Mais de 300 participantes percorreram mais de 6 quilómetros até ao túmulo de São Pedro, onde foram recebidos pelo Papa

Foto: Ricardo Perna/Família Cristã

Octávio Carmo, enviado da Agência ECCLESIA ao Vaticano

Cidade do Vatiano, 25 out 2018 (Ecclesia) – O Vaticano promoveu hoje uma peregrinação que uniu bispos e jovens participantes no Sínodo 2018, num percurso de seis quilómetros, por caminhos de montanha e pelas ruas de Roma, até ao túmulo de São Pedro, onde foram recebidos pelo Papa.

D. Rino Fisichella, presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização (Santa Sé), que organizou a iniciativa, explicou à Agência ECCLESIA que a peregrinação nasceu da ideia de mostrar “uma Igreja a caminho”, para levar o Sínodo à rua, num percurso que evoca a história das peregrinações, ao longo de todos os séculos do Cristianismo.

O arcebispo de Nampula (Moçambique), D. Inácio Saúre, referiu por sua vez que é “muito importante ter os bispos a caminhar junto com os jovens”.

“O destino desta peregrinação é o túmulo de Pedro e, como bispos, estamos juntamente com o sucessor de Pedro, o Santo Padre, junto do qual vamos fazer a nossa profissão de fé, para renovarmos a nossa comunhão”, observou.

Para D. Gabriel Mbilingui, arcebispo do Lubango (Angola), foi importante reavivar o sentido da peregrinação, “que afinal é um caminho”.

“No fundo, o Sínodo é caminhar, caminhar juntos, indo na mesma direção, com o apoio uns dos outros”, precisou, elogiando a recuperação do “espírito do Sínodo”, como momento para caminhar juntos e sentir-se “irmãos”, que têm Cristo como seu “guia”.

“É, sobretudo, ocasião para reavivar a minha vocação, enquanto bispo, e o meu espírito de comunhão, dentro desta chamada sinodalidade”, acrescentou.

O arcebispo angolano mostra-se satisfeito pelo trabalho já realizado em três semanas de reflexão sobre os jovens, “o símbolo da força, da energia, da alegria e da disponibilidade para seguir o Senhor”.

“O que nós fazemos, no fundo, nesta peregrinação é seguir o Senhor, no caminho que o leva à Cruz, que significa dom da própria vida, para a nossa salvação, é um caminho que deixa à própria Igreja”, concluiu.

Percorrendo a histórica Via Francígena, a peregrinação partiu do Parque de Monte Mario, seguindo durante cerca de três horas até a Basílica do Vaticano, onde foi celebrada uma Missa junto ao túmulo de Pedro, com a presença do Papa, presidida pelo cardeal Lorenzo Baldisseri, secretário-geral do Sínodo dos Bispos.

O jovem brasileiro Lucas Barboza Galhardo, um dos convidados no Sínodo dos Bispos, falou de um momento em que todos caminharam juntos, “na prática”, passando para o terreno o que tem sido discutido nas últimas três semanas.

“Foi uma atividade muito boa, de integração. Durante o caminho, pude conversar com vários participantes, foi uma experiência bonita, pude partilhar a vida, conversar com amigos”, relatou, já diante da Basílica de São Pedro, na parte final da peregrinação.

Da reserva natural do Monte Mario às ruas movimentadas da capital italiana, os cerca de 300 participantes fizeram uma experiência sinodal diferente das reuniões de trabalho e das celebrações que os têm reunidos no Vaticano desde 3 de outubro.

A assembleia sinodal encera-se no domingo, com a Missa final presidida pelo Papa, já após a discussão e aprovação, no sábado, do Documento Final e de uma Carta aos Jovens de todo o mundo.

“Este Sínodo quer ser um sinal da Igreja que realmente escuta e que nem sempre tem uma resposta pré-fabricada, já pronta”, escreveu Francisco, esta quarta-feira, na sua conta do Twitter.

Nesse mesmo dia, o pontífice a cada um dos jovens convidados do Sínodo uma cópia do ‘DoCat’, versão juvenil do Compêndio da Doutrina Social da Igreja.

“Espero que um milhão de jovens, mais ainda, que uma geração inteira seja, para os seus contemporâneos, uma Doutrina Social em movimento”, pede o Papa.

OC

A reportagem no Sínodo dos Bispos é realizada em parceria para a Agência Ecclesia, Família Cristã, Flor de Lis, Rádio Renascença e Voz da Verdade, com o apoio da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre

 

Peregrinação dos participantes do Sínodo ao túmulo de S. Pedro

Os participantes do Sínodo sairam hoje para uma peregrinação ao túmulo de S. Pedro, num momento de convívio e reflexão que juntou ainda jovens da cidade de Roma. Mais de 300 participantes numa caminhada de seis quilómetros, um dia diferente para estes participantes. A reportagem diretamente do Vaticano com os jornalistas Ricardo Perna e Octávio Carmo.

Publicado por Agência Ecclesia em Quinta-feira, 25 de Outubro de 2018

 

Partilhar:
Share