Artigo aborda diálogo entre cristãos e judeus

Cidade do Vaticano, 08 jul 2018 (Ecclesia) – O Papa emérito Bento XVI publicou um novo artigo, intitulado “Misericórdia e vocação sem arrependimentos”, que aprofunda um documento publicado, em 2015, pela Comissão da Santa Sé para as Relações Religiosas com o Judaísmo.

O texto surge na última edição da “Communio”, revista teológica internacional, com prefácio escrito pelo cardeal Kurt Koch, o qual conseguiu convencer o Papa emérito a publicar a reflexão, datada de 26 de outubro de 2017.

Bento XVI aborda duas questões teológicas relativas à relação entre o Cristianismo e o Judaísmo, considerando que tanto a “teoria da substituição” como a da “Aliança nunca dissolvida” precisam de ser aprimoradas.

“As duas teses – que Israel não é substituído pela Igreja e que a Aliança nunca foi dissolvida – são geralmente corretas”, escreve, “mesmo que em muitos aspetos não sejam suficientemente precisas e necessitem de maior reflexão crítica”.

O Papa emérito realça que, do ponto de vista cristão, o Judaísmo tem um estatuto especial.

“O Judaísmo não é uma religião entre outras, mas está numa condição especial e como tal deve ser reconhecido pela Igreja”.

Já a fórmula da ‘Aliança nunca dissolvida’, que marcou a primeira fase do novo diálogo entre judeus e cristãos, “não é suficiente para expressar a grandeza da realidade de maneira suficientemente apropriada”, conclui Bento XVI.

OC

Partilhar:
Share