Monumentos pintam-se de vermelho, este sábado, para evocar cristãos perseguidos, em iniciativa da Fundação AIS

Cidade do Vaticano, 23 fev 2018 (Ecclesia) – O Papa Francisco vai receber este sábado, em audiência privada, o marido e uma das filhas de Asia Bibi, paquistanesa presa por alegada blasfémia, e Rebecca Bitrus, vítima do Boko Haram na Nigéria.

O encontro vai ser acompanhado pelo diretor do secretariado italiano da Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), Alessandro Monteduro, num dia em que a fundação pontifícia promove a iluminação de monumentos públicos, em vermelho, para evocar a situação dos cristãos perseguidos.

Asia Bibi foi condenado à morte e está na prisão desde 2009, por ter alegadamente insultado o profesta Maomé, à luz da “lei da blasfémia”, implementada no Paquistão.

Rebecca Bitrus, por sua vez, este sequestrada durante dois anos pelos islamitas do Boko Haram, na Nigéria; durante esse período, foi escravizada e violada, tendo engravidado de um dos seus captores.

A Fundação AIS vai iluminar de vermelho, este sábado, diversos monumentos como o Santuário do Cristo-Rei, em Almada ou a Basílica dos Congregados, em Braga; o Coliseu, em Roma, igrejas em Mossul, no Iraque, e em Alepo, na Síria.

D. Jorge Ortiga, arcebispo de Braga, deseja “chamar a atenção da opinião pública nacional para a violação dos princípios básicos da liberdade religiosa e das suas vítimas”.

“Às pessoas de boa vontade peço um compromisso e acção cívicas que promovam a paz e a dignidade. Aos cristãos da arquidiocese peço a força da oração perseverante e intensa pelos nossos irmãos cristãos perseguidos. Este rio de sangue que nos chega do oriente não nos pode deixar indiferentes”, refere, numa nota enviada à Agência ECCLESIA pela AIS.

Em Portugal, os Cavaleiros de Nossa Senhora – a Militia Sanctae Mariae – do Círculo Internacional Shahbaz Bhatti, em Braga, irão participar nesta iniciativa da Fundação AIS em favor dos cristãos perseguidos no mundo.

OC

Partilhar:
Share