e da dança, de palavras e da Palavra”, o grupo quer mostrar às comunidades que “a Alegria esteve sempre presente nos principais momentos e mistérios da vida de Cristo, e continua naqueles que querem viver ao seu jeito, pela força do seu Espírito”.

Integrado no Ano da Fé que a Igreja Católica está a promover, o espetáculo vai passar primeiro pela paróquia de Madaíl, em Oliveira de Azemeis, e termina o seu percurso no dia 21 de dezembro, em Pigeiros, Santa Maria da Feira.

JCP

Grupo Missionário JPII quer estimular missões em Coimbra

O Grupo Missionário João Paulo II, da diocese de Coimbra, investe na formação para dar continuidade à missão em Chapadinha, no nordeste do Brasil, em colaboração com as Irmãs Criaditas dos Pobres e os sacerdotes missionários da Boa Nova. Este grupo missionário começou a desenvolver actividades em 2008. Desafiados pelo Bispo de Coimbra, D. Albino Cleto, foram chamados a reanimar a missão interna e externa da diocese, na sequência do Congresso Missionário Nacional em Setembro de 2008. Aceitando o repto diocesano mas não de forma exclusiva, pois conforme explica o Pe. Luís Miranda, Coordenador Diocesano da Pastoral das Vocações e coordenador do Grupo Missionário JPII, “não somos os únicos a desenvolver experiências missionárias em Coimbra”, recordando missões de Institutos Religiosos. Animar então o espírito missionário de Coimbra tem sido um passo essencial do grupo, com vista também à preparação para voltar a Chapadinha, no Brasil. O Grupo missionário JPII desenvolve actividades na diocese, investindo na formação de novos elementos. A última iniciativa foi a «intromissão» na cidade de Coimbra, durante a Semana Santa. O Pe. Luís Miranda explica à Agência ECCLESIA que uma vez que actualmente o grupo está mais estruturado e organizado, “consideramos importante, no contexto da Páscoa, proporcionar uma experiência missionária dentro da diocese, numa paróquia da cidade que se está a formar”. O responsável assume que “a missão não se faz apenas no estrangeiro, mas também dentro”. A paróquia de São João Baptista nasce da paróquia de São José, no centro de Coimbra, mas conta ainda com fragilidades próprias de uma comunidade que se está a estruturar. . “Há ainda um grande trabalho a fazer de congregação das pessoas, de dar sentido de comunidade e unir esforços”. O Pe. Jorge Silva Santos, responsável pela nova paróquia abraçou a «intromissão» do grupo de missionários que animou diversos momentos da Semana Santa. Outras actividades estão a ser pensadas pelo grupo para estruturação e definição interna. Sendo um grupo missionário da diocese, “pretende-se com isso desenvolver um trabalho de redescoberta da missão missionária nas duas vias”, explícita o sacerdote. Melhor estruturado, o grupo missionário quer “ajudar a fazer um tempo de missão Ad gentes mas sobretudo que o a missão de um mês no exterior possa ajudar cada um a comprometer-se com a sua missão paroquial e ao serviço do que o Bispo de Coimbra pedir”, explica o Pe. Luís Miranda. O grupo lançou recentemente um Boletim Informativo, disponível na página na Internet, e desenvolve contactos com os padres da diocese para despertar o sentido missionário. Também em Outubro, no âmbito do mês missionário “contamos desenvolver algumas iniciativas para tornar a missão mais visível nas comunidades da diocese”. Novos elementos juntaram-se ao grupo inicial que em 2008 se estreou na missão. Alguns estão a ser formados para em Agosto rumar a Chapadinha dando continuidade à missão Ad gentes, com o auxílio de alguns elementos que em 2008 estiveram no Brasil. “Metade repete a experiência para podermos dar continuidade à missão em Chapadinha e facilitar a integrar dos novos elementos”. Mais informações no blog do Grupo Missionário JPII

