Francisco critica prioridades das grandes potências mundiais

Cidade do Vaticano, 22 jun 2018 (Ecclesia) – O Papa denunciou hoje o perigo de “eliminação” da presença cristã no Médio Oriente, criticando as prioridades das grandes potências mundiais na região.

“O Médio Oriente é hoje um cruzamento de situações difíceis, de sofrimento, e também no Médio Oriente há o risco – não quero dizer que seja vontade de algum – o risco de se eliminar a presença cristã. Um Médio Oriente sem cristãos… não seria um Médio Oriente”, disse, numa audiência a cerca de 100 participantes da 91ª Assembleia Plenária da ROACO – Reunião das Obras de Ajuda às Igrejas Orientais –, que comemora o seu 50.° aniversário de fundação.

Francisco falou num Médio Oriente que “sofre, chora” e no qual as potências mundiais deixam de lado “preocupações com a cultura, a fé, a vida dos povos”, olhando antes para o território com o objetivo de ter “mais domínio”.

O pontífice assinalou ainda que muitos católicos saem da região e deixam de voltar, “porque ali o sofrimento é grande”.

As migrações e a crise dos refugiados em países como a Jordânia ou a Turquia mereceram a atenção do Papa, que falou num “grande pecado” que faz sofrer muitas pessoas.

“É o pecado da guerra, cada vez mais forte”, precisou.

OC

Partilhar:
Share