Francisco vai presidir a peregrinação ecuménica pela paz no Médio Oriente, com responsáveis cristãos da região, em Bari

Cidade do Vaticano, 01 jul 2018 (Ecclesia) – O Papa Francisco alertou hoje para a “grave” situação na Síria, a poucos dias de realizar uma peregrinação ecuménica pela paz no Médio Oriente, a Bari, com vários responsáveis cristãos.

“A situação na Síria continua a ser grave, em particular na província de Deraa, onde as ações militares dos últimos dias atingiram também escolas e hospitais, provocando milhares de novos refugiados”, disse, desde a janela do apartamento pontifício, após a recitação da oração do ângelus.

Pelo menos 29 elementos das forças governamentais e um jovem civil morreram em confrontos entre as forças do regime e fações rebeldes na província de Deraa, no Sul da Síria, informou este sábado o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

“Renovo, juntamente com a oração, o apelo para que esta população já duramente provada há anos, sejam poupadas a novos sofrimentos”, pediu o Papa Francisco.

Deraa, no sul da Síria, é palco de uma ofensiva militar das forças do presidente Bashar al-Assad, que levou dezenas de milhares de pessoas a fugir, junto à fronteira com a Jordânia.

O Papa vai realizar no próximo sábado uma peregrinação ecuménica a Bari (Itália) com “muitos chefes de Igrejas e comunidades cristãs” do Médio Oriente, para rezar “a uma só voz”, pela paz.

“Viveremos uma jornada de oração e reflexão perante a situação cada vez mais dramática daquela região, onde tantos dos nossos irmãos e irmãs na fé continuam a sofrer”, referiu aos peregrinos reunidos na Praça de São Pedro.

“Peço que todos acompanhem com a oração esta peregrinação de paz e unidade”, acrescentou Francisco.

O pontífice começou por evocar a crise sociopolítica na Nicarágua, onde decorrem manifestações contra o governo de Daniel Ortega, duramente reprimidas.

“Desejo unir-me aos esforços que os bispos do país estão a levar a cabo, com muitas pessoas de boa vontade, no seu papel de mediação e de testemunho pelo processo de diálogo nacional que decorre no caminho da democracia”, declarou o Papa.

A Conferência Episcopal da Nicarágua anunciou que a sessão plenária do diálogo nacional para superar a crise atual no país centro-americano será retomada na terça-feira.

O projeto inclui eleições antecipadas a serem realizadas em março de 2019 e a nomeação de novos juízes eleitorais e do Supremo Tribunal de Justiça.

Francisco falou ainda de uma “boa notícia” vinda de África, onde os governos da Etiópia e da Eritreia aceitaram sentar-se à mesa para cumprir o acordo de paz assinado em 2000.

O Papa considerou que esta é uma iniciativa “histórica”, deixando votos de que estes encontros possam “acender uma luz de esperança para estes dois países” e para todo o continente africano.

Na parte final do encontro de oração para a recitação do ângelus, Francisco recordou os jovens desaparecidos na Tailândia há mais de uma semana, depois de terem entrado num complexo rochoso subterrâneo.

OC

Partilhar:
Share