D. Anacleto Oliveira presidiu à peregrinação ao Santuário do Sagrado Coração de Jesus, no monte de Santa Luzia

Foto: Diocese de Viana do Castelo

Viana do Castelo, 11 jun 2018 (Ecclesia) – O bispo de Viana do Castelo afirmou na peregrinação ao Santuário do Sagrado Coração de Jesus, no monte de Santa Luzia, que “sair de si” e colocar-se disponível para os outros “é uma necessidade humana”.

“Quem olha apenas para si ou para o seu círculo familiar ou de amigos fica fechado e não tem hipóteses de sobreviver, pois sair de si não é apenas uma necessidade cristã, mas uma necessidade humana”, disse D. Anacleto Oliveira, na homilia deste domingo.

Na nota enviada à Agência ECCLESIA, o Secretariado Diocesano de Comunicação Social informa que o bispo de Viana explicou, neste âmbito, que a Igreja “oferece” a cada pessoa “meios que lhe permitam sair de si”.

D. Anacleto Oliveira apresentou o exemplo de Jesus descrito no Evangelho deste domingo, que “sai de si para que aqueles que o escutam façam o mesmo” e sejam capazes de “ir ao encontro dos outros, fazendo de cada um seu irmão, sua irmã e sua mãe”.

“Se assim for seremos felizes e a nossa Igreja diocesana será verdadeiramente família”, acrescentou o bispo de Viana do Castelo na Missa campal no Santuário do Sagrado Coração de Jesus.

Na centenária peregrinação diocesana ao alto do monte de Santa Luzia, na cidade de Viana, cumpre-se uma promessa feita aquando a crise da Gripe Pneumónica, em 1918.

D. Anacleto Oliveira assinalou que no contexto dos 40 anos da criação da diocese é possível olhar para a peregrinação como um acontecimento que “contribuiu para a formação da identidade da diocese, tal como outros que são específicos da Igreja do Alto Minho”.

CB/PR

Partilhar:
Share