Braga: Centro Missionário dinamiza projeto de apadrinhamento de catequistas em Moçambique

Braga, 27 out 2017 (Ecclesia) – O Centro Missionário Arquidiocesano de Braga (CMAB) relançou o projeto de “apadrinhamento/amadrinhamento” de catequistas em Ocua, na Diocese de Pemba, Moçambique, após o “sucesso” da primeira edição.

Num comunicado enviado à Agência ECCLESIA, o CMAB informa que no primeiro ano do projeto conseguiu 133 apadrinhamentos de catequistas.

“Um número que atinge as expectativas e deixa entrever a possibilidade de se alcançar a totalidade dos apadrinhamentos em 2020”, realça o centro.

Neste contexto, o Centro Missionário Arquidiocesano de Braga relança o projeto para que as comunidades das missões católicas de Ocua, em Pemba, Moçambique, “cresçam na fé”.

Por 30 euros forma-se um catequista, entre dois a três anos, e o valor inclui material didático, catecismos, deslocações e alimentação.

O objetivo do projeto era proporcionar formação de 546 cristãos através do curso inicial de catequese, até 2020, para “servirem as 96 comunidades cristãs” de uma paróquia com 100 quilómetros de extensão, explica ainda a informação enviada pelo Departamento Arquidiocesano de Comunicação de Braga.

CB

II Concílio do Vaticano: Um tomista que não foi ouvido

Defensor da Justiça em favor dos “mais fracos e oprimidos”, D. Sebastião Soares de Resende (1906-1967) promoveu a “educação da juventude das missões com milhares de escolas primárias” e idealizou para Moçambique uma sociedade “integrada de raças e cidadãos iguais, perante a lei, apesar das diferenças”. (mais…)

Missionária Comboniana em Moçambique – Emissão 07-09-2017

Viaje connosco até Moçambique. Quem nos guia é a Irmã Maria José da Cunha, missionária comboniana que em 1981 fez a primeira viagem até este país africano. Ali encontrou uma sociedade marcada pela guerra civil onde as suas mãos de enfermeira ajudaram a sarar algumas feridas – são marcas que não se apagam e que persistem junto de um povo marcado por muitas desigualdades. Mas as missionárias combonianas nunca saíram de Moçambique: seja na saúde, na educação, ajudando a formar um povo a sua presença sempre foi valorizada e é lá que esta religiosa quer continuar a sua missão.
De passagem por Portugal, conversamos com a Irmã Maria José que há mais de 30 anos viaja de Viseu para Moçambique.