«Consideramos um imperativo de humanidade que os nossos doentes sejam devidamente atendidos, visitados, valorizados e respeitados» – D. Manuel Felício

Guarda, 11 fev 2019 (Ecclesia) – O bispo da Guarda assinalou hoje o Dia Mundial do Doente, celebrado pela Igreja Católica, com uma mensagem em que apela ao cuidado com todos os que se sofrem.

“Cuidar dos seus doentes é uma obrigação de todas as comunidades”, escreve D. Manuel Felício, num texto enviado à Agência ECCLESIA.

O responsável alerta contra a “cultura da indiferença”, que desvia o olhar das situações de dor e limitação das pessoas.

“Cumpre-nos promover a cultura do dom gratuito e da proximidade para com todos os que vivem situações de fragilidade”, sustenta.

“Consideramos um imperativo de humanidade que os nossos doentes sejam devidamente atendidos, visitados, valorizados e respeitados principalmente por viverem situações especialmente visíveis de dependência e fragilidade”.

A mensagem do bispo da Guarda destaca a importância dos voluntários no acompanhamento de quem sofre e saúda os profissionais de saúde, “reconhecendo o mérito do trabalho que diariamente realizam”.

OC

Partilhar:
Share