Papa alertou para a «cultura da maquilhagem», das aparências, e destacou importância do servir

Foto Vatican News

Cidade do Vaticano, 03 nov 2018 (Ecclesia) – O Papa Francisco afirmou que “a vida é uma contínua chamada a sair” na Eucaristia de sufrágio pelos 154 cardeais, arcebispos e bispos que faleceram nos últimos 12 meses, na Basílica de São Pedro.

“Para os ministros do Evangelho, a vida apresenta-se também em saída contínua: da casa de família para onde a Igreja nos envia, dum serviço para outro; estamos sempre de passagem, até à passagem final”, disse na homília a partir da parábola das dez virgens que “saíram ao encontro do noivo”.

Esta manhã, Francisco explicou que a vida é uma “contínua chamada a sair” para todos e exemplificou: “Do ventre da mãe, da casa onde se nasceu, da infância para a juventude e da juventude para a idade adulta, até à saída deste mundo”.

Na Basílica de São Pedro, o Papa realçou que o Evangelho lembra que o sentido desta “saída contínua que é a vida” é “ir ao encontro do noivo”, por isso, a vida constitui o tempo que “foi dado para crescer no amor”.

“Na vida, o essencial é escutar a voz do noivo. Esta convida-nos a vislumbrar dia-a-dia o Senhor que vem e a transformar toda a atividade numa preparação para as núpcias com Ele”, desenvolveu.

Francisco destacou que no Evangelho o “elemento é essencial” para as virgens “à espera das núpcias” não é “o vestido, nem mesmo as lâmpadas”, mas o azeite e destacou que a primeira de três características é o facto de não ser “vistoso mas, sem ele, não há luz”.

“É indispensável afastar-se das aparências mundanas a fim de se preparar para o céu. É preciso dizer não à «cultura da maquilhagem», que ensina a cuidar das aparências”, desenvolveu.

O segundo aspeto do azeite é que “existe para ser consumido”, tal como a vida que “só irradia luz, se se consumir, se se gastar no serviço”.

A terceira e última característica que o Papa destacou do azeite, e “aparece de forma relevante no Evangelho” é a “preparação”, uma vez que “o amor é, certamente, espontâneo, mas não se improvisa”.

Foto Vatican News

Na Eucaristia pelos 154 cardeais, arcebispos e bispos, o Papa incentivou a pedirem a “intercessão de quem viveu sem querer sobressair, de quem serviu do fundo do coração”, de quem se preparou dia após dia “para o encontro com o Senhor”.

“A exemplo destas testemunhas que, graças a Deus, existem e são muitas, não nos contentemos com uma vista restrita ao dia de hoje”, concluiu Francisco a homilia divulgada pela sala de imprensa da Santa Sé.

Esta sexta-feira, depois de presidir à comemoração dos Fiéis Defuntos no Cemitério Laurentino de Roma, o Francisco teve um momento de oração pelos Papa falecidos, nas Grutas Vaticanas, na Basílica de São Pedro, informa o sítio online ‘Vatican News’.

CB

Partilhar:
Share