Encontrar Deus na estrada de Damasco

“A estrada de Damasco é o ponto de encontro de cada um com Deus”. A afirmação é de António Pinto Leite, advogado e colunista do semanário “Expresso” proferida ontem no ciclo de Conferências Quaresmais de S. José, levadas a cabo pelas paróquias da cidade de Coimbra. Para António Pinto Leite, “o encontro com Deus está nas nossas relações de uns com os outros, na família, no emprego, na escola”. Segundo o vice-presidente da ACEGE (Associação Cristã de Empresários e Gestores), a Igreja é a maior história de amor que conhece aos outros. “Para além de uma Igreja de tradição e do sermão, nós devemos ser uma Igreja dos valores e, por vezes, a Igreja esquece-se do bem que faz. Também somos uma Igreja do serviço e do amor”, retorquiu ainda noutro ponto da sua conferência. Sobre a crise, António Pinto Leite afirmou que “é uma oportunidade óptima para o crescimento pessoal e espiritual de cada um de nós”. “Esta crise é uma grande oportunidade para reflectirmos sobres os valores da nossa sociedade”, disse perante uma centena de participantes. Para o conferencista “há uma grande competição entre nós pelo ter e, essencialmente pelo dinheiro”. Esta crise, é segundo António Pinto Leite, “uma oportunidade para transmitirmos determinados valores nas nossas famílias, nas nossas empresas, nas nossas escolas. “Há qualquer coisa de errado na nossa relação com Deus”, disse o co-presidente do Conselho de Administração de uma grande sociedade de advogados – “desabituamo-nos de dar graças e só nos queixamos”, disse. Para além do seu testemunho de cristão , António Pinto Leite criticou que “existem uma data de cristãos agnósticos, que acreditam em Deus, mas não o sentem na vida”. As Conferências Quaresmais decorrem às quintas-feiras, pelas 21,15 horas, no Salão da paróquia de S. José. No dia 19 de Março, Maria do Loreto Paiva Couceiro, do movimento GRAAL abordará o tema “Que Igreja num mundo global?” Num mundo global, uma Igreja global, sem distinção de raças nem de cores, preocupada com todos os homens e com o homem todo. É esta a Igreja que somos? Serão as respostas dadas pela Dr.ª Maria do Loreto Paiva Couceiro, doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Nova de Lisboa. No dia 26 de Março caberá ao Bispo Auxiliar de Braga, D. António Couto falar sobre o tema “Comunidades e capelinhas?”. D. António Couto foi ordenado bispo em 2007 e pertencia aos Missionários da Boa Nova. No dia 2 de Abril, o Padre Joaquim Carreira das Neves falará sobre o tema “Desafios da Evangelização, hoje”. O Padre Carreira das Neves é professor jubilado da Universidade Católica Portuguesa e é assídua presença no programa Ecclesia transmitido de segunda a sexta-feira na RTP 2. Miguel Cotrim

Conferências Quaresmais em São José

“Paulo tem sido muito mal tratado, conhecido e amado pelos cristãos, essencialmente, nós católicos”. A afirmação é do jornalista António Marujo, na primeira sessão do ciclo de conferências quaresmais organizadas pelas paróquias da cidade. Para o jornalista do «Público», especializado em assuntos religiosos, “Paulo foi sempre visto como um anti-social, que desprezava as mulheres, impunha regras muito rígidas às primeiras comunidades cristãs, tinha um temperamento muito obsessivo e uma falta de humor”. Para explicar estes factos, António Marujo explica que é essencial entender a cultura da época e recorre-se a explicações de vários teólogos. Para António Marujo, Paulo conseguiu ser muito incómodo ao impor igualdades entre todos, ao abolir a escravatura e as diferenças entre “servo” e “senhor”. Segundo o jornalista do “Público”, “Paulo não se converte a nenhuma nova religião. Ele está de acordo com a nova doutrina. Não rejeita a sua fé judaica. Não recusou as normas do judaísmo, apenas quis aderir ao cristianismo, porque sabia que a salvação tinha chegado através da figura de Jesus Cristo”. António Marujo explica ainda o fenómeno de crescimento das primeiras comunidades cristãs. “Paulo aproveitou o desenvolvimento do império romano, que era notório através das estradas/vias entre as principais cidades e a linguagem que era comum a todos para poder evangelizar e anunciar a Boa Nova”. António Marujo diz ainda que “é muito bonito redescobrir Paulo através dos seus textos literários e era bom que quando chegássemos ao fim do ano paulino tivéssemos a mesma percepção”. António Marujo falou depois do papel da mulher na época de S. Paulo. Segundo ele, “é natural que houvesse mulheres à frente das comunidades. Estavam investidas com responsabilidades. As mulheres tinham o mesmo estatuto que os homens. As comunidades eram compostas por pequenos grupos de 20/30 pessoas e reuniam-se em casas de pessoas de classe média. Uma famosa teóloga que esteve recentemente em Lisboa e que António Marujo teve a oportunidade de entrevistar, disse-lhe que a hierarquia da Igreja tem a possibilidade de estudar e reflectir sobre o papel da mulher no seio da Igreja, que está muito bem evidenciado no Novo Testamento. Mas, para António Marujo, “nem tudo correu bem a S. Paulo”. O modelo que ele projectou, onde todos eram iguais, não vingou. Ao reflectir sobre o tema “Onde está Deus hoje?”, o jornalista responde que “está onde menos se espera”. “Deus está nas pessoas que buscam a paz, está nos empresários que não despedem e não roubam”. Para António Marujo, a “Europa não está assim tão descristianizada quanto isso”. Nesta Europa velha e cansada, “ainda se respira solidariedade, ainda existe liberdade, em quase todos os países da Europa, a pena de morte está abolida, não temos hoje fronteiras e podemos trabalhar e circular em qualquer país da Comunidade Europeia”. Para o jornalista, os “altares a um Deus desconhecido são hoje muitos – basta todos aqueles que promovem a justiça, a liberdade, o respeito pelos direitos humanos e a solidariedade”. As Conferências Quaresmais decorrem às quintas-feiras, pelas 21,15 horas, no Salão da paróquia de S. José. Hoje, dia 12 de Março, caberá a António Pinto Leite, falar sobre o tema “Caminhos de Damasco”. Quais são, para os homens de hoje os caminhos de Damasco? Como é que Jesus interpela? Como reconhecê-lo? António Pinto, antigo dirigente do PSD, colabora semanalmente com o semanário Expresso. No dia 19 de Março, Maria do Loreto Paiva Couceiro, do movimento GRAAL abordará o tema “Que Igreja num mundo global?” Num mundo global, uma Igreja global, sem distinção de raças nem de cores, preocupada com todos os homens e com o homem todo. É esta a Igreja que somos? Serão as respostas dadas pela Dr.ª Maria do Loreto Paiva Couceiro, doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Nova de Lisboa. No dia 26 de Março caberá ao Bispo Auxiliar de Braga, D. António Couto falar sobre o tema “Comunidades e capelinhas?”. D. António Couto foi ordenado bispo em 2007 e pertencia aos Missionários da Boa Nova. No dia 2 de Abril, o Padre Doutor Joaquim Carreira das Neves falará sobre o tema “Desafios da Evangelização, hoje”. O Padre Carreira das Neves é professor jubilado da Universidade Católica Portuguesa e é assídua presença no programa Ecclesia transmitido de segunda a sexta-feira na RTP 2.

