Nota da Obra Nacional para a Época Balnear de 2018 destaca valor do encontro entre culturas e pessoas

Lisboa, 05 jul 2018 (Ecclesia) – A Igreja Católica em Portugal defendeu a necessidade de uma “nova ética” no setor do Turismo, para valorizar “cada pessoa” acima da procura do lucro.

“Se é certo que, por natureza, somos um povo acolhedor, aberto ao diálogo com as demais culturas e vivências civilizacionais, há ainda um trabalho profundo a realizar, na implementação dessa nova ética do turismo, que vá além do lucro e se centre efetivamente no serviço à pessoa”, refere a nota da Obra Nacional da Pastoral do Turismo (ONPT) para a Época Balnear de 2018, enviada hoje à Agência ECCLESIA.

O texto é assinado pelo diretor da ONPT, padre Carlos Godinho, o qual propõe o “princípio aglutinador” de que o turismo está, antes de mais, ao serviço das pessoas, “de cada pessoa”.

“O encontro com civilizações e culturas diferentes tem de empenhar-nos, ainda mais, num acolhimento sincero e permanente a cada irmão, sobretudo em situações de carência ou de pobreza”, pode ler-se.

A ONPT realça que o turismo permite um “singular encontro de culturas”, potenciado pela globalização, e recorda que no centro desse encontro está o diálogo, “enquanto abertura ao outro, na pessoa do turista, e na comunicação de si – daquele que acolhe”.

“Somos convidados a acolher quem nos visita, apresentando com toda a diligência o nosso património cultural – material e imaterial –, para que os turistas possam conhecer a nossa identidade”, apela o organismo da Igreja Católica, no texto que acompanha, anualmente, o início da época de férias de verão.

OC

Partilhar:
Share