Cardeal Pietro Parolin inaugura simpósio para impulsionar rede ecológica global

Cidade do Vaticano, 05 jul 2018 (Ecclesia) – O secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, alertou hoje para a necessidade de uma proteção “urgente” do planeta, inaugurando os trabalhos de um simpósio da Santa Sé que visa impulsionar uma rede ecológica global.

“No contexto dos atuais e cada vez mais emergentes desafios ambientais da nossa época, há uma clara urgência no convite do Papa Francisco para cuidar da nossa casa comum. Todos sabemos quão precária é a situação do nosso planeta hoje”, advertiu o cardeal italiano.

O Vaticano recebe entre hoje e amanhã um simpósio sobre a ecologia, projetando encontros internacionais que se vão realizar nos próximos meses, como a conferência da ONU sobre as mudanças climáticas ‘COP24’, em dezembro (Katowice, na Polónia), e a Cúpula da Ação Climática Global.

Alista de oradores inclui ativistas e economistas, além de figuras como o novo cardeal peruano Pedro Barreto, da rede eclesial pan-amazónica; o cardeal Charles Bo, arcebispo de Rangum, Mianmar; o arcebispo metropolita ortodoxo John Zizioulas; ou o professor Hans Joachim Schellnhuber, diretor do Potsdam Institute for Climate Impact Research (Alemanha).

O simpósio internacional ‘Salvar a nossa casa comum e o futuro da vida na terra’ assinala o 3.º aniversário da encíclica ‘Laudato Si’, documento assinado pelo Papa Francisco, que foi publicado a 18 de junho de 2015.

“A encíclica é, de facto, uma resposta oportuna a um dos desafios mais urgentes enfrentados hoje pela humanidade, a saber, um possível colapso do próprio lar que nos sustenta a nós e a todas as formas de vida”, defendeu o cardeal Pietro Parolin.

O responsável observou que, para Francisco, “a ecologia humana e a natural são inseparáveis”.

“O grito da terra está intimamente ligado ao grito dos pobres”, acrescentou.

A iniciativa é promovida pelo Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, da Santa Sé, cujo responsável, o cardeal Peter Turkson, advertiu para as consequências da crise ecológica para as “futuras gerações”.

O compromisso, precisou o cardeal Turkson, é criar uma “rede mundial de pessoas” que assumam o compromisso de proteger o meio ambiente.

O teólogo irlandês Sean McDonagh disse durante o encontro que, se esta geração não agir, “nenhuma geração futura será capaz de reparar os danos causados ao planeta”.

OC

Partilhar:
Share