Bragança: Câmara distinguiu técnicos da Centro Social e Paroquial de Santo Condestável

Lisboa, 21 Fev (Ecclesia) – A Câmara Municipal de Bragança distinguiu dois técnicos da Centro Social e Paroquial de Santo Condestável na cerimónia de comemoração dos 547 anos da cidade, a 20 de Fevereiro.

A irmã Eduarda Siza Vieira, directora do Lar de S. Francisco, e Pedro Guerra, director de serviços desta instituição, receberam a o reconhecimento público de Mérito, na categoria de “Cidadania”, atribuída pelo município.

Em nota enviada à Agência ECCLESIA, a direcção do Centro Social e Paroquial de Santo Condestável “congratula-se” com esta decisão.

“A Autarquia reconhece, assim, a dedicação de ambos aos mais necessitados, que ultrapassa largamente o âmbito do estrito desempenho das suas funções no seio do Centro Social e Paroquial de Santo Condestável”, refere o presidente da direcção, padre Calado Rodrigues.

OC

D. Januário Torgal Ferreira lembrou Santo Condestável

Em 20 de Outubro último, a Academia da Marinha, na pessoa de seu Presidente, Almirante Nuno Vieira Matias, convidou D. Januário Torgal Ferreira a proferir uma conferência sobre “S. Nuno de Santa Maria: o Santo”, dissertando sobre a figura do herói pátrio, o Tenente-General Alexandre de Sousa Pinto, Presidente da Comissão Portuguesa de História Militar.

O Bispo das Forças Armadas e de Segurança, chamando a atenção para os pormenores e cotejo das fontes (Crónica do Condestabre e Crónica de D. João I), sublinhou que o testemunho da santidade se construiu na secularidade de uma vida profissional. Os critérios ético-sociais no tocante aos beligerantes inimigos, a acção em prol de uma sociedade livre e equilibrada nos seus direitos e tensões sociais, a defesa de um salário justo, o testemunho do comando, em todos os procedimentos, sobretudo no exemplo de quem vai sempre “à frente” e na formação dos seus pares (poucos e bons portugueses), o incentivo à liberdade de escolha no âmbito do ofício de armas, o desprendimento dos bens e a sua partilha, o sentido da “guerra justa”, a oposição à violência gratuita, entre outros, são elementos a considerar, nunca os silenciando como tem acontecido, nem reduzindo o sentido da perfeição evangélica ao burel de um frade carmelita…

Não admira que tais desconhecimentos perdurem, lado a lado, com preconceitos e, por via disso, incultura. É como, se nos dias de hoje, alguém sem responsabilidades e saber, chamasse aos numerosíssimos bispos, encarregados da pastoral militar, “bispos da guerra”.

Eborenses fazem petição por monumento ao Santo Condestável, autarca disponível

Um grupo de cidadãos eborenses solicitou ao presidente da Câmara Municipal a construção de um monumento ao Santo Condestável.

O pedido, que recorda a importância de D. Nuno Álvares Pereira para a independência de Portugal, pode ser lido e assinado na Internet em (www.peticaopublica.com/PeticaoVer.aspx?pi=P2009N244).

Contactado pela Rádio Sim Alentejo, José Ernesto Oliveira, disse que “quando receber a petição terei ocasião da propor à Câmara Municipal e daí a discutir, sendo que uma possível localização surgirá de acordo com a decisão que a Câmara tomar sobre esse assunto”.

“Da minha parte nada terei a opor, pelo contrário, terei muita honra em receber essa proposta na Câmara Municipal e vê-la concretizada”, concluiu.

Recorde-se que para os signatários do pedido, a “grandiosidade histórica de Évora” e a ligação de D. Nuno Álvares Pereira à cidade justificam a edificação de um monumento a esse “Herói Nacional a quem tanto devemos e que a todos deveria servir de exemplo”.

 A petição foi subscrita até agora por 75 pessoas.

