Francisco convida cristãos a chegar ao «coração» da Paixão de Jesus

Cidade do Vaticano, 18 mar 2018 (Ecclesia) – O Papa Francisco manifestou-se hoje no Vaticano contra os abusos na utilização do crucifixo, defendendo que este não é um objeto ornamental, mas de fé.

“O Crucifixo não é um objeto decorativo ou um acessório de vestuário – muitas vezes abusado -, mas um sinal religioso a contemplar e compreender”, declarou, perante milhares de peregrinos reunidos no Vaticano para a recitação do ângelus.

Falando desde a janela do apartamento pontifício, como é tradição neste encontro dominical, o Papa questionou os presentes sobre a forma como olham para o crucifixo, se como uma “obra de arte” ou como símbolo do “mistério do Deus aniquilado, até à morte, como um escravo, como um criminoso”.

“Olhar o crucifixo, mas vê-lo por dentro”, recomendou.

Francisco convidou a retomar a devoção de rezar “um Pai-nosso por cada uma das cinco chagas”, diante do crucifixo, e a aprender a “grande sabedoria da cruz”, numa contemplação que ajuda a “chegar ao coração”, ao “íntimo da pessoa” de Jesus Cristo.

A duas semanas da celebração da Páscoa, antecedida pelos momentos celebrativos que evocam a prisão, julgamento e execução de Jesus, o pontífice destacou a importância de “olhar para a cruz”, onde se revela a “glória” de Deus.

“Na imagem de Jesus crucificado desvela-se o mistério da morte do Filho de Deus como supremo ato de amor, fonte de vida e de salvação para a humanidade de todos os tempos”, observou.

O Papa explicou a morte de Jesus como “ato de fecundidade” para que a humanidade pudesse ficar liberta da “escravatura do pecado”.

“O que significa perder a vida? Significa pensar menos em si mesmo, nos interesses pessoais, e saber ver, ir ao encontro das necessidades dos nossos próximos, especialmente dos últimos”, explicou.

Após a oração, o Papa agradeceu a todos os que estiveram envolvidos na viagem “inesquecível” que realizou este sábado aos locais ligados à vida do santo Padre Pio, na Itália.

OC

Partilhar:
Share