Conferências Quaresmais em S. José

Como é habitual, há uns anos para cá, as paróquias da cidade de Coimbra levam a efeito às quintas-feiras à noite no Salão de Paroquial de S. José, as tradicionais Conferências Quaresmais, este ano sob o tema “Onde está Deus, hoje? António Marujo, jornalista do jornal “Público”, especializado em temas religiosos, é o primeiro conferencista a iniciar no dia 5 de Março, pelas 21,15 horas, o ciclo de conferências quaresmais. Licenciado em comunicação social pela Universidade de Lisboa, foi contemplado, pela segunda vez, com o prémio “John Templeton”. Este prémio destina-se a honrar jornalistas que escrevem sobre religião na imprensa laica, com exactidão, imparcialidade e espírito ecuménico. Publicou um livro sobre o primeiro ano de Pontificado de Bento XVI “Uma Papa (IN)esperado”. Outro intitulado: “Para além das imagens…Para além das Palavras” sobre pessoas deficientes. Publicou ainda, recentemente, uma entrevista com José Tolentino Mendonça, padre, poeta e professor de Bíblia, intitulado: “Jesus é um mistério fascinante, ainda por descobrir”. No dia 12 de Março, caberá a António Pinto Leite, falar sobre o tema “Caminhos de Damasco”. Quais são, para os homens de hoje os caminhos de Damasco? Como é que Jesus interpela? Como reconhecê-lo? António Pinto, antigo dirigente do PSD, colabora semanalmente com o semanário Expresso. No dia 19 de Março, Maria do Loreto Paiva Couceiro, do movimento GRAAL abordará o tema “Que Igreja num mundo global?” Num mundo global, uma Igreja global, sem distinção de raças nem de cores, preocupada com todos os homens e com o homem todo. É esta a Igreja que somos? Serão as respostas dadas pela Dr.ª Maria do Loreto Paiva Couceiro, doutorada em Ciências da Educação pela Universidade Nova de Lisboa. No dia 26 de Março caberá ao Bispo Auxiliar de Braga, D. António Couto falar sobre o tema “Comunidades e capelinhas?”. D. António Couto foi ordenado bispo em 2007 e pertencia aos Missionários da Boa Nova. No dia 2 de Abril, o Padre Doutor Joaquim Carreira das Neves falará sobre o tema “Desafios da Evangelização, hoje”. O Padre Carreira das Neves é professor jubilado da Universidade Católica Portuguesa e é assídua presença no programa Ecclesia transmitido de segunda a sexta-feira na RTP 2.