 

ACEGE recebe Santo Condestável

A Associação Cristã de Empresários e Gestores (ACEGE) promove um almoço/debate sobre "S. Nuno de Santa Maria". Esta iniciativa decorre hoje, dia 3 de Julho, na Rua dos Douradores n.º 57 (Lisboa) e terá como orador Manuel Braga da Cruz, Reitor da Universidade Católica Portuguesa.

No passado dia 26 de Abril, Bento XVI confirmou a santidade do Beato Nuno de Santa Maria. Na homilia o Papa referiu a propósito de S. Nuno: "Sinto-me feliz por apontar à Igreja inteira esta figura exemplar nomeadamente pela presença duma vida de fé e oração em contextos aparentemente pouco favoráveis à mesma, sendo a prova de que em qualquer situação, mesmo de carácter militar e bélico, é possível actuar e realizar os valores e princípios da vida cristã, sobretudo se esta é colocada ao serviço do bem comum e da glória de Deus."

Mensagem do Bispo de Setúbal aos finalistas do ensino superior

Caros finalistas do Ensino Superior do ano de 2009,
A igreja de Setúbal alegra-se pela vitória que alcançastes com a conclusão do vosso curso; dá-vos parabéns – bem como aos docentes e ao pessoal não docente das vossas escolas e aos vossos familiares particularmente aos pais – ; e deseja-vos muitas felicidades para o ciclo de vida que ides iniciar.
É provável que estejais preocupados com o futuro, sempre difícil, mas agora ainda mais. Não vos assusteis. Os homens sempre tiveram de enfrentar o futuro com as suas mil dificuldades e perigos.
Podia apontar-vos uma multidão de jovens que enfrentaram enormes dificuldades e que triunfaram. Vou referir apenas um jovem que viveu em Portugal no século XIV, num tempo difícil, e que ficou no coração dos portugueses como o Santo Condestável. Este homem, Nuno Álvares Pereira, subiu tão alto que Camões nos Lusíadas, entre as várias oitavas que lhe dedicou o cantou assim: ditosa pátria que tão ilustre filho teve.
Escolhi referi-lo porque no dia 26 de Abril o Santo Padre, depois de o ter proclamado solenemente como santo, o propôs como modelo para a Igreja espalhada por todo o mundo, dizendo em resumo: «considerai o êxito da sua carreira, imitai a sua fé».
Se São Nuno Álvares Pereira venceu, num contexto difícil, também vós podeis vencer se como ele aceitardes alguns desafios, entre os quais, o desafio de acreditar que é possível; o desafio de assumir responsavelmente a vida nas vossas mãos; o desafio da solidariedade e da verdade.
Mas o segredo último do triunfo de São Nuno Álvares Pereira está na sua fé em Jesus Cristo: uma fé firme e forte quando, como outros, a poderia ter recusado ou a poderia ter vivido de forma pouco ou nada séria. Foi esta fé que o levou a confiar sempre em Deus mesmo quando parecia que Ele se ausentava; a arriscar a vida em prol do bem comum; a dar toda a fortuna para ajudar os pobres; a dedicar longo tempo à oração; e a ser humilde diante de Deus e diante do mais pobre dos homens.
Foi a confiança em Jesus que lhe deu coragem para ser diferente; para assumir a sua responsabilidade perante si e a sociedade, para amar os outros – a começar pelos pobres – com generosidade total: para triunfar.
Quereis vencer, caros finalistas?
Considerai o triunfo da carreira de São Nuno Álvares Pereira e imitai o seu exemplo. Jesus Cristo, que fez dele um homem ilustre e um santo, também o fará em vós, se como São Nuno vos decidirdes a amá-Lo de todo o coração, na comunhão desta grande família que é a Igreja.
Apoiado na intercessão de São Nuno Álvares Pereira peço a Deus que ilumine os olhos do vosso coração para poderdes ver a missão que Deus vos quer confiar e para a realizardes com a alma grande de S. Nuno.
E de novo vos digo com alegria e esperança: parabéns e felicidades.

Cardeal Saraiva Martins acredita na rápida beatificação de religiosa portuguesa

 Depois da canonização de São Nuno de Santa Maria, é Madre Clara do Menino Jesus, a fundadora das Irmãs Hospitaleiras portuguesas da Imaculada Conceição, que poderá ser beatificada já no próximo ano.

 

A convicção foi expressa, na Renascença,  pelo Cardeal D.José Saraiva Martins, Prefeito emérito da Congregação para a Causa do Santos, num debate sobre o Santo Condestável.

 

D. José Saraiva Martins diz que a causa da Madre Clara do Menino Jesus está bem adiantada e acrescenta que neste momento os médicos estão a estudar um alegado milagre.

 

Já em relação à canonização dos Pastorinhos, o Cardeal Saraiva Martins disse que o processo só deverá conhecer novos avanços se for conseguido um novo milagre.

 

Neste momento há cerca de 30 processos relativos a portugueses na congregação para a Causa dos Santos.

Lisboa agradeceu canonização de Nuno Álvares Pereira

Nuno Álvares Pereira, canonizado por Bento XVI no passado dia 26 de Abril, deve ser visto como um exemplo para todos os cristãos, afirmou D. José Policarpo. “Reunimo-nos hoje, aqui, para agradecermos a Deus a santidade de São Nuno de Santa Maria. Viveu e morreu nesta cidade, amou Portugal, viveu profundamente essa radicalidade pascal. Foi santo porque foi um cristão fiel”, indicou. Na Missa de Acção de Graças pela canonização de São Nuno, que teve lugar este Domingo na Paróquia de Santo Condestável, em Lisboa, o Cardeal-Patriarca frisou que nesta figura “sempre se evidenciaram a profundidade da sua fé e a grandeza da caridade, que levou ao extremo do apagamento humano para que só ficasse o amor”. “Ele continua a dizer-nos que é possível viver com fé todas as realidades humanas, sociais, políticas, militares, familiares, religiosas; continua a dizer-nos que é possível ser santo em todas elas, que se pode viver toda a vida com Deus, que nos vai sugerindo, em cada momento e em cada circunstância, a maneira de acreditar e de amar”, disse, na sua homilia. Notícias relacionadas • Homilia do Cardeal-Patriarca na Missa de Acção de Graças pela canonização de São Nuno de Santa Maria

Nuno do Carmo e os Painéis dos mestres

«Nuno do Carmo e os Painéis dos mestres» é um recital de poesia acompanhado de Guitarra Portuguesa que será exibido no próximo dia 9 de Maio, na Sé de Lisboa. Esta é uma iniciativa conjunta do grupo Novos Universitários Católicos, NUCA, (FCT – Monte da Caparica) e do Vale de Acór, e surgiu por ocasião da Canonização do Santo Condestável, dia 26 de Abril de 2009, em Roma. O argumento resume os momentos históricos da vida de D. Nuno Álvares e é constituído por nove painéis alusivos à sua vida, às virtudes e qualidades do Santo: Biografia, A Honra, Pátria, A Liberdade, A Fé, A Caridade, A Pobreza, A Confiança, O Santo. Nestes painéis foram inseridas obras de vários mestres da literatura. Os textos de Camões, Pessoa, Paul Claudel, Murilo Mendes e outros, foram interpretados por Adélia Nogueira Ramos, Bruno Couto, José Nogueira Ramos e Sara Ideias. O recital foi acompanhado por vários momentos musicais de Guitarra Portuguesa tocada pelos jovens guitarristas David Matias, Diogo Faria e Domingos Mira. Mais informações em http://www.novosuniversitarioscatolicos.blogspot.com:80/

Bispo de Coimbra pede mais santos para a Igreja de Portugal

D. Albino Cleto presidiu à primeira celebração eucarística de acção de graças, na Diocese de Coimbra, pela canonização de Nuno de Santa Maria, mais conhecido por Santo Condestável. Recorde-se que S. Nuno de Santa Maria foi canonizado pelo Papa Bento XVI, no passado dia 26 de Abril, no Vaticano, onde participaram cerca de dois mil peregrinos portugueses. O local escolhido por D. Albino Cleto foi a igreja do Carmo, em Coimbra, pelo facto de S. Nuno de Santa Maria, na segunda fase da sua vida, ter renunciado aos seus bens, consagrando-se à Deus, fazendo-se carmelita. E, entrou para o convento que mandou na altura construir – o Convento de Nossa Senhora do Carmo, em Lisboa. Para D. Albino Cleto, a sua maior batalha, “foi na segunda parte da sua vida, quando se fez carmelita”. Por isso, “é que escolhemos a igreja de Nossa Senhora do Carmo, (situada na rua da Sofia), outrora dos carmelitas, e hoje sob a responsabilidade da Ordem Terceira”. D. Albino enalteceu o ideal escolhido por Nuno Álvares Pereira ao fazer-se, em primeiro lugar, cavalheiro do reino para estar ao serviço do bem, e mais tarde, carmelita, consagrando-se para sempre à Deus. Para o Bispo de Coimbra, “tudo começa por um ideal, não há nenhum santo, que se faz santo para estar nos altares. O único objectivo é servir”, disse durante a celebração eucarística, concelebrada por monsenhor Geraldes Freire e o Padre Dr. Trindade. “Nuno Álvares Pereira que escolheu o seu ideal muito jovem, aos 13 anos de idade, e tendo grandes responsabilidades no reino aos 16, em qualquer batalha, recolhia-se sempre em oração”, afirmou D. Albino perante uma centena de fiéis. D. Albino Cleto lamenta ainda as críticas que apareceram nos jornais, em vésperas da sua canonização, questionando a Igreja, pelo facto de fazer santo, um homem que lutou pela sua pátria, utilizando a espada e ter derramado sangue em batalhas. “Calem-se agora as línguas que apenas dizem que só vão para os altares bispos, padres e religiosos”, exclamou D. Albino, em resposta as críticas. Para o prelado da Diocese de Coimbra, “a santidade não se cultiva apenas nos mosteiros e nos seminários, mas sim na vida”. A santidade é um projecto de qualquer cristão. “S. Nuno de Santa Maria, que agora veneramos, foi mais longe, pretendeu servir Deus, despejando-se de todos os seus bens. Fez-se humilde e pobre (pedindo ele próprio nas ruas para os pobres, ao ponto do rei proibi-lo, por ser vergonhoso para o reino). “O que é preciso para a Igreja da Europa, nomeadamente a Portugal?”, questionou, no fim da sua homilia, D. Albino. “Precisa mais de oração, mas precisa sobretudo mais de santos ao serviço do próximo”.

Escuteiros de Braga vibraram com a canonização de São Nuno

Bento XVI canonizou no passado dia 26 de Abril D. Nuno Alvares Pereira. O homem do estado que soube colocar os superiores interesses da nação acima das suas conveniencias, pretensões ou carreira. Num tempo de grave crise nacional, D. Nuno optou corajosamente por ser parte da solução e, numa entrega sem limites, enfrentou com esperança os enormes desafios sociais e políticos da Nação, enaltecendo ainda o despojamento dos bens e a radicalidade na entrega a Cristo. Não se valeu dos seus títulos de nobreza, prestigio e riqueza, para viver num clima de luxos e grandezas, mas optou por servir preferencialmente os pobres e necessitados do seu tempo. A Região de Braga do Corpo Nacional de Escutas – Escutismo Católico Português não quis faltar a esta cerimónia e juntou-se ao contingente Nacional, formando assim um grupo de 202 escuteiros de todo o território português que não passaram despercebidos no meio de milhares de fieis dando também um pouco mais de cor e alegria na praça de S. Pedro juntamente com milhares de fieis do território nacional. Durante a estadia, houve ainda possibilidade dos escuteiros participarem numa oração na Basílica de S. Paulo fora de muros, visitarem o centro de Roma e o Vaticano, e participarem numa Vigília de Oração na Igreja de Santo António dos Portugueses presidida pelo Cardeal Patriarca de Lisboa, D. José Policarpo. Momento singular este, para a Igreja Católica Portuguesa e para o Movimento Escutista Católico Português, que vê chegar aos altares canonizado o “Santo Condestável” ele que é também o Patrono do Corpo Nacional de Escutas – Escutismo Católico